quarta-feira, fevereiro 08, 2017

Ciao!!!



Capas brasileiras: Nora Roberts Brasil





Posso ser sincera com vocês? Quando vi o resumo, tive uma ideia da história e vi quem era a autora fiquei muito empolgada em ler o livro.
Até perceber que, para ser gentil, Nora escreveu este livro com sono... Muito sono.

Mundo Encantado – Nora Roberts - Coleção Primeiros Sucessos 7
(Treasures lost, treasures found – 1986 – Silhouette Intimate Moments)
Personagens: Kate Hardesty e Ky Silver

Ainda lidando com os sentimentos causados pela morte do pai, Kate encontrou anotações e o projeto que levava à localização de um tesouro na costa da Carolina do Norte. Disposta a fechar essa jornada que ele deixou incompleta, ela aproveitou os planos dele para retornar à ilha de Ocracoke, para achar o tesouro e tentar fechar um capítulo do passado. No entanto, Ky não estava disposto a facilitar as coisas. Ele deixou Kate partir antes, mas agora estava disposto a lutar contra tudo e todos – inclusive ela, para ter um desfecho diferente.

Comentários:

- Caça ao tesouro no fundo do mar! Amantes magoados que se reencontram! Foi o que eu pensei quando peguei este livro pra ler. Aí aconteceram duas coisas: a primeira, eu tive uma semana daquelas, onde você mal tem tempo para qualquer outra coisa. A segunda, o livro não andava. Eu lia, lia, lia e a história estava mais no lenga-lenga da discussão de relacionamento (DR) do casal que na caça ao tesouro no fundo do mar.

- Kate sempre foi dominada pelo pai, sempre se esforçou para fazer o que ele queria, em busca de amor e carinho, mas conseguiu, quando muito, um singelo reconhecimento ao atingir a meta que ele estipulou para ela. E Ky foi o primeiro amor, o homem por quem ela quase quebrou este círculo, até perceber – graças à intervenção paterna – de que ele não estaria à altura do destino dela de ser uma catedrática em Yale.

- Ky se ressentiu muito de ter se apaixonado e de ter sido largado. Ele queria que ela abandonasse tudo e ficasse com ele, em uma vida sem âncoras, vivendo a grande paixão que os unia. Agora ela estava de volta e dependia do melhor mergulhador da ilha – ele – para realizar mais uma vez algo do e para o pai dela. E ele a ajudaria, só que, desta vez, ele não queria ficar para trás de coração partido.  

- Enfim, a caça ao tesouro vira pano de fundo – e bota fundo nisso – do acerto de contas do casal separado por pretensões diferentes. Confesso que, ao longo da história, a arrogância de Ky me irritou profundamente, por menosprezar a escolha dela em não ficar com ele. O jeito como ele a chamava de professora refletia isso. Sim, sei que todos os livros destacam que o amor é maior que tudo, mas, por favor, né, baixa a glicose cor de rosa e para pra pensar. A vida real exige muito mais das pessoas. O Ky de anos antes não tinha o que oferecer a Kate. E a Kate estava convicta de que conseguir o amor do pai era mais importante que os sonhos próprios, então fica difícil competir e quebrar esse “sistema operacional” para avaliar se o mundo é maior que os desejos de outra pessoa para a vida dela.

- E como disse no início, a Nora estava com sono quando escreveu este livro. Para quem conhece outros livros dela de banca e de livraria, sabe do que ela é capaz, isso fica nítido. A história se arrasta, ambos agarrados por tempo demais em suas convicções, teimosias e fraquezas. A caça ao tesouro poderia ter sido tão mais interessante... Por isso, a melhor forma de resumir é: Nora estava com sono e, quando botou o ponto final, deu graças a Deus e foi dormir. Eu coloquei esse naquela lista minúscula de livros dela que não me agradou. E a vida segue! 


Bacci!!!

Beta
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário