domingo, dezembro 25, 2016

Ciao!!!


Quanta gente desfuncional, confusa e desorientada reunida em duas histórias.
(Sim, DUAS, porque temos pistas de que o livro #2 não vai destoar do ritmo ditado aqui).

Promessas de Prazer – Maisey Yates – Paixão Ardente 11 (Os Príncipes de Petras 1/2)
(A Christmas vow of seduction – 2015 – Mills & Boon Modern Romance)
Personagens: princesa Zara Stoica, de Tirimia e príncipe Andres Demetriou, de Petras

A princesa Zara foi dada como presente pelos governantes de Tirimia ao Rei Kairos, de Petras. Como ele já era casado, decretou que o irmão Andres a desposaria como um gesto de boa vontade entre os dois países. Andres não tinha a menor vontade de se casar, mas estava em dívida moral com o irmão e precisava ajudar a providenciar um herdeiro para o trono. Zara estava cansada de não ter o menor controle sobre o próprio destino desde que a família foi deposta e assassinada. Só não sabia como encontrar a liberdade antes de ser forçada a subir ao altar em um casamento no Natal.

Comentários:

- Se houvesse uma disputa para o prêmio de antipatia à primeira vista, os irmãos de Petras, Kairos e Andres, ficariam empatados. O prólogo reduziu drasticamente a possibilidade de simpatizar com o Rei Kairos e, mal foi apresentado, o sentimento se tornou extensivo ao irmão caçula, Andres. Um alegando o “dever acima de tudo” e o outro se escondendo dos próprios traumas em um comportamento destrutivo que não poupava ninguém.

- Foi nas mãos destas duas criaturas que precisam urgentemente de uma terapia barra pesada que a desafortunada princesa Zara caiu. Sim, sei que existem casamentos por conveniência, especialmente entre integrantes da realeza, mas nem Kairos nem Andres precisavam ter lidado sem a menor consideração pelos sentimentos dela. Bla bla bla de “dever a cumprir” e “me caso porque tenho uma dívida moral com meu irmão” foi seguido por “precisamos domar a selvagem” e total desrespeito à jovem que era prisioneira de um destino que não podia controlar e que foi despachada como uma cesta de frutas (como ela mesmo disse) em uma negociação política entre os países vizinhos.

- Confesso que os preparativos para o casamento natalino me deram raiva. Nenhum deles pensou em conversar com ela para garantir uma condução mais suave de algo complicado. Zara foi tratada como se não tivesse cérebro e todas as reclamações dela fossem criancice. Afinal de contas, era a expiação, a penitência de um homem desprezível. 
– Eu também estou impaciente, mas ninguém parece preocupado. Fui mantida prisioneira durante os últimos dois meses, antes de transferirem minha posse para você. Sim, estou bastante impaciente. Nunca tive direito a tomar decisões na vida. Nasci na realeza, numa posição mais vulnerável do que poderia imaginar enquanto vivia cercada pelos muros de pedra do palácio. Depois perdi toda a família e fui levada para o meio da floresta. Anos depois, fui aprisionada. E agora fui entregue a você, para ser sua mulher, e outra vez não tenho escolha. Quem eu sou? O que vou ser? Um joguete nas mãos de qualquer um? Devo ser mais que isso, Andres. Gostaria de ter a chance de descobrir quem sou.

- Claro que a meta da autora é traçar a redenção de Andres contra o principal inimigo – ele mesmo. E que Zara, querendo ou não, terá um papel importante nisso. Até mesmo porque o fato de não ter a opção de fugir do sofrimento fez com que ela lidasse melhor com os sentimentos confusos dela. Ao contrário dele, que magoava a torto e direito como forma de extravasar a dor e a culpa que sentia. O que – obviamente – longe de resolver só servia pra piorar a situação. E a jornada da princesa soa mais convicente que a do príncipe que precisa que alguém esfregue as verdades na cara dele. Por mim, Zara merecia encontrar a liberdade sem ser marionete destes irmãos traumatizados e patéticos de Petras. Infelizmente, pelo padrão, vocês já sabem o que acontece, né? Um milagre de Natal, onde amor traz o perdão e a paz tão torpemente procurada. Viva Papai Noel!

Dueto Os Príncipes de Petras
1 – Promessas de Prazer – princesa Zara Stoica, de Tirimia e príncipe Andres Demetriou, de Petras
– Paixão Ardente 11
2 – Segredos da Realeza – rainha Tabitha e rei Kairos Demetriou, de Petras – Paixão Ardente 12


Bacci!!!

Beta
Reações:

2 comentários :

  1. Menina, eu tô com esse livro aqui e não comecei ainda justamente pq vi comentário sobre os irmãos serem difíceis de engolir. Mas, se te consola, dizem que o livro 2 é bem melhor. Vou aguardar sua resenha, hehe!

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    ROMANTIC GIRL

    ResponderExcluir
  2. Hihihi ... Menininha, você ficou uma arara com esse romance !!! Ou melhor: com esse príncipe e esse rei !!! Eles tem nomes lindos e poderosos, mas devem mesmo ser muito egoístas e nada nobres com essas atitudes e essas palavras. Se bem que essa princesa pareceu nunca ter sido feliz, sequer com sua família morta, cuja morte não pareceu conseguir ou poder lamentar. Tadinho de nosso velhinho de vermelho também !

    ResponderExcluir