sábado, maio 21, 2016

Ciao!!!




Pobre garota que tenta ser independente, mas a vida insiste em colocá-la sob as rédeas dos homens da família Lancaster...

Rebeldia – Janet Dailey – Fascinação 67
(The Lancaster Men – 1981 – Silhouette Books)
Personagens: Shari Sutherland e Whit Lancaster

Shari comprou uma briga com a família pelo direito de ir à Universidade Duke, onde queria estudar, longe de casa. Para resolver a situação, fugiu e se matriculou. Três anos depois, durante as férias na área onde a família mora, descobre que o irmão também queria fugir de casa e, em seguida, a mãe ficou doente e ela teve que voltar para Folha Dourada, a propriedade da família. No entanto, a súbita revelação de que o homem que ela sempre viu como irmão, Whit, era apaixonado por ela derrubou tudo em que ela acreditava. E o fato de ele ordenar o noivado não ajudou muito...

Comentários:

- Fiquei na dúvida se Shari era uma garota mimada irritante ou se era uma criatura independente sufocada por homens controladores. De qualquer forma, se foi o segundo caso, vocês têm liberdade para avaliar o final dela...

- Enfim, a mãe de Shari, após ficar viúva, casou-se com o herdeiro Lancaster, que também tinha um filho, Whit. Desta união, nasceu o caçula, Rod. Assim, os três cresceram juntos na fazenda de tabaco da família, na Carolina do Norte. Até Shari decidir que queria estudar Química na faculdade. O avô Lancaster achava um desperdício e não concordava de ela ir pra longe. A mãe não contradizia o que o avô determinava. Pra fugir deste cenário, ela fez as malas, deixou um bilhete e partiu. Os homens Lancaster – o avô e Whit – tentaram buscá-la e ela não foi.

- Três anos depois, Shari e duas amigas estavam passando férias na Carolina do Norte, perto das terras da família. Descobriu que o irmão também tinha fugido de casa – mas, ao contrário dela, sem propósito de vida – porque não suportava a pressão familiar. Ah, Whit encontrou todo mundo e tentou apaziguar, além de ser cantado por uma das amigas de Shari. Pra piorar, a mãe teve um derrame e eles tiveram que voltar. E a pressão foi tanta que Shari trancou a faculdade (bem, trancaram por ela...). E depois de muito não entender, Whit praticamente esbravejou que a amava como homem, não como irmão e que eles ficariam noivos.

- Aí volto ao primeiro comentário que fiz. Se você encarar Shari como uma menina mimada, vai se estressar o livro inteiro com o comportamento da garota que não entendia como a família só queria o bem dela e recusava a proteção que apenas os homens podem propiciar às mulheres. Se você encarar Shari como uma garota independente sufocada por uma ordem machista familiar, vai entender que ela precisava se rebelar contra essa dominação masculina... até considerar que só você a compreende, porque todos os outros a tratam como uma garota mimada que foge toda vez que é contrariada. E tem certeza de que todos são capazes de imaginar o final...


Bacci!!!

Beta 
Reações:

Um comentário :

  1. Beta, estou louco para ver sua resenha de outro livro dela, "Sublime tentação", só para ver o que você acha dos métodos de evangelização nada convencionais do mocinho e pastor Seth Talbot.

    Renan.

    ResponderExcluir