sábado, julho 15, 2017

Ciao!




Gente, por que esta série me faz ter expectativas dignas de Polly Anna dando comida para os ratinhos? Só uma versão muito maluca minha acreditaria que este livro teria menos encrenca por se tratar de uma prequel/companhia!

Pois é, deve ser excesso de achocolatado na cachola, só pode...

O duelo dos deuses – Colleen Houck – Editora Arqueiro
(Reignited - 2017)
Personagens: Ísis, Osíris, Seth, Néftis, Amon-Rá

Um édito comandava os deuses do Egito: não poderiam se relacionar entre si e muito menos terem filhos. No entanto, Ísis não conseguia mais controlar o que sentia por Osíris, que fazia o possível para ignorar os sentimentos dela por ele... e dele por ela. Enquanto isso, Seth se corroía por não se sentir tão valorizado como os outros e agora que sabia qual era o seu verdadeiro poder, estava disposto a tudo para se impor e para ter Ísis ao seu lado comandando os outros deuses.

Comentários

- Depois de ler este livro, que funciona como uma prequel da série Deuses do Egito, você entende perfeitamente o tamanho da encrenca em que Lily, Amon, Ahmose e Anset se meteram. Porque esta série é o típico “as coisas não podem piorar... Não, pera...” 
– Qualquer homem, mortal ou deus, sabe que não há como dar conta de uma esposa. As mulheres dão conta de si mesmas e os homens que são inteligentes saem do caminho. Mas eu não esperaria que um moleque como você soubesse disso.
- Seth queria ser o maior deus de todos, mas ainda estava aprendendo a lidar com o poder terrível que só surgiu tardiamente. Ele estava obcecado por Ísis, que não retribuía esse interesse porque só tinha olhos para Osíris. No entanto, o deus hesitava em se deixar levar por sentimentos inapropriados conforme o édito de Amon-Rá. E todo mundo aí envolvido tem poderes para causar confusões para eles e para os humanos. 

- Agora imagina: se eles não se entendem, quem é que vai por freio neste bonde? Aqui temos uma leve insinuação do resultado que acompanhamos nos livros seguintes: o sacrifício dos três príncipes para que Seth permanecesse sob controle.  

- Como forma de apresentar mais detalhadamente os deuses que são citados nos livros da trilogia, a autora escreveu esta prequel, onde ela adapta as lendas da mitologia egípcia à necessidade da série (se não conhece, este site ajuda a entender). Eu me lembrava de algumas coisas da história de Ísis e Osíris (saudades documentário da National Geography) e fiquei imaginando de que forma Colleen faria que as lendas originais e as necessidades da série se encaixassem. E gente, sem dar muitos detalhes, posso avisar: ela consegue (aquela que está se sentindo o máximo só porque entendeu algumas das referências).

- E é até bom a gente ler esta prequel entre o livro 2 e 3 porque estes deuses são muito citados em O coração da esfinge (ou “aquele em que o Amon faz uma burrada muito grande e a Lily tem que salvar o dia” – perceberam que eu ainda não perdoei o príncipe múmia apaixonado pelo estresse que me causou, né?) e posso pressupor que eles vão estar na terceira parte. Aqui a gente entende a dinâmica entre eles, sejam as alianças, as rivalidades, os não-ditos e as possibilidades para o futuro, de que forma os desejos dos deuses vão se aliar ou se chocar com as forças em ação para o combate decisivo.

- Enfim, aguçou. E agora que venha Reunited, porque preciso saber como é que vão segurar essa barra complicada que é gostar um do outro nesta série. 
– Não – respondeu ela simplesmente. – O amor, depois de encontrado, nunca se perde. 
Série Deuses do Egito
0.5 – O duelo dos deuses – Reignited – lançamento em 2017
3 – Reunited 


Bacci!!!

Beta

ps.: Como só estou ouvindo Il Volo nas últimas semanas, fica a dica da música que me acompanhou em parte da leitura (e enquanto escrevia este texto): Non ti scordar di me.

Non ti scordar di me:
La vita mia legata e a te.
Io t'amo sempre piu,
Nel sogno mio rimani tu.
Non ti scordar di me:
La vita mia legata e a te.
C'e sempre un nido nel mio cor per te.

Non ti scordar di me! 
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário