sábado, julho 09, 2016

Ciao!!!



(As duas primeiras capas fazem mais sentido que a terceira, mas as três são lindas)

Ainda não tinha lido nada da Lucinda Riley, acreditam? Pois é, ao ver o título deste livro considerei que seria um bom começo.
E serve como uma boa homenagem para hoje quando os italianos comemoram 10 anos de uma noite inesquecível para eles em Berlim... Onde um napolitano, como Roberto e Rosanna, ergueu "La Bambina" ao alto para dizer que eles eram os donos do mundo.

A garota italiana – Lucinda Riley – Arqueiro
(The Italian Girl – 2014)
Personagens: Rosanna Menici e Roberto Rossini

De certa forma, a vida de Rosanna mudou aos 11 anos: a menina que era ignorada pelos pais cantou e foi notada por Roberto Rossini, o filho pródigo que estava estudando para ser um dos grandes no Scala de Milão. A partir do esforço do irmão mais velho, conseguiu ter aulas com um renomado professor que a preparou para ser uma das grandes vozes da ópera. É o ponto de partida de uma trajetória marcada por escolhas, que boas ou ruins, trarão felicidade, tristeza, amor, sofrimento, enfim, sentido à vida de Rosanna.

Comentários:

- Temos uma carta que serve como fio condutor entre as diferentes fases, costurando as histórias que se entrelaçam e onde o passado sempre ressurge, dando nova luz ao presente e podendo interferir no futuro. Quando a história começa, acompanhamos a rotina na cantina da família Menici. A bela Carlota era quase noiva de um jovem de família rica. Luca, o irmão mais velho, assumiu uma responsabilidade de ajudar na cantina, mas se percebe que não era o que desejava para a própria vida. E a caçula Rosanna era ignorada. Exceto quando cantava. E foi durante uma festa de homenagem ao casal Rossini, que a voz cristalina da menina magrela e mal vestida chamou a atenção do filho pródigo da cidade, o prodígio Roberto, que estava estudando em Milão para ser o próximo Caruso.

- Enquanto acompanhamos a trajetória de Rosanna, que consegue desenvolver o talento com o apoio incondicional do irmão, Luca. Em todas as etapas, ele foi o conselheiro e a companhia fiel dela. A segurança para que pudesse estudar e se aperfeiçoar. Até que Nápoles ficou pequena demais para Rosanna. Era necessário ir embora. O que parece impossível acontece e a coloca em rota de encontro com o homem sobre o qual escreveu no diário aos 11 anos: “Eu vou me casar com Roberto Rossini”.

- O que tinha de talento Roberto Rosini tinha de conquistador que não se apegava a mulher nenhuma nem investia em relacionamentos duradouros. Até que reencontrou Rosanna e, entre desencontros, os dois começaram a se relacionar. Ela só exigiu dele uma promessa. Só que nós sabemos – pelo que já vimos até então – o que pode acontecer.

- A autora constrói a jornada dos dois, deixando no ar pendências e pistas que vão voltar e se encaixar mais à frente na trama. O livro tem esse cuidado de não desperdiçar momentos dos protagonistas e fazer com que cada escolha traga uma consequência a ser assumida. Confesso que lamentei por Stephen e me apaixonei e torci para Luca ser feliz, já que ele foi o apoio das irmãs estando Carlotta e Rosanna certas ou não. Particularmente, não simpatizei com Roberto, queria que ele tivesse amadurecido e encontrado algo a que dar valor na própria vida. Mas não pense que o livro é triste. Ele é real, embora com personagens fictícios. Reúne quase 30 anos de história destes personagens – e nem sempre a vida te dá o final feliz, mas o final possível diante das decisões que tomaram em momentos cruciais (mesmo quando eles nem pareciam tão importantes assim).

- Foi a minha estreia com livros da Lucinda Riley e gostei muito da escrita dela. Assim que puder, outros aparecerão por aqui.


Bacci!!!


Beta
Reações:

Um comentário :

  1. Oi Beta!!

    Eu tb não li nada da autora, mas quero ler, bom saber que a narrativa dela é boa, fiquei mais animada ainda!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir