quarta-feira, março 20, 2019


Ciao!



“Roberta, você vai ter que ler este livro. Eu achei que estava entendendo, mas teve um trem aqui e não estou entendendo mais nada!” 
Após este ultimato de #MadreHooligan, tive que ler o livro que ela deveria ter comentado comigo pra escrever aqui. Ok, vamos nós!

No meu sonho te amei – Abbi Glines – Arqueiro
(As she fades - 2018)
Personagem: Vale McKinley

Uma vida inteira de planos interrompidos prestes a começar. Vale e Crawford eram namorados desde a infância e celebravam o fim do ensino médio, quando sofreram um acidente de carro. Um mês em coma e muitos planos podem ser colocados em xeque. Ainda mais se Slate Allen entra no caminho oferecendo possivelmente mais que amizade.

Comentários:

- Boa parte do livro se passa em um hospital – ou naquela espécie de limbo em que entramos ao rezar por uma recuperação, seja a nossa ou a de alguém que amamos. Especialmente nos casos onde há indefinição: como no coma ou no diagnóstico de que não há nada mais a ser feito.

- Vale entrou neste caminho aguardando que Crawford abrisse os olhos. Passou as férias lendo para ele ou do lado de fora do quarto esperando – exceto à noite, só porque o hospital não deixou. Ela se recusava a seguir em frente sem o namorado, mesmo com o incentivo da sogra e da família dela, que achava que ela precisava respirar outros ares para enfrentar a situação da melhor forma possível.

- As coisas começam a muda quando Slate Allen, universitário veterano amigo de um dos irmãos dela, começa a se aproximar. A princípio, parece que ele só quer acrescentá-la à longa lista de conquistas. Mas têm algo em comum: o rapaz também está na vigília no hospital por causa de um parente, no caso, o tio.

- A partir da aproximação com Slate e das circunstâncias gritantes de que a vida precisa seguir – ela está matriculada em uma universidade, não pode se dar ao luxo de perder a vaga. E sem ter Crawford por perto, Vale é forçada a recuperar a si mesma, que vai além de ser metade do casal formado na infância, que planejou o roteiro do “felizes para sempre” que foi rompido pela vida. 
“No entanto, como em todos os sonhos bons... cedo ou tarde a gente precisa acordar” 
- De certa forma, o livro acompanha Vale acordando para a vida possível, a que competia ao que ela queria, não ao que esperavam da namorada de infância que se via como protagonista de uma história romântica perfeitinha idealizada. O acidente se torna um catalisador para que a Vale aprendesse a lidar com as consequências do que houve e de quem se tornaria a partir daquilo.

- A confusão de #MadreHooligan faz todo sentido por causa da forma que Abbi Glines escolheu para contar a história: ela nos conduz habilmente por um caminho para, então, dar uma reviravolta, que nos leva a observar a mesma história por outros pontos de vista. Talvez tenha faltado um parágrafo que deixasse claro o que eu entendi nas entrelinhas (e que frustrou #MadreHooligan).

- Não é uma história de amor convencional e nem foca tanto no triângulo amoroso que a sinopse insinua. Repito: é a jornada de Vale em busca de si mesma, não de quem a própria e/ou os outros pensavam que ela fosse. É como se ela tivesse despertando para a vida e descoberto que havia muito mais do que pensou haver antes. 
Para todas as meninas que levaram uma rasteira da vida e encontraram força para se levantar. 
Gostando ou não do livro ou do estilo, posso garantir que a Abbi Glines não escreveu essa dedicatória à toa.


Bacci!!!

Beta

domingo, março 17, 2019

Ciao!!!

*Pausa para admirar esta capa que ficou MUITO LINDA!*


Provavelmente você já viu em algum lugar das redes sociais que a Editora Arqueiro investiu na série Os Murray, da Hannah Howell. E isso é uma notícia tão boa que merece ser compartilhada à parte: O destino dasTerras Altas é um dos lançamentos de março da editora.

PRIMEIRO VOLUME DA SÉRIE OS MURRAYS.

Em O destino das Terras Altas, primeiro livro da série Os Murrays, Hannah Howell nos apresenta o esplendor da Escócia medieval com uma saga de guerra entre clãs, lealdades divididas e amor proibido.
Quando o destino coloca Maldie Kirkcaldy na mesma estrada que sir Balfour Murray e seu irmão ferido, ela lhes oferece seus serviços como curandeira. Ao saber que tem em comum com sir Balfour um juramento de vingança, decide seguir com ele para cumprir a sua missão.
Mas ela não pode lhe revelar sua verdadeira identidade, sob o risco de ser acusada como espiã. Enquanto luta para negar o desejo que a dominou assim que viu o belo cavaleiro de olhos negros pela primeira vez, Maldie tenta a todo custo conservar o aliado.
Balfour, por sua vez, sabe que não pode confiar nela, mas também não consegue ignorar a atração que nasceu entre os dois. E, ao mesmo tempo que persegue seu objetivo de destruir Beaton de Dubhlinn, promete descobrir os segredos mais profundos de Maldie e conquistar o seu amor. Para isso, não deixará que nada se interponha em seu caminho.


Eu faço parte da turma que já leu uma parte da série sobre essa família unida, oriçada na Escócia Medieval na publicação da falecida Nova Cultural (sim, com aquelas capas amarelo-meus-olhos-doem).

E sim, tenho expectativas altas para este retorno em grande estilo: em livraria, com tradução caprichada (Arqueiro não decepcionou na linha dos romances de época) e, pelo amor de Deus, esperando ver a toda a série publicada (e são muitos livros, porque os Murrays levaram a sério o “crescei-vos e multiplicai-vos”).

Então vou enumerar motivos pelos quais vou reler a série – e que eu recomendo a leitura para quem não leu ainda:

1 – Eu amo histórias de famílias – ainda mais quando surgem outras no meio, o povo briga, casa, separa, se estapeia, compra as tretas e luta junto. Um casamento pode criar laços suficientes com meia Escócia (e, sim, isso é muita encrenca).

2 – As mulheres Murray são muito boas. Elas são inteligentes, articuladas, estrategistas, compram briga, tomam decisões, assumem as consequências, falam na cara de quem as incomoda – incluindo o pretendente aparvalhado. É meio uma coisa que passa de mãe pra filha e isso era muito legal de ler.

3 – Tem muita treta. Nos castelos, na terra alheia, na corte. Casamento, sequestro, traição, intriga. Esse povo não pode ver uma confusão que sai correndo que nem eu com dinheiro em promoção na livraria.

4 – Ao contrário da NC que fez o lançamento fora de ordem, a Arqueiro vai lançar bonitinho, então, vamos conhecer a trilogia dos Patricarcas, depois a história da segunda geração Murray, aí surgem os agregados.. e segura na mão de Deus e vai!

5 – Os vilões. Tem gente realmente malvada, manipuladora, cretina, egoísta, disposta a sacrificar tudo e todos para conseguir o que quer.  

6 – Escoceses ruivos por todos os lados. Gostamos. Queremos.  

7 – Vocês vão precisar esperar até o quarto livro para saber o que a Elspeth faz com o Cormac depois do que o Cormac apronta com a Elspeth (isso meio que virou uma lenda e referência na família: “ah, isso não é nada perto do que a Elspeth fez com o Cormac”. Só que a NC lançou os livros fora de ordem, a gente leu os livros seguintes primeiro e NÃO SABIA o que houve. Sim, fiquei traumatizada com isso. Agradeço a compreensão).

8 – Eu tenho todos os livros lançados pela NC (que não são a série completa porque mais histórias foram lançadas depois do fim da editora), mas não li todos, porque eles não lançaram a história do Liam Cameron. Não sei quem foi o inteligente que lançou o livro 10 e do 12 em diante e abstraiu a existência do livro 11. Aí não quis ler os que vieram depois pra não ter spoiler (gato escaldado tem medo de água fria, como vocês viram no item #7). Arqueiro, tenha dó de mim, estou esperando há anos por este livro. Grata.

  
Por alguma razão muito estranha, não consegui abrir o site da Hannah Howell aqui em casa, deu erro.
Então fui no Goodreads para pegar a lista da série. Vamos nós:

Família Murray

1 – O destino das Terras Altas Highland Destiny – Maldie Kirkaldy e Sir Balfour Murray
2 – Highland Honor – Gisele DeVeau e Nigel Murray
3 – Highland Promise – Bethia Drummond e Eric Murray
4 – Highland Vow – Elspeth Murray e Cormac Armstrong
5 – Highland Knight – Avery Murray, Cameron MacAlpin
6 – Highland Bride – Gillyanne Murray e Connor MacEnroy
7 – Highland Angel – Kirstie MacIye e Payton Murray
8 – Highland Groom – Ilsa Campbell e Diarmot MacEnroy
9 – Highland Warrior – Fiona MacEnroy e Ewan MacFingal
10 – Highland Conqueror – Jolene Gerard e Sigimor Cameron  
11 – Highland Champion – Keira Murray MacKail e Liam Cameron
12 – Highland Lover – Alana Murray e Gregor MacFingal Cameron
13 – Highland Barbarian – Cecily Donaldson e Artan Murray
14 – Highland Savage – Katerina Haldane e Lucas Murray
15 – Highland Wolf – Annora MacKay, James Drummond
16 – Highland Sinner – Morainn Ross e Tormand Murray
17 – Highland Protector – Ilsabeth Murray Armstrong e Sir Simon Innes
18 – Highland Avenger – Arianna Murray Lucette e Brian MacFingal
19 – Highland Master – Triona McKee e Brett Murray
20 – Highland Guard – Annys MacQueen e Harcourt Murray
21 – Highland Chieftain – Bethoc Matheson e Callum MacMillan
22 – Highland Devil – Mora Ogilvy e Gybbon Murray

Mal vejo a hora de voltar pras Terras Altas na companhia dessa turma toda. Você também não vai perder, né?


Bacci!!!

Beta

sábado, março 16, 2019

Ciao!


Estão preparados?!
Tem tantos lançamentos em março das Editoras Arqueiro e Sextante em 2019!!!!
Confiram e aproveitem!

                        *** Lançamentos Arqueiro ***

O DESTINO DAS TERRAS ALTAS
Hannah Howell

PRIMEIRO VOLUME DA SÉRIE OS MURRAYS.

Em O destino das Terras Altas, primeiro livro da série Os Murrays, Hannah Howell nos apresenta o esplendor da Escócia medieval com uma saga de guerra entre clãs, lealdades divididas e amor proibido.
Quando o destino coloca Maldie Kirkcaldy na mesma estrada que sir Balfour Murray e seu irmão ferido, ela lhes oferece seus serviços como curandeira. Ao saber que tem em comum com sir Balfour um juramento de vingança, decide seguir com ele para cumprir a sua missão.
Mas ela não pode lhe revelar sua verdadeira identidade, sob o risco de ser acusada como espiã. Enquanto luta para negar o desejo que a dominou assim que viu o belo cavaleiro de olhos negros pela primeira vez, Maldie tenta a todo custo conservar o aliado.
Balfour, por sua vez, sabe que não pode confiar nela, mas também não consegue ignorar a atração que nasceu entre os dois. E, ao mesmo tempo que persegue seu objetivo de destruir Beaton de Dubhlinn, promete descobrir os segredos mais profundos de Maldie e conquistar o seu amor. Para isso, não deixará que nada se interponha em seu caminho.

A CARTA SECRETA
Lucinda Riley

Quando sir James Harrison, um dos maiores atores de sua geração, morre aos 95 anos, deixa para trás não apenas uma família arrasada, mas também um segredo que seria capaz de abalar o governo britânico.
Joanna Haslam, uma jovem e ambiciosa jornalista, é designada para cobrir o funeral, no qual estão presentes algumas das maiores celebridades do mundo. Mas ela se depara com algo sombrio além de todo aquele glamour: a menção a uma carta que James Harrison deixou, cujo conteúdo algumas pessoas escondem há setenta anos a qualquer custo.
Enquanto procura retirar o véu de mentiras que encobre o segredo e dar o furo jornalístico do século, Joanna percebe que forças poderosas tentam impedi-la de descobrir a verdade. E elas não vão se deixar deter por nada para chegar à carta antes dela.
Neste livro, Lucinda Riley apresenta um suspense surpreendente, sem deixar de lado o romance e a minuciosa reconstituição histórica que sempre encantam seus leitores.

O HOMEM INOCENTE
John Grisham

Em 1971, aos 18 anos, Ron Williamson tinha uma carreira promissora como atleta. Acabara de assinar contrato com um time grande de beisebol e de se despedir de Ada, sua cidade natal, para ir em busca do sucesso. Seis anos depois, estava de volta com os sonhos destruídos por um braço lesionado e o vício em bebidas e drogas. Foi morar com a mãe e passava vinte horas por dia dormindo no sofá.
Em 1982, uma garçonete de 21 anos chamada Debra Sue Carter foi estuprada e assassinada brutalmente em Ada. Por cinco anos o crime ficou sem solução, até que uma frágil evidência apontou a investigação na direção de Ron.
A partir daí o herói fracassado foi perseguido, acusado, julgado e condenado à morte. O processo, coalhado de testemunhas mentirosas e provas corrompidas, não só acabou de arruinar a vida já despedaçada de um homem, como permitiu que o verdadeiro assassino ficasse impune.
Com uma pesquisa impecável e uma narrativa arrebatadora, O homem inocente é um livro que ninguém pode se dar ao luxo de não ler.   

ATÉ O FIM
Harlan Coben

Pin 3 da Coleção Pin Arqueiro

Uma noite trágica. Uma vida inteira de segredos.
O detetive Nap Dumas nunca mais foi o mesmo após o último ano do colégio, quando seu irmão Leo e a namorada, Diana, foram encontrados mortos nos trilhos da ferrovia. Além disso, Maura, o amor da vida de Nap, terminou com ele e desapareceu sem justificativa.
Por quinze anos, o detetive procurou pela ex-namorada e buscou a verdadeira razão por trás da morte do irmão. Agora, parece que finalmente há uma pista.
As digitais de Maura surgem no carro de um suposto assassino e Nap embarca em uma jornada por explicações, que apenas levam a mais perguntas: sobre a mulher que amava, os amigos de infância que pensava conhecer, a base militar próxima a sua antiga casa.
Em meio às investigações, Nap percebe que as mortes de Leo e Diana são ainda mais sombrias e sinistras do que ele ousava imaginar.     

                         *** Lançamentos Sextante ***



AMOR PELAS COISAS IMPERFEITAS

Haemin Sunim

Como aceitar a si mesmo num mundo em busca de perfeição

Neste livro, o monge zen-budista Haemin Sunim ensina a arte de cuidar de si mesmo e de se relacionar com os outros com a sabedoria e a delicadeza que o tornaram conhecido no mundo todo.
Tratando de temas como aceitação, cura, coragem, família, fracassos, empatia e perdão, ele apresenta suas reflexões sobre como enxergar o mundo e a si mesmo com maior compaixão.
Ele nos mostra que quando aceitamos a nós mesmos – e os defeitos que nos fazem ser quem somos –, podemos ter relacionamentos plenos e gratificantes e nos sentir em paz.
Com lindas ilustrações, este livro vai inspirar você a amar a si mesmo, a sua vida e a todos que fazem parte dela.





A ELITE DO ATRASO

Jessé Souza

Quem é a elite do atraso?

Como pensa e age essa parcela da população que controla grande parte da riqueza do Brasil?
Onde está a verdadeira e monumental corrupção, tanto ilegal quanto “legalizada”, que esfola tanto a classe média quanto as classes populares?
A elite do atraso se tornou um clássico contemporâneo da sociologia brasileira, um livro fundamental de Jessé Souza, o sociólogo que ousou colocar na berlinda as obras que eram consideradas essenciais para se entender o Brasil.
Por meio de uma linguagem fluente, irônica e ousada, Jessé apresenta uma nova visão sobre as causas da desigualdade que marca nosso país e reescreve a história da nossa sociedade. Mas não a do patrimonialismo, nossa suposta herança de corrupção trazida pelos portugueses, tese utilizada tanto à esquerda quanto à direita para explicar o Brasil. Muito menos a do brasileiro cordial, ambíguo e sentimental.
No âmago da interpretação de Jessé não está a corrupção política. Para ele, a questão a partir da qual se deve explicar a história passada e atual do Brasil – e de suas classes, portanto – não é outra senão a escravidão.
Sob uma perspectiva inédita, ele revela fatos cruciais sobre a vida nacional, demonstrando como funcionam as estruturas ocultas que movem as engrenagens do poder e de que maneira a elite do dinheiro exerce sua força invisível e manipula a sociedade – com o respaldo das narrativas da mídia, do judiciário e de seu combate seletivo à corrupção.



A MORTE É UM DIA QUE VALE A PENA VIVER

Ana Claudia Quintana Arantes

Em 2012, Ana Claudia Quintana Arantes deu uma palestra ao TED que rapidamente viralizou, ultrapassando a marca de 1,7 milhão de visualizações. A última fala do vídeo, “A morte é um dia que vale a pena viver”, se tornou o título do livro que, desde seu lançamento em 2016, vem conquistando um público cada vez maior.

Uma das maiores referências sobre Cuidados Paliativos no Brasil, a autora aborda o tema da finitude sob um ângulo surpreendente. Segundo ela, o que deveria nos assustar não é a morte em si, mas a possibilidade de chegarmos ao fim da vida sem aproveitá-la, de não usarmos nosso tempo da maneira que gostaríamos.
Invertendo a perspectiva do senso comum, somos levados a repensar nossa própria existência e a oferecer às pessoas ao redor a oportunidade de viverem bem até o dia de sua partida. Em vez de medo e angústia, devemos aceitar nossa essência para que o fim seja apenas o término natural de uma caminhada.
Completamente revista e ampliada, esta edição é uma bela ode à vida e à humanidade.



SCRUM
Jeff Sutherland 

O mundo vem sofrendo um processo de mudança contínuo cada vez mais acelerado. Para quem acredita que deve haver uma maneira mais eficiente de fazer as coisas, Scrum é um livro instigante sobre o processo de liderança e gestão que está transformando a maneira como vivemos.

Instituições que adotaram o método Scrum já registraram ganhos de produtividade de até 1.200%. É por causa dele que a Amazon pode acrescentar um novo recurso em seu site todos os dias, que o Red River Army Depot, no Texas, consegue lançar utilitários blindados 39 vezes mais rápido e que o FBI finalmente criou um enorme banco de dados de rastreamento de terroristas.
Com base em insights de artes marciais, tomadas de decisão judicial, combate aéreo avançado, robótica e muitas outras disciplinas, o método Scrum é prático e fascinante.
Mas a razão mais importante para ler este livro é que ele pode ajudar você a alcançar o que os outros consideram inatingível – seja inventando uma tecnologia pioneira, planejando um novo sistema educacional, viabilizando um caminho para ajudar os mais pobres ou mesmo estabelecendo os alicerces para a sua família prosperar.


INTELIGÊNCIA EMOCIONAL
Harvard Business Review 

IDEIAS CLÁSSICAS, CONSELHOS QUE NÃO SAEM DE MODA, OS MELHORES PENSADORES – TUDO ISSO EM APENAS UM VOLUME.                                          
As melhores práticas para você desenvolver as habilidades centrais para seu sucesso no trabalho e em seus relacionamentos.            
Os líderes mais competentes têm um ponto crucial em comum: elevado grau de inteligência emocional.
Em seu trabalho definitivo sobre inteligência emocional, Daniel Goleman explica que ela é duas vezes mais importante que as demais habilidades na formação de um líder excepcional.
Se você não tiver tempo para ler mais nada sobre inteligência emocional, leia estes 10 artigos escritos por especialistas no assunto. Eles foram selecionados pela Harvard Business Review entre centenas de textos publicados com o objetivo de ajudar você a aprimorar suas habilidades, melhorar os relacionamentos e garantir seu sucesso profissional.
Aprenda com este livro a:
• monitorar e canalizar seu humor e suas emoções
• tomar decisões inteligentes e empáticas envolvendo pessoas
• gerenciar conflitos e ajustar as emoções dentro da equipe
• reagir a situações difíceis com resiliência
•  compreender melhor seus pontos fortes e fracos, suas necessidades, seus valores e suas metas
• desenvolver agilidade emocional


PARA NOVOS GERENTES
Harvard Business Review 

IDEIAS CLÁSSICAS, CONSELHOS QUE NÃO SAEM DE MODA, OS MELHORES PENSADORES – TUDO ISSO EM APENAS UM VOLUME.


O que significa estar no comando, os mitos e equívocos mais comuns e como alcançar os melhores resultados em equipe para sua empresa.

Artigo bônus: “Como gerentes se tornam líderes?”, de Michael D. Watkins
O processo de se tornar líder é uma árdua jornada de aprendizado e autodesenvolvimento contínuos.
Desenvolva a mentalidade e a postura ideais para gerenciar pessoas pela primeira vez.
Se você acabou de se tornar líder de uma equipe, estes 10 artigos serão de extrema utilidade.
Selecionados pela Harvard Business Review, eles apresentam com objetividade e clareza os conceitos fundamentais da liderança e da gestão para elevar o desempenho de seus colaboradores a outro patamar.
São textos ricos e transformadores, escritos por professores e pensadores que se tornaram referências mundiais pela qualidade de suas pesquisas e a força de suas ideias.
Este livro vai inspirar você a:
• desenvolver sua inteligência emocional
• influenciar os colegas por meio da ciência da persuasão
• avaliar a equipe e elevar seu desempenho
• melhorar o relacionamento com colaboradores, chefes e pares
• fazer networking para alcançar metas profissionais e pessoais
• obter apoio dos superiores
• ver o quadro mais amplo ao tomar decisões
• ajudar a equipe a alcançar o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal


TUDO SOBRE FOTOGRAFIA
Juliet Hacking

Tudo sobre fotografia é a celebração das mais belas e inspiradoras imagens obtidas por esse meio de expressão, cujo nome significa “desenhar com a luz”. O livro traça um panorama da fotografia, inserindo-a no contexto dos desdobramentos socioculturais ocorridos desde o seu surgimento.

Este livro vibrante convida você a embarcar em uma viagem inesquecível pelas fotografias mais icônicas da história – imagens inovadoras que se tornaram um divisor de águas na maneira como nos enxergamos e percebemos o mundo à nossa volta.
Organizado em ordem cronológica e escrito por uma experiente equipe de críticos especializados, esta edição atualizada traça um panorama da evolução fotográfica, com seus estilos e movimentos mais importantes.                                                             
Destaca os fotógrafos que melhor representam cada gênero, oferecendo uma análise profunda de suas obras.      
Traz a cronologia dos principais acontecimentos, ajudando a compreender o contexto sociocultural em que as fotos foram produzidas.                                  
Apresenta a história da fotografia de maneira acessível, numa diagramação que facilita a leitura e com mais de mil ilustrações.     
Explica o que é a fotografia etnográfica, o registro documental, a fotografia de vanguarda, a publicitária, a erótica e o nu, entre outros estilos.      


