domingo, dezembro 04, 2011


Imagem da capa original do Romantic Girl

Acho que me perdi. Sério. Depois de tantos anos e tantos livros, tantos mercenários, demorei pra engrenar na história porque fiz algumas ligações erradas com tramas anteriores (e ainda fiquei na dúvida se tinha lido a que está diretamente ligada a este livro). Em todo caso, eis tia Diana e seus soldados da fortuna de volta...

Forasteiro – Diana Palmer – Rainhas do Romance 40
(Outsider – 2006 – HQN Books)
Personagens: Sarina Carrington e Colby Lane

Colby Lane, ex-mercenário, tenta se acomodar à vida civil assumindo a chefia de segurança de uma companhia petrolífera em Houston. Como se não bastassem as inúmeras dificuldades previsíveis – endurecido pelo que viveu, não é fácil lidar com as demais pessoas – ainda reencontra a sua primeira ex-mulher, Sarina (a quem ele havia magoado) e se desentende com a filha dela. Para agravar, há a suspeita do uso da petrolífera por um grupo de traficantes – ou seja, muita coisa para o ex-mercenário resolver. E a maioria não estava sob o total e irrestrito controle dele... oh-oh..

Comentários:

- Gente, devo dizer que a minha primeira reação a Colby Lane não foi a melhor possível. Já no início você entende que ele é um macho da categoria 100% DP. Ou seja, do tipo, prepara que lá vem cavalgadura. E com menos de cinco páginas, ele está gritando com uma criancinha! Sensibilidade abaixo de zero! Não bastava ser um ex-mercenário, traumatizado porque perdeu o braço em um combate. Como nada é tão ruim que não possa ficar pior, a garotinha ainda o xingou (dizendo uma verdade que ele preferia não ouvir) e era filha da sua primeira ex-esposa, aquela que quase ninguém (provavelmente só a família dela, que morria de vergonha) sabia que ele havia desposado. Agora ambos precisavam trabalhar no mesmo local, conviver civilizadamente, mesmo que ele não tenha dado a ela motivos para isso.

- Nem preciso dizer que ainda há algo que os atrai sendo que, ao mesmo tempo, Sarina não se esqueceu dos motivos pelos quais não deveria confiar em Colby e muito menos o contexto atual dele favorecia qualquer tipo de relacionamento. Claro ainda há faíscas entre eles e novos embates entre o adulto amargurado e Bernardette, a menina que parece saber tudo. Para piorar, ele se sente no direito de ficar sempre por perto (bem, na linguagem de Diana Palmer, isso se chama “coincidências motivadas pela curiosidade do macho alfa”), ainda mais quando percebe que Rodrigo (sim, aquele que nós conhecemos de O Último Mercenário e o protagonista do badalado #not Coragem, lançado em julho pela Harlequin Brasil) é um amigo próximo de Sarina e muito querido por Bernardette.

- O fato é que este é um daqueles livros da Diana Palmer que, lido em dia de mau humor, me irritaria bastante. Em dia de bom humor, ele é um exemplo do melhor que a autora pode nos oferecer: homens machos e machistas até a última mitocôndria, heroínas que ardem no mármore do inferno em vida, coadjuvantes mais sensatos que o casal protagonista. Sendo que, neste caso, o sofrimento fez Sarina crescer e se transformar em uma mulher forte (Colby vai se surpreender com o Sarina modelo “sete anos depois”). Os ataques de ciúme de Colby com o fato de Rodrigo estar sempre perto de Sarina são até divertidos, embora, quem nasceu para ser Rodrigo nunca chega a Cash Grier. Aliás...

- *.* CASH GRIER *.*
Sim, o xerifão suprassumo tudibom de Jacobsville faz uma aparição nesta história! (Claro que a confusão que começa em Houston – que Colby está investigando – tinha que desembocar em Jacobsville, a cidade onde tudo acontece no universo da tia Diana. E darei um meio spoiler (ou seja, conto o santo sem revelar o milagre): senhores, senhoras, nada temam, porque Cash Grier vai salvar o dia (*thud* - sim, tiete incontrolável não se agüenta de emoção diante de tanta perfeição de rabo de cavalo e cavanhaque... #ignorandoaexistênciadaloucadafrigideira) \o/

- Por isso, prepare-se para um livro com o melhor e o pior de Diana Palmer – dependendo do seu dia. Onde a redenção de um mercenário traumatizado passa por uma das suas vítimas mais desprotegidas. E ainda tem um detalhe: um vai se surpreender bastante pelo outro.

- Como eu desisti de tentar botar ordem na série enorme criada pela Diana Palmer, recomendo ir ao Romantic Girl, onde está tudo bem explicadinho! Para ler o que já tem no Literatura de Mulherzinha sobre os demais livros relacionados a Forasteiro, você pode ir na série Homens do Texas e Hutton &Amigos.  Pra completar, Dona Diana tem site oficial, geralmente bem atualizado.

Bacci!!!

Beta
Reações:

6 comentários :

  1. Engraçado, tô lendo a versão brasileira - eu só tinha lido em inglês - e tive mais ou menos a mesma reação... só que pior. Tanto que despejei um veneninho lá no Emotion: http://emotion-box.blogspot.com/2011/12/desvendando-diana-palmer.html

    Esse negócio de tia DP colocar poderes psíquicos em alguns personagens me deixou muito confusa. As histórias iam tão bem... certo, ela devia mudar a personalidade dos mocinhos, mas... E o Colby virar "papai" do nada me deixou com uma cara de WTF total... enfim, além do Cash, o mercenário médico, Micah, também fez uma aparição para lá de booooooooooouuuuuuuuaaaaaaaaaa. hehehehehe

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkkk
    Morri de rir com aquela história de "quem nasceu para ser Rodrigo nunca chega a Cash Grier", kkkkkk

    Ai, e siiim, o Cash roubou a cena naquele final. Eita homem bom!!!!

    OBS: Obrigada pela referência ao blog, hehe!!!

    Bjnhs!!!

    ResponderExcluir
  3. Eu até perdôo o Colby, e nesse livro simpatizei com Rodrigo mas a historia dele é umas que eu não releio!!!Se reler é pra ficar com raiva de um homem!!!!

    ResponderExcluir
  4. Gente,

    Só de lembrar o que ele fez com a coitada da Sarina na noite de núpcias e depois de tê-la trocado por uma "vagaba" de primeira, achando que ela era uma santa, só posso achar o Colby Lane um imbecil lobotomizado...

    Mas ainda assim a Sarina fez um excelente negócio trocando o Rodrigão cavalgadura ogro por ele.

    Nem comparem o Cash Grier com o Rodrigo. Apesar de ficar momentaneamente insano em seu próprio livro, Cash, é Cash e a supremacia dele ninguém tira!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Ora, eu tenho trauma de Diana Palmer por causa de UM livro que ela escreveu, cuja autoria eu sequer lembrava que era dela (então viram que não foi um trauma qualquer !!!). Então não adianta cutucar aos poquinhos: JAMAIS quererei conhecer Cash Grier !!!

    ResponderExcluir
  6. Muito linda a estória, mas Diana Palmer dificilmente nos decepciona. Não odiei o Colby do passado, pois ele não foi culpado dos acontecimentos, sem querer, ele acabou entrando de gaiato numa armadilha, não vou dizer que agiu corretamente com a Sarina, porém creio que ele pagou todas as merd@s que aprontou com juros e correção monetária, nunca um mocinho foi tão traído e tão humilhado como Colby. Mas, mereceu pelo que fez em nome da luxúria e uma obsessão por uma mulher que não passava de uma mercenária. A criança Bernadette foi uma graça!

    ResponderExcluir