sábado, abril 15, 2017

Ciao!!!


Ah, Nana, onde acho um Matheus na vida real?! Tirando uma coisinha, ele é perfeito!
Pena que se envolveu com uma mulher que merecia uma sessão de kabongadas para ver se cria juízo.

Redenção e Submissão – Nana Pauvolih – Fábrica 231 (Trilogia Redenção #2)
(2015)
Personagens: Matthew de Sá Mello e Sophia Marinho

Dominador sadomasoquista especialista em Shibari e em chicote longo, Matheus está passando pela ressaca de um relacionamento não consumado, aguardando os sentimentos serenarem para seguir à procura da alma gêmea submissa perfeita. Sophia se interessou à primeira vista por Matt e não acreditou que o homem com olhos de anjo era um dominador. A partir daí, os dois embarcam em uma história de desejo, paixão e luta para determinar qual dos dois dominadores se renderia e se submeteria ao outro.

Comentários:
“Você vai perder a paciência com a garota neste livro, tenho certeza!” - #MadreHooligan 
- Antes de entrar na profecia da #MadreHooligan, lembram que no texto de Redenção de um Cafajeste eu escrevi que o Matt era um “bom moço”, assim entre aspas? Não foi à toa. Tinha algo me dizendo que havia mais (antes mesmo de Arthur explicar à Maiana as preferências do amigo), muito mais por trás da fachada do belo bom moço do trio de amigos cariocas e não deu outra. Uau, por que não tem um assim de carne e osso (exceto, é claro, o único defeito que encontrei nele). O bom moço é bom filho, bom empresário, bom amigo, bom cozinheiro, um lorde que nunca escondeu que é romântico, quer casamento e filhos...

- ... O mesmo bom moço que, em circunstâncias mais íntimas, é um dominador sadomasoquista especialista em shibari e no chicolete longo (meu cérebro travou diante da óbvia analogia com Indiana Jones, um de meus amores eternos), nada egoísta que encontra o prazer no ato de dar prazer às suas submissas, conforme sua vontade. E não estou dando spoiler não. Se a gente viu no livro anterior o lado bom moço, aqui logo no primeiro capítulo somos apresentados ao “dark side” dele. Aposto que teve gente que ficou empolgada e atacou o parceiro. Este tipo de trama não apenas abre, mas escancara portas e janelas da criatividade sexual. Afinal de contas é um dos pontos da trama: sendo consensual e com respeito aos limites de cada um, o que os outros tem a ver com a vida alheia, uai?

- Para alcançar o equilíbrio emocional, Matheus contou que se questionou sobre quem e o que era e até se era normal. Ele enfrentou e lidou com suas dúvidas e as transformou em respostas que passaram a nortear seu modo de vida. Não mascara seus desejos, mas, por ser romântico e acreditar no amor, protege seus sentimentos à espera da “alma gêmea submissa perfeita”. Viram que personagem complexo, profundo e deliciosamente apaixonante? Um daqueles que me ganha de cara e do qual demoro para largar depois (sim, é nome certo na famosa lista do fim de ano).

- Sophia que o diga! A Domme que acabou de retornar ao Brasil após anos morando no Porto, vê Matt no Catana, o clube exclusivo onde ambos estavam. Primeiro fica indignada que ele não a percebe e duvida quando é informada que ele não é um submisso. E por mais que o bom senso alertasse que dois dominadores eram problemas sem sombra de dúvidas, ela partiu para o ataque para mostrar a Matt como ele seria muito feliz sendo submisso a ela. E uma vez despertado o interesse, Matt ficou extremamente disposto a demonstrar que ela nasceu para ser a submissa imperfeita dele.

- Nesta disputa pelo poder na relação, o resultado vai depender de quanto cada um se conhece. Enquanto Matt já se resolveu, Sophia tem muitos – e pesados – esqueletos no armário. E a relação com Matt não só vai chocalhar o armário como as defesas que ela estabeleceu para encarar a vida. Eis que quando chegamos neste ponto ela passa a merecer kabongadas com louvor. Porque se não suporto personagem burra, não tenho nenhuma tolerância com personagem inteligente que faz burrice de propósito porque não dá conta de segurar a barra, a marimba, o que preferir e, muito menos, as consequências dela. E um homem como Matt não tem às dúzias nem na ficção, imagina na vida real. Sophia merecia um híbrido do pior de Lynne Graham, Diana Palmer, Penny Jordan para dar valor ao anjo tarado Matt.

- E como se não bastasse a piração da Sophia, Matt ainda tem outro problema sério a resolver. Um homem mais fraco teria virado farelo, mas ele não. Ele se conhece muito bem para não incluir culpa ao sofrimento inevitável.

- Se no primeiro livro, Matt participa ativamente do desfecho da saga Maiana-Arthur, aqui os amigos tem algumas reuniões, mas caberá a Antônio o papel de conselheiro – inclusive deixando escapar um gancho para o livro onde será protagonista – e que encerra a Trilogia e foi meu ponto de partida para descobrir a Nana Pauvolih.

- Amei o livro, mas por Matt que por Sophia, como #MadreHooligan previu (pitombas, você daria bug/piti se tivesse um Matt? Iria para terapia, psiquiatria, conselheiro espiritual e resolvia os traumas na marra, despachando os esqueletos emocionais para a terra das páginas viradas), recomendo a leitura. Como todo “bom moço” Matt me surpreendeu e eu gostei muito...