A BAILARINA DE AUSCHWITZ
Edith Eva Eger

A bailarina de Auschwitz é a história inspiradora e inesquecível de uma mulher que viveu os horrores da guerra e, décadas depois, encontrou no perdão a possibilidade de ajudar outras pessoas a se libertarem dos traumas do passado.

Edith Eger era uma bailarina de 16 anos quando o Exército alemão invadiu seu vilarejo na Hungria. Seus pais foram enviados à câmara de gás, mas ela e a irmã sobreviveram. Edith foi encontrada pelos soldados americanos em uma pilha de corpos dados como mortos.
Mesmo depois de tanto sofrimento e humilhação nas mãos dos nazistas, e após anos e anos tendo que lidar com as terríveis lembranças e a culpa, ela escolheu perdoá-los e seguir vivendo com alegria. Já adulta e mãe de família, resolveu cursar psicologia.
Hoje ela trata pacientes que também lutam contra o transtorno de estresse pós-traumático e já transformou a vida de veteranos de guerra, mulheres vítimas de violência doméstica e tantos outros que, como ela, precisaram enfrentar a dor e reconstruir a própria vida.
Este é um relato emocionante de suas memórias e de casos reais de pessoas que ela ajudou. Uma lição de resiliência e superação, em que Edith nos ensina que todos nós podemos escapar à prisão da nossa própria mente e encontrar a liberdade, não importam as circunstâncias.


AS VIDAS DE JOSÉ BONIFÁCIO
Mary Del Priore

Conhecido como o Patrono da Independência do Brasil, José Bonifácio é uma figura histórica tão fascinante quanto enigmática. Sua aura de mistério intrigou inúmeros pesquisadores, que buscaram encontrar em sua trajetória qualidades e feitos que comprovassem seu heroísmo, sua genialidade, seu patriotismo.

Ao procurar entender quem foi o homem por trás do mito, no entanto, a historiadora Mary Del Priore descobriu não o super-homem que seus pares procuraram, mas um personagem de seu tempo, cheio de contradições e dilemas, forjado – como qualquer um de nós – pelas circunstâncias da vida.
Se algo conduziu fortemente o destino de Bonifácio, foram sua ambição e sua curiosidade, que o levaram a viajar incansavelmente entre Velho e Novo Mundo. Em suas andanças, ele conviveu com noções de liberdade e escravidão, explorou o meio ambiente, conheceu povos indígenas. Desejou conquistar o mundo e alcançou mais do que as circunstâncias podiam lhe oferecer.
Com uma narrativa envolvente que se assemelha à de um romance, repleta de citações históricas e casos pitorescos, As vidas de José Bonifácio deixa claro por que Mary Del Priore ocupa um lugar de destaque na divulgação da História do Brasil ao grande público.


A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL
Renée Mauborgne

Para os professores W. Chan Kim e Renée Mauborgne, o resultado de uma concorrência acirrada nada mais é que um oceano vermelho sangrento, repleto de rivais que lutam entre si por uma parcela de lucros cada vez menor.

Com base em um estudo de 150 movimentos estratégicos (que abrangem mais de 100 anos e 30 setores), os autores afirmam que o êxito duradouro não decorre da disputa feroz entre concorrentes, mas da criação de “oceanos azuis” – novos e intocados espaços de mercado prontos para o crescimento.
Eles apresentam ainda uma abordagem sistemática para tornar a concorrência irrelevante e descrevem os princípios e ferramentas que qualquer organização pode utilizar para criar e desbravar seus próprios oceanos azuis.
Esta edição ampliada inclui um novo prefácio dos autores, casos de estudo e exemplos atualizados, dois capítulos novos e um terceiro estendido, que aborda as questões mais prementes levantadas pelos leitores nos últimos 10 anos.

