quinta-feira, janeiro 13, 2011

Ciao!!!

Em outubro, postei no Literatura de Mulherzinha uma matéria sobre a iniciativa do Conselho Nacional de Educação de tirar trechos e termos considerados racistas de livros de Monteiro Lobato. Agora a polêmica está acontecendo nos Estados Unidos,



Fonte: Folha de São Paulo

08/01/2011 - 08h26


Exclusão de termo de livro de Mark Twain evoca episódio com Monteiro Lobato

JULIANA VAZ
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA
MARCO RODRIGO ALMEIDA
DE SÃO PAULO

No capítulo 32 do livro "As Aventuras de Huckleberry Finn", quando tia Sally pergunta se havia feridos num acidente com um barco a vapor, o garoto Huck responde: "Não. Só matou um negro".
"Que sorte; porque às vezes tem gente que se machuca", diz, aliviada, a tia.
Publicado por Mark Twain (1835-1910) em 1884, o romance conquistou milhares de fãs apaixonados e também muitos detratores que o acusavam de racista por conta de passagens como a descrita acima. Por anos foi proibido nas escolas dos EUA.
Quase 130 anos depois, o livro continua a provocar controvérsia. Uma nova versão de "Huckleberry Finn", que deve sair em fevereiro nos EUA pela NewSouth Books, substitui a palavra "nigger" [algo como crioulo] por "slave" [escravo].
Termo racial pejorativo, "nigger" aparece mais de 200 vezes no livro. Autor da ideia da troca, o professor universitário Alan Gribben disse que se sentia constrangido em ter que pronunciar a palavra nas aulas.

Professores e tradutores brasileiros ouvidos pela Folha foram unânimes em criticar a proposta.

"A onda do politicamente correto pode levar ao apagamento do processo histórico", disse Sandra Vasconcelos, professora de literatura na USP. "Como professora, não posso concordar com essa 'limpeza'. O uso da palavra deve ser interpretado de acordo com o contexto."
Heloisa Helou Doca, professora de literatura americana da Universidade de Marília e autora de tese de mestrado sobre Twain, diz que o autor, na verdade, era um idealista que lutou pelos desfavorecidos, incluindo os negros.
"Twain deu luz a personagens subalternos. A intenção dele era parodiar a mentalidade racista do americano médio do século 19."
Para Doca, mais útil seria incluir notas explicativas no livro. "O importante é mostrar ao aluno o sentido do uso do 'nigger' e outras situações que despertam polêmica."

LOBATO

O caso guarda semelhanças com o de Monteiro Lobato, cuja obra "Caçadas de Pedrinho" (1933) foi, no ano passado, acusada pelo Conselho Nacional de Educação de conter trechos racistas.
Mas os dois autores se aproximam não apenas por terem sido alvo de julgamentos alheios a seu tempo.
Admirador de Twain, Lobato trouxe a prosa do autor americano para o Brasil, na década de 30.
Sua versão de "Huck Finn" contém as palavras "negro", "escravo", "preto" e variantes. Em uma passagem, "big nigger" vira "negrão".
Tradução mais recente do clássico, feita por Sergio Flaksman nos anos 90, traduz o trecho como "escravo alto", mas também usa "negro" ao longo do livro.
Sobre a alteração na nova edição americana, Flaksman disse que "me deixa indignado que qualquer editor ou revisor considere legítimo qualquer manipulação a posteriori de uma obra literária".
Tradutores fazem coro. "É o equivalente a estuprar um livro", afirma Jorio Dauster. "Sou contra as atualizações porque desfigura a obra de arte", conclui Ivo Barroso.
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário