segunda-feira, abril 18, 2016

Ciao!!!




Eu estava bem curiosa a respeito da continuação de Para todos os garotos que já amei porque queria saber como seriam resolvidas algumas situações que ficaram pendentes.

PS.: Ainda amo você – Jenny Han – Editora Intrínseca
(Ps.: I still love you - 2015)
Personagens: Lara Jean Song Covey e Peter Kavinsky

Após descobrir que ainda gostava/amava Peter, Lara Jean foi atrás dele e ambos decidiram transformar o “namoro de fachada” em algo de verdade. No entanto, a primeira missão será superar um vídeo dos dois juntos publicado na internet que se torna viral na escola, o fantasma de Genevieve no relacionamento deles e as próprias dúvidas de Lara Jean sobre o que fazer em seguinte. Entre idas e vindas, muitas dúvidas e o retorno do garoto da 5ª Carta ainda vão render muitos capítulos nesta história.

Comentários:

- Ah, Lara Jean e a adolescência! Quem nunca sofreu horrores ou transformou uma gota em uma tempestade de raios, trovões e furacões quando era adolescente? Ela se vê sofrendo com todas as confusões, emoções, dúvidas e intensidade do primeiro amor com Peter, que se vê bombardeado pelo vídeo íntimo deles publicado em um site e a repercussão entre amigos, desafetos, professores e família. 
- A sociedade está sempre pronta para envergonhar a mulher por gostar de sexo e aplaudir o homem – afirma Margot – Todos os comentários são sobre Lara Jean ser piranha, mas ninguém está dizendo nada sobre Peter, e ele está lá com ela. É ridículo como são dois pesos e duas medidas. (p.52)
Meu corpo é um templo, não é qualquer garoto que pode revereciá-lo.Não vou fazer nada além do que eu queira fazer (p.122)
- Além disso, continuam as mudanças na família: Margot continua estudando na Escócia, Josh está afastado, as meninas querem que o pai namore. E as mesmas coisas de sempre: não poderia ter uma irmã tão invasiva e abusada como Kitty porque seria problemas constantes na certa (mexer nas minhas coisas sem autorização – nem pensar). E aposto que muitas pessoas gostariam de ter o pai das irmãs Song. Ele consegue, mesmo desajeitado, ser uma força que ampara e cuida das meninas, nos melhores e piores momentos.

- Leva muito tempo para Lara Jean entender que na verdade é um período de mudanças, que muitas coisas  - família, amigos, amigas, escola – não serão mais as mesmas. A infância acabou e outros desafios estão surgindo, faz parte do ciclo da vida. Não é algo que pode ser impedido.

- No mais, temos a que ponto uma amizade pode se destruir e por que as pessoas pensam ter direito de expor e ferir as outras. Entendi o destino reservado à Genevieve, mas até pela forma como os outros personagens a descrevem, meu eu escorpiano justiceiro queria algo mais público.

- Sobre John Ambrose e Peter Kavinsky, quem nunca ficou em dúvida entre algo que pode ser e o que poderia ter sido? Lara Jean não entende porque sempre se reservou e fugiu deste tipo de sentimento. Ela sofre com a incerteza se é realmente amada por Peter e tudo serve de comprovação que ela é a segunda opção. Por mais que ele diga o contrário, a onipresença de Genevieve incomoda.  E John Ambrose – descrito como "um Robert Redford mais jovem" (pausa para toneladas de suspiros) – ressurge como a prova de que muitas vezes a gente deixa passar momentos que nem sempre podem ser recuperados depois. 

- O que não é fácil fica ainda pior, porque Lara Jean na maioria das vezes não sabe como agir, sem parâmetro para julgar, insegura com a sombra do relacionamento de Peter e Genevieve, com medo de avançar no relacionamento sem ainda se sentir totalmente pronta, e tentando ficar forte diante das maledicências e das fofocas na escola.

- É fofinho, você lê rápido (li em menos de dois dias), a história flui apesar de ter momentos repetitivos (reclamação feita especialmente por #MadreHooligan. “É bonitinho, mas tem ums momentos enjoadinhos”). Mas sejamos sinceras: a vida, volta e meia, nos brinda com períodos repetitivos e enjoadinhos. A gente não pode, ao contrário dos filmes, fazer um clipe musical dos momentos chatos e voltar a fazer a história andar quando fica mais bonito, divertido, legal ou melhor. O livro segue uma jornada tempestuosa narrada por uma escrita serena sobre como a vida é bonita, é má e inevitável. 

Serie 
P.S.: I still love you – P.S: Ainda amo você 


Bacci!!!


Beta
Reações:

Um comentário :

  1. Um acontecimento que eu não consigo engolir ainda, desde que fiquei sabendo sobre ele naquele primeiro livro: cartas surrupiadas para serem enviadas sem conhecimento de sua dona para seus destinatários respectivos ! Eu não sei o que eu faria com esse criminoso em lugar dessa personagem !!! Que abuso !!! Que invasão !!! Mas adolescência é mesmo uma etapa complicada e minha adolescência não foi minha época melhor ...

    ResponderExcluir