Para informações sobre estes e os demais lançamentos, a dica é consultar o site da Arqueiro, ou seguir no FacebookInstagramTwitterYouTube e Skoob
Ah, também vale conferir o site da SextanteFacebookInstagram, TwitterYouTube e Skoob o blog Na Estante!

Bacci!!!

Beta

quarta-feira, março 13, 2019

Ciao!



Para diferentes gostos, interesses e mentes criativas, eis as dicas de lançamentos da Astral Cultural em março!


Para saber mais: informações no Site OficialFacebookInstagram e Twitter da editora!

Bacci!!!

Beta

domingo, março 10, 2019

Ciao!



Tive uma intuição que precisaria ler este livro. Confesso que perdi muito tempo matutando como se fala Ho’oponopono até abrir o e-book (sim, li em e-book, geralmente não a minha preferência) e logo veio o motivo da intuição. 
Ho’oponopono é uma palavra havaiana que pode ser traduzida como “pôr as coisas em ordem” ou “restabelecer o equilíbrio’”. 
Como foi útil para mim, espero que seja para vocês também.

Ho'oponopono para todos os dias – Maria-Elisa Hurtado-Graciet - Sextante
(L’essence de Ho’oponopono – 2014 – Éditions Jouvence)
Somos a soma de todas as nossas experiências. Isso quer dizer que acumulamos as lembranças do passado. Quando sentimos medo ou alguma inquietação, se nos observarmos com atenção, nos daremos conta de que a causa dessa angústia é uma lembrança. As emoções vinculadas a essa memória nos afetam. O subconsciente associa uma ação ou pessoa do presente a algo que ocorreu no passado. Quando isso acontece, as emoções se ativam e surge o estresse. 
É um livro que apresenta uma versão atualizada de uma antiga tradição havaiana de perdão e reconciliação. Detalhe: consigo mesmo. A gente sofre tanto, absorve coisas ruins o tempo todo de diferentes fontes e não nos damos conta de quanto comprometemos a nossa saúde física, mental e psíquica.

Ho’oponopono, como a autora explica, é uma forma de que fazer com que as pessoas reflitam sobre seus sentimentos, memórias, dores, acertos e erros e se “torne seu próprio mestre e curador”.

Isso é fácil? Não.
Vai fazer milagres na sua vida? Não imediatamente.

É um processo – leva tempo. A pessoa precisa se reconhecer, sem filtros, como humana que é. Precisa assumir as decisões e atitudes – sem buscar atenuantes ou justificativas. Precisa mudar o foco dos próprios pensamentos – sim, pensamento positivo faz muita diferença para melhor. Precisa entender que a verdadeira felicidade não é inspirada no que pensam de nós, mas em quem somos. E para isso, precisamos ser a nossa melhor versão, com todas as potencialidades de que dispomos desenvolvidas para o bem e sustentadas com base no amor. 
"Tudo começa dentro de nós".
"A paz começa dentro de nós". 
Para isso, é uma jornada longa de limpeza espiritual e sentimental que precisamos fazer. Ninguém fará nada por nós mesmos. Precisamos nos encarar, entender, resolver as partes ruins, avaliar as partes boas, assumir a responsabilidade por quem somos e mudarmos para melhor. A partir disso, seremos capazes de fazer a diferença no nosso entorno, porque é automático: quando a gente se sente bem, isso fica visível. A nossa relação com o mundo e com as demais pessoas é alterada.

Ho’oponopono ensina a Amar – respeitando nossos laços com o divino e a empatia com os irmãos e irmãs que encontramos nessa jornada. Ensina a perdoar a si mesmo, a ser grato pelo que temos, aprendemos, construímos, convivemos. É este amor que faz com que a luz que carregamos dentro de nós – como conta uma lenda havaiana – brilhe de verdade. E contagie outras pessoas.

Entenderam por que eu nunca discuto com a minha intuição quando ela me diz que preciso ler um livro?


Bacci!!!

Beta