domingo, maio 27, 2018

Ciao!



Aceitando sugestões para saber o que faço com esta barra que é gostar da Julia Quinn. Sério. A gente ama um livro, aí a Arqueiro lança outro, a gente ama também. E agora, como fico até sair o próximo?! Quero continuar amando tudo que ela escreve!!!

Mais forte que o sol – Julia Quinn – Editora Arqueiro (Irmãs Lyndon 2)
(Brighter than the sun – 1998)
Personagens: Ellie Lyndon e Charles Wycombe, conde de Billington

Ellie não podia prever o quanto a vida dela mudaria ao acudir um conde embriagado que despencou de uma árvore durante um passeio. Não é que os dois terminaram se casando por conveniência? E é aí que a história começa: com Ellie e Charles tentando se entender e fazer o casamento funcionar, no entanto, uma série de eventos desafortunados e o surgimento de “sentimentos inconvenientes” ajudam a complicar a situação...

Comentários:

- Ellie e Charles, como não amar o “casamento por conveniência à moda Julia Quinn”? Sério! Se você precisa de uma história que se desenvolve com dois personagens que se aproximam e precisam se conhecer com o tempo e são charmosos e cativantes à sua maneira, pegue este livro.

- Ellie é a filha mais nova do vigário, a irmã de Victoria, que se casou recentemente. Viveu uma situação inesperada quando um conde bêbado caiu de uma árvore. E o descarado ainda fez uma proposta de casamento a ela: já que precisava de uma esposa para ter uma herança. Ela até pensou em recusar, mas ao ser lembrada de sua condição: filha solteira morando na casa do pai, prestes a se casar novamente e sendo empurrada para pretendentes piores, pelo menos Charles era melhor opção. E seria uma opção dela.

- Só que a vida em Wycombe Abbey se revela mais complicada, o que não ajuda o início de um casamento por conveniência. Ellie quer se sentir confortável, mas as coisas não saem como ela espera. Sério, prepara para ter pena da moça, porque se você for como eu vai achar que ela precisava benzer ou de um banho de sal grosso. A sorte é que ela é forte e inteligente, sabe que precisa encontrar uma explicação além das aparências.

- Mas prestem atenção em Charles nestes momentos. É nestas horas que a gente percebe o que há por trás da fachada do conde, aquilo que ele ainda não conseguiu elaborar e colocar em palavras até mesmo para si mesmo. São estes detalhes que a Julia Quinn constrói com maestria nos personagens: a gente percebe as entrelinhas deles e se apaixona por isso. Ao contrário do livro de Victoria, onde passei a maior parte da história não gostando das atitudes de Robert, aqui a gente veste a camisa de Charles e de Ellie desde o início, por quem cada um é e por quem podem se tornar juntos.

- E ainda tem os coadjuvantes que amamos e que fazem a diferença na história.  Caso você tenha se perguntado se haverá a história de Claire Pallister – como eu me perguntei (sim, por causa de uma frase de Ellie), a resposta está neste link.

- Ah, e a explicação do título é de uma chuva de coraçõezinhos e explosão de arco-íris. Mas vou deixar que vocês leiam para descobrir! A Julia Quinn não erra a mão, as coisas funcionam e a gente se perde na história de casamento por conveniência e “amor por consequência” de Ellie e Charles. Quero mais!

Irmãs Lyndon
Mais lindo que a lua – Everything and the moon – Victoria Lyndon e Robert Kemble, conde de Macclesfield
Mais forte que o sol – Brighter than the sun – Ellie Lyndon e Charles Wycombe, conde de Billington


Bacci!!!


Beta

sábado, maio 26, 2018


Ciao!


Ah, uma escorpiana em crise quando a vida sai do controle.
Compreendo perfeitamente.
A diferença é que não encontrei nenhum Júpiter – nem nenhum outro planeta do sistema solar, Plutão incluído (já que ele é o regente do meu signo) – para me ajudar. Seria bom ter um apoio para dar folga aos rapazes do Il Volo!

Sol em Júpiter – Lola Salgado – Harlequin
(2018)
Personagens: Sol Leão, André Carranza e Júpiter

A vida da youtuber Sol Leão parecia perfeita nas fotos do Instagram ou nos vídeos do Youtube: com 6 milhões de seguidores, o corpo bonito, morando de frente para o mar e ter encontrado o noivo perfeito em André, também youtuber. Só que na vida real ela enfrentava dúvidas e lidava com a insegurança, não aproveitava tanto a vida quanto divulgava e estava remoendo uma série de eventos desafortunados que incluiu um flagrante de um estranho em situação constrangedora... E quando as coisas começam a desandar, Sol vai descobrir o que é real e importante na própria vida.

Comentários:

- Eu costumo gostar de livros de pessoas enfrentando perrengues em série, especialmente quando costurados com humor, porque, bem, me ajuda a encarar os meus perrengues. Confesso que não sou o ser humano mais atento à rotina de youtubers, mas achei interessante a autora usar a protagonista para discutir a confusão causada entre real e “real-virtual”.

- Com a explosão das redes sociais, o fenômeno da “grama do vizinho é sempre mais verde” piorou. As pessoas encontraram formas de expor a própria rotina e nem sempre o que está nas imagens compreende à real situação enfrentada por elas. E isso causa resposta nos outros – seja os que se identificam ou os que odeiam, em alguns casos, o simples fato da pessoa existir. Regra básica para quem trabalha com internet: nunca leia os comentários. Muitas vezes, você vai encontrar o pior do ser humano (sério, eu fico me perguntando como alguém é capaz de encontrar tempo livre para escrever absurdos nos comentários. Não é possível que eles não tenham algo de produtivo para fazer).

- Enfim, a Sol vai se confrontar com isso quando iniciar uma maré de “eventos desafortunados” que a fazem questionar a vida que ela leva, a que aparenta levar e o noivado com André, outro youtuber, um homem lindo, aparentemente perfeito, mas que gosta de falar de si próprio e parece ser incapaz de escutar e compartilhar os problemas dela. Em que momento o meio que ela encontrou de expressar suas dores e a ajudar a viver fez com que ela se tornasse alguém que aparentemente vivia?

- Aí ela conhece Júpiter, que tem uma vida totalmente diferente dela. Outros problemas e outras metas. Só sabia que ela era a garota com quem se encontrou duas vezes em situações a) constrangedora e b) inesperada. Há uma química imediata entre os dois, que sabem que não podem ser mais que amigos. Através de Júpiter, Sol começa a lembrar o quanto de bom tem no que faz e, por tabela, o quanto está deixando de fazer por uma vida que não é a dela.

- Não vai ser um caminho fácil. Haverá decepções, julgamentos, preconceitos e traumas a serem enfrentados. Podem acreditar numa coisa: nunca queiram, em hipótese nenhuma, saber o que é sofrer um ataque de pânico e ansiedade. Não é legal, não é divertido, não é frescura, não é piti, nem falta de fé (seja qual for) em Deus. Então se encontrarem alguém nesta situação, ofereçam sua empatia e ajudem sem julgar, ok?  E se quem estiver lendo este texto, estiver passando por isso, busque ajuda especializada. Não é fraqueza. É necessidade. Tem tratamento para te ajudar a superar os dias mais difíceis rumo aos melhores, ok?

- Confesso que não esperava tanta coisa neste livro. Gostei dos dois protagonistas – a escorpiana descompensada e do rapaz com vida real demais para enfrentar e sonhos que não sabia se podia realizar. Gostei de acontecer em Florianópolis, um cenário diferente dos habituais na literatura nacional. Gostei de ter esta mensagem para a gente aprender a valorizar nosso melhor e saber que não existe ninguém perfeito dentro ou fora das redes sociais. E buscar aproveitar cada dia da própria vida com o que ela oferece de melhor.


Bacci!!!

Beta

quarta-feira, maio 23, 2018

Ciao!!!

Bem, vocês sabem que os livros da A.C. Meyer possuem um lugar cativo aqui em casa, desde que #MadreHooligan achou a série After Dark na livraria. Já a entrevistei algumas vezes e esta é especial porque é a primeira desde que o Literatura de Mulherzinha se tornou blog amigo...

(sim, vou ostentar)

... e porque tem tanto assunto, mas tanto assunto, que dividi em duas partes. A primeira, hoje, fala exclusivamente sobre O tipo certo de garota errada, que chegou às livrarias nesta semana.
Então, divirtam- se!!! 

* Sobre O tipo certo de garota errada: você contou na live no site da editora que sonhou com este livro. Como que foi isso? E qual a “técnica” para lembrar tudo que a Malu contou? Porque às vezes eu tenho sonhos lindos e nunca me lembro de tudo!

A Malu apareceu para mim num momento complicado da minha vida, onde eu estava passando por uma série de mudanças inesperadas. Tive um sonho em que ela estava sentada em uma espécie de banco alto, com as pernas cruzadas e fumando um cigarro, dizendo que eu tinha que escrever a história dela e que ia ser do jeito que ela estava me contando. Não podia ser diferente. Enquanto ela me contava, eu só balançava a cabeça e dizia: “Você está louca, eu escrevo comédia romântica”. Mas ela não sossegou enquanto eu não comecei a escrever. Foi um sonho muito “real”, sabe? Depois que acordei, passei o dia inteiro pensando nisso e acabei comentando com a minha melhor amiga sobre isso, que me incentivou a escrever, apesar dos meus protestos que não escrevo dramas e nem podia deixar o After Dark naquele momento (eu estava no meio do Encantada por Você). Acabei não resistindo e comecei a escrever a história dela. Foram três meses dedicados exclusivamente a Malu. Chorei, sofri, ri e me emocionei com ela e sua história. Quando acabei, senti como se contar a história dela tivesse curado ela e ela a mim. Tenho um amor enorme por esse livro e eu considero o meu melhor trabalho.


O que a Malu e o Rafael – cada um e em conjunto - tem de diferente dos seus protagonistas anteriores?

Eles dois são diferentes de todos os meus personagens... e é um livro completamente diferente do que vocês estão acostumados a ler meu, com uma carga emocional muito forte e bem distante da comédia romântica. A Malu tem um lado muito rebelde... ela fuma, bebe, fala palavrão... rs... é intensa e muito forte, mas ao mesmo tempo, ela tem uma sensibilidade e uma fragilidade escondidas que faz o coração da gente doer. E o Rafa é aquele porto seguro, um verdadeiro protetor, mas que tem tanto medo de se entregar, de se envolver, de amar... Juntos eles são explosivos, mas perfeitos um para o outro.

Pela sua experiência com os personagens deste livro, como encontrar coragem para ser você mesma e enfrentar os desafios do mundo?

Não é nada fácil enfrentar o mundo e impor suas escolhas e vontades... ser diferente do padrão, seja do que for: peso, altura, estilo, até carreira... mas aprendi com a Malu que a gente precisa ser fiel aos nossos sonhos e desejos, por que a vida é tão curta... então precisamos encontrar forças em nós mesmos. Não esquecer nunca que somos importantes e temos valor por sermos do jeitinho de cada um. Nem devemos baixar a cabeça para o preconceito ou julgamento alheio.


* Você divulgou uma playlist relacionada ao livro. O quanto as músicas te ajudaram a contar a história? 

A música foi fundamental nesse livro. Não só para me fazer embarcar nesse universo, mas por que os capítulos são iniciados por frases, citações e trechos de músicas, então muitas delas são aberturas de capítulos.

* É o começo de uma série, não é?

Sim, é o primeiro livro da série As Garotas, que vai ter mais dois livros. Não chamo de trilogia, por entender que trilogia é uma história dividida em três partes e não é o caso. Cada livro tem começo, meio e fim.

* O livro chegou às lojas nesta semana. Qual a sua expectativa de finalmente vê-los ganhando as imaginações dos leitores?

Estou num estado de emoção e alegria desde que a Record me liberou para falar do livro e mostrar a capa, que é do jeitinho que sonhei e imaginei. Ver O tipo certo de garota errada nas lojas é a realização de um sonho, a concretização de um projeto que esperei três anos para vê-lo ganhar o mundo. Eu espero que os leitores amem a Malu tanto quanto eu e que a história dela toque o coração de todos do jeitinho que  me tocou.


*** Em breve, a parte 2 da entrevista... ***

Bacci!!!

Beta

domingo, maio 20, 2018

Ciao!

Adorei a delicadeza dos elementos da capa!!!


A direta, mordaz e observadora Lady Whistledown está de volta. E junto com ela vamos acompanhar os desencontros durante uma temporada muito surpreendente na Inglaterra.
Afinal de contas, se o Tâmisa congelou, tudo pode acontecer!

Nada escapa a Lady Whistledown – Julia Quinn, Suzanne Enoch, Karen Hawkins e Mia Ryan – Arqueiro
(The Further Observations of Lady Whistledown - 2003)

A temporada de inverno de 1814 foi surpreendente – dentro e fora das colunas de Lady Whistledown!

A primeira história foi Amor Verdadeiro, de Suzanne Enoch. O comportamento “escandaloso” de Lady Anne Bishop virou tema de uma coluna de Lady Whistledown. Isso fez com que o marquês de Halfurst, deixasse o campo e viesse cobrar o casamento acertado quando eram crianças. O problema era que Anne não estava disposta a ser arrastada para o interior por um desconhecido que se recusou a dar sinal de vida antes. Ela lançou o desafio e Maximilian Trent aceitou!

Em Dois Corações, Karen Hawkins conta o choque de Royce Pemberley ao descobrir que sua mais querida amiga, a incomum srta. Elizabeth Pritchard pode estar perto de se casar. Logo Liza, que sempre o acompanhou e aconselhou, havia escolhido um marido que não combinava com o espírito vibrante e indomável dela. Isso o faz refletir se haveria alguém à altura de Liza e – o mais chocante – será que este alguém poderia ser ele?

Uma dúzia de beijos de Mia Ryan conta a confusão sentimental em que está lady Caroline Starling: de casamento marcado com um homem que não ama e se viu curiosa sobre Lorde Darington, justamente o homem que herdou o título do pai dela e despejou Linney e a mãe. Terrance Greyson não entendia a causa porque a família de Linney não gostava da ele e, para agravar, não era a mais expressiva das pessoas. Nada que uma temporada de eventos incomuns e um trio de gatos palpiteiros não possam ajudar a solucionar.

E Trinta e Seis Cartões de Amor de Julia Quinn, Susannah Ballister tinha passado de sucesso a escândalo da temporada anterior por causa de visto o seu pretendente pedindo publicamente a mão de outra e só queria que ninguém prestasse atenção nela. Agora tinha atraído a atenção do irmão dele, David Mann-Formsby, o conde de Renminster, disposto a remediar a infelicidade que sua família causou a ela. E não é que ambos podem descobrir que há males que vem para o bem?

***

Ao contrário de Lady Whistledown contra-ataca (originalmente lançado depois deste, em 2004) que há um mistério que costura os quatro contos, este aqui são as aventuras e desventuras de casais (ou não) durante a temporada de inverno de 1814. Geralmente as famílias se deslocavam para o interior, mas a movimentação foi grande em Londres no início deste ano.

Os personagens dos quatro contos se cruzam em eventos ao longo da temporada, eles interagem direta e indiretamente em algumas situações. Podemos ver a mesma cena de diferentes ângulos. E conhecer melhor algumas pessoas citadas brevemente em alguma história. E se divertir com algumas menções e até mesmo participações especiais (não vou contar quais são, mas posso garantir que vibrei quando revi algumas pessoinhas que já conhecia de outras histórias).

Ao contrário de #MadreHooligan, que confessor ter gostado menos do conto da Mia Ryan, eu gostei de todos. Temos personagens lidando com escolhas e com as consequências que desencadeiam. Dei boas risadas com as teimosias, as persistências, os desencontros, o confronto dos desejos, das vaidades e as dificuldades de assumir os sentimentos. Aquela incerteza, indecisão, as frases fora de hora, os comportamentos inesperados. Foi uma delícia poder relaxar aprendendo e lendo mais sobre eles. E torcer por mais livros assim, leves e que me fazem rir – ainda bem que não temos que esperar o Tâmisa congelar para isso acontecer, né?

Lady Whistledown
Nada escapa a Lady Whistledown – The Further Observations of Lady Whistledown
Lady Whistledown contra-ataca – Lady Whistledown strikes back

- Links: Goodreads livro; site da Julia Quinn, da Karen Hawkinssiteda ArqueiroSkoob; mais sobre Julia QuinnSuzanne EnochKaren Hawkins e Mia Ryan no Literatura de Mulherzinha.

Bacci!!!

Beta

sábado, maio 19, 2018

Ciao!!!



Uma princesa “quebrada” propõe um casamento de conveniência a um sheik que se considera incapaz de amar. Eis o par que Annie West une neste livro.

Amor Desvendado – Annie West – Paixão Ardente 10
(The sheikh’s princess bride – 2015 – Mills & Boon Modern Romance)
Personagens: princesa Samira de Jazeer e o sheik Tariq

Samira tinha sido muito magoada e ferida em um relacionamento que terminou muito mal e rendeu a ela uma indesejada perseguição dos inconvenientes paparazzi. Tariq era o soberano viúvo pai de dois garotinhos gêmeos que não se apegava a nenhum relacionamento. Amigos na adolescência, agora ele tinha o que ela desejava. E ela era quem ele desejava. Portanto um casamento de conveniência atenderia aos dois. No entanto, há muito mais sobre eles que ambos desconhecem. E isso pode complicar uma aparente convergência de interesses.

Comentários:

- A desafortunada e sofrida história da princesa Samira é mencionada em Descoberta no Harém, porque é um dos motivos pelo qual o sheik Asim é tão obcecado com a privacidade e a proteção da família – o que o coloca supostamente em rota de colisão com Jacqui. Também acompanhamos a virada da situação e o início da recuperação dela – se não total, pelo menos, ela começa a enxergar a chance de um recomeço.

- No início deste livro, a encontramos estabelecida na jornada iniciada na trama anterior, vendo a carreira profissional prosperar. No entanto, ela ainda se sente incompleta, por saber que nunca seria plenamente feliz por causa de uma “herança maldita” do relacionamento com o astro bonitão e cafajeste de Hollywood. Imaginando-se condenada ao mesmo sofrimento da mãe – se descontrolar e se entregar à paixão – tem sentimentos conflitantes ao reencontrar Tariq, a quem conheceu ainda adolescente porque era amigo de seu irmão. Samira percebe que um poderia ajudar o outro. Ela seria uma esposa ideal para um governante de um reino no Oriente Médio e ele poderia dar a ela a chance de ter uma família. Tudo isso sem amor e sem sexo, porque ela não queria mais voltar ao fundo do poço do sofrimento de jeito nenhum.

- Apesar de saber que os gêmeos precisariam de uma mãe, Tariq não se imaginava casando novamente. E foi surpreendido com a proposta de Samira de que um casamento de conveniência e a devida atitude respeitosa publicamente atenderia aos desejos de ambos. Ele reparou que ela propôs, por tabela, condições inaceitáveis, por desconhecer que ele a desejava desde a adolescência.

- Este casamento se torna uma surpresa para ambos, que vão entender que nem sempre o que a gente deseja, quando conquistado, traz a tranquilidade e a paz de espírito idealizada. Samira vai se deparar com uma realidade que ela não esperava – sentir intensa atração pelo marido “por acordo”. Tariq vai se sentir preterido por ela ter mais interesse nos gêmeos que nele e não admitir que o deseja. E sempre que novas cartas são colocadas em jogo, geram consequências que podem deixar o casal mais confuso do que já era ao embarcar nesta situação “boa para ambos”.

- No fim das contas, tanto Samira quanto Tariq queriam redenção pelo sofrimento que pensam ter causado – e que os transformou em reféns de sentimentos e atitudes que os aprisionam e comprometem a sensação de felicidade, além de atrapalhar a enxergar si mesmos com clareza e a interpretar o que o outro (não) está dizendo. Eles vão sofrer sim, mas será necessário, porque deixar estas armaduras e as coisas que não conseguiam admitir nem pra si mesmos para trás não é fácil. Mas como diz a Bíblia: a verdade libertará. E aí eles vão perceber se são realmente tão incompatíveis com o temido amor.

Dueto Votos do Deserto
1 -  Descoberta no Harém – Jacqueline “Jacqui” Fletcher e o sultão Asim de Jazeer – Paixão Ardente 09
2 -  Amor Desvendado – princesa Samira de Jazeer e o sheik Tariq – Paixão Ardente 10


Bacci!!!

Beta