... mas ele precisava ser flamenguista? Que balde de água do Ártico na blogueira Botafoguense!

Trilogia Redenção
Redenção de um cafajeste Arthur Moreno e Maiana Apolinário
Redenção e submissão  – Matthew de Sá Mello e Sophia Marinho
Redenção pelo amor – Antônio Saragoça e Cecília Blanc


Bacci!!!

Beta

ps.: Mais uma Meta para 2017 cumprida! \o/
Reações:

16 comentários :

  1. Olá
    Huahuahu adorei esse final, aliás adorei sua resenha, nossa também detesto protagonistas burros, da uns nervos ve-Los criando problemas por todos os lugares que passam. Mas não sei se leria o livro, os hots não me agrada tanto.

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Eu já conhecia essa série e as demais obras da autora, mas como não sou muito fã do gênero não li nenhum rsrs. Essa série foi bem comentada pelos blogueiros que acompanho, tanto que os livros saíram bem perto uns dos outros. Infelizmente passarei essa sua dica por não gostar tanto de livros nessa pegada. Até mais ver
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Heiii, tudo bem?
    Adoro os livros da Nana, sao sempre bem escritos e da vontade de ler tudo de uma vez.
    Gosto de romance eroticos e pra mim ela é uma das melhores autoras nacionais.
    Essa capa está linda demais e com a lombada rosa ficou ainda mais charmosa.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  4. Olá,

    Eu fiquei cativada com sua resenha e despertou em mim a vontade de conhecer esses livros e dar uns tapas nesse tapado kkkk.

    Como sou apaixonada por livros eróticos...esse parece sensacional.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Olá,

    Nunca li nada da Nana mas tenho muita vontade de investir nessa série em especial, sua resenha me deixou bem animada.

    Abraços,
    Cá Entre Nós

    ResponderExcluir
  6. Oi, Beta
    Nao li o primeiro livro, para falar verdade ouvi falar pouco dessa série. Fico feliz que o personagem tenha conquistado, assim como o enredo.Não sei se leria agora, mas quem sabe futuramente.


    Blog Livros, vamos devorá-los

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem?
    Nunca li nada de Nana, mas toda resenha mais curiosa fico!!! Confesso que amei saber que Matt é flamenguista!!Rsrs Pela sua resenha percebi que o romance de Sophia e Matt é uma grande "briga" para saber quem é o macho alfa!! Rsrs
    Bjs!
    Fadas Literárias

    ResponderExcluir
  8. Oiee, tudo bem? ainda não conhecia o livro apesar de já ter ouvido falar do priimeiro, porém infelizmente não faz meu estilo de leitura, além de que ouvi uma galera falando sobre relacionamento abusivo no 1 livro, enfim, é uma dica que vou passar!

    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Olá! Nunca li nada da autora e confesso que a sinopse não me chamou atenção. Então li sua resenha e adivinha? Fiquei curiosa rsrs O modo como você abordou os principais pontos da história, me deixaram curiosa. Parece ser um leitura bem gostosa e intensa. Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Oi Beta!
    Eu adorei essa trilogia! Você já leu o ultimo livro?
    Nossa, eu amei o terceiro, sem contar que eu fiquei com muita raiva do rapaz do primeiro livro. E esse Matt é divino!
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  11. Olá, tudo bem? GENTE COMO VOCÊS ME DEIXA TÃO ANSIOSA COM ESSA SÉRIE? Sim precisa de caps lock porque estou surtada o quanto vocês me instigam com essa série e eu ainda não pude lê-la. Nana parece ser a rainha brasileira do erótico e estou com grandes expectativas com a escrita dela. Sua resenha só me confirmou isso. Adorei!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oi, Beta!
    Vejo muitas pessoas elogiando esses livros e dizendo que a autora tem uma escrita atraente, mas sempre fiquei e fico meio assim de ler por não ser o tipo de leitura ao qual estou habituada, sabe? Mesmo assim, sua resenha me deixou bem curiosa e quem sabe algum dia eu tenha coragem de me aprofundar nesses livros, né não?

    ResponderExcluir
  13. Olá!

    Conheço a autora, mas não conhecia especificamente essa trilogia. Apesar de ser uma boa premissa, não é o quer procuro no momento, mas tenho que admitir que, apesar de não curtir rostos em capas, esse rapaz é um gato!

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Que resenha mais apaixonante é essa? Adorei conhecer sobre esse livro, suas impressões e fiquei muito contente que você tenha gostado. Entretanto, esse tipo de leitura não me agrada em quase nada e me sinto mal querendo ler ele para falar mal depois, sabe?
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Oi!!
    Menina depois de ler a tua resenha eu sei que preciso ler essa trilogia, não imaginava que era isso tudo.
    Eu gosto de romances desse gênero. E as capas são perfeitas.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  16. Hey!

    Não conhecia a série, não consegui me atrair pela história pois esse é um gênero que não gosto muito. Sei que para aqueles que gostam a leitura será muito boa, sua resenha prova isso. Irei passar a dica dessa vez.

    Bjos.

    ResponderExcluir