domingo, maio 15, 2016

Ciao!!!



A vida vai derrubar você. Ninguém pode protegê-lo disto. E de viver sozinho também não, pois a solidão vai arrasá-lo de saudade. Você precisa amar. Precisa sentir. É por este motivo que está na Terra. Você está aqui para arriscar seu coração. Você está aqui para ser engolido. E, quando acontecer de ser destruído, traído, abandonado, magoado ou ao sentir a morte espreitando, permita-se sentar à sombra de uma macieira e ouvir as maçãs caindo ao seu redor, desperdiçando a sua doçura. Diga a si mesmo que saboreou tantas quanto podia.” (Louise Erdrich).
Precisa dizer mais sobre um livro que começa assim? Sim, precisa!

Paixão Libertadora – Sophie Jackson – Arqueiro
(An Ounce of Hope - 2016)
Personagens: Grace Brooks e Max O’Hare

Max tinha ido ao mais profundo dos infernos pessoais e galgou passo a passo o caminho de volta, rumo a uma vida saudável. Só que as dificuldades o assustaram nos primeiros momentos após sair da clínica. Ainda incerto de que conseguiria aguentar os baixos do longo processo, decidiu respirar novos ares e foi para um condado em Washington. E o caminho dele encontrou o de Grace Brooks, que também estava recomeçando em vários sentidos. Poderiam duas pessoas extremamente magoadas e traumatizadas pela vida fazer bem uma à outra?

Comentários: 
“- Nem me fale. É difícil o tempo todo, Max. O tempo todo! E vai continuar sendo assim pelo resto da vida, porque é a isso que nós, viciados, temos que sobreviver. Você acha que eu não tenho mais dias ruins? Pois há dias que eu gostaria de ligar para meu antigo fornecedor e me drogar. – Ele ficou olhando para o copo de café entre as mãos – Mas aí eu me lembro do que esta atitude faria com meus pais, com minha família, com meus amigos. E comigo. E é isso que você precisa fazer”.
- Na sequencia de Desejo Proibido, o foco deixa Carter e Kat e passa para Max. Depois do fundo do poço que ele atingiu vamos acompanhar a trajetória intensa e complicada de recuperação. E a autora começa explorando a dificuldade dele em lidar com os motivos que ajudaram a empurrá-lo para o fundo do poço. Do qual ele não conseguiria sair sem ajuda e sem se ajudar. Ele teve que encarar um conjunto de coisas muito ruins, com as quais ou não soube lidar ou procurou paliativos que pioraram o que já não era bom. Então quando tudo pareceu sufocá-lo, ele embarcou em um rumo que não garantiria final feliz. Agora estava sendo encorajado a expressar isso – e todo mundo sabe que não é fácil verbalizar nossas fraquezas porque significa torná-las concretas. E em certa medida, assumir as consequências delas. 
I never ever meant to get so into you/ Thought I was using you jus to get me through/ You know I'm broken, I don't trust anyone/ Last thing I needed was to fall in love 
- Por outros motivos e sofrimentos, Grace também estava se reconstruindo. Precisava assumir o controle da própria vida, recuperar a autoestima que tinha sido arrancada dela. Claro que não era fácil. Ela ainda lidava com algumas limitações que sofram consequências da violência que sofreu. E sabia que o primeiro passo era o mais importante: por isso estava providenciando a própria casa, voltou a trabalhar e queria retomar o seu direito de ser independente e de ter escolhas.

- Quando Max considera que precisa trocar de ares, resolve visitar a casa de uma família que o conhece desde que ele era criança. Um ambiente diferente e ainda assim familiar sería melhor que não suportar os efeitos da incontrolável felicidade do melhor amigo e da noiva – a felicidade deles trazia más lembranças, de uma época onde ele achou que também teria um happy end. Só que, no condado de Preston, ele acaba despertando o interesse de Grace e tendo despertado o interesse por ela. Isso o confundia, o deixava desconfortável porque ele tinha certeza de que estava arrebentado para sempre – não sendo capaz de dar amor a nenhuma mulher. 
You got me dreaming, got me thinking I got some hope/ But there's nobody, and someone I get to know/ But I'm so scared, I don't know what to do/ How did you get me so into you?!
- Grace (aliás, ponto pra autora que saiu do esterótipo de heroína óbvio e decidiu narrar alguém diferente, com histórico familiar diferente, com beleza diferente. O mundo é muito mais amplo que o padrão europeu) queria recuperar o poder de confiar em algum homem e, apesar da maioria deles ainda a deixar insegura, algo instintivo nela sabia que podia confirar em Max. Talvez o fato de saber que ele também lidava com fantasmas internos fortes e poderia entender os dela. Encontrou um homem compreensivo e que permitia que as coisas corressem no tempo e no jeito que Grace quisesse, desde que comprendesse que não haveria muito mais que isso, porque ele era um caso perdido.

- Só que nunca diga nunca. Grace e Max estão ambos muito feridos pela vida e vão encontrar os próprios caminhos. Mas não é fácil erguer um futuro em cima de feridas ainda abertas. E serão surpreendidos por sentimentos e situações da vida que escapam ao controle e a sensação de segurança que eles tanto necessitam para se manter firmes. Não será fácil. Ambos terão problemas, dúvidas, descontroles, farão escolhas e lidarão – bem ou mal – com as consequências. 
“Estou dizendo que quero que você se lembre de que vocês dois são criaturas frágeis que passaram por um trauma e tanto. Que não é seu papel consertar alguém e que não é todo mundo que quer ser consertado. Estou dizendo que quero que você se prepare para o que pode acontecer”.
- É forte, é desconfortável, é devastador, é intenso, é sexy, busca a esperança em meio às trevas e ao sufocamento que dores muito intensas trazem à nossa alma. Mas não desiste. Nem quando isso parece ser a única opção. Talvez seja a lição das jornadas de Grace e de Max: sempre há uma chance. Basta a gente se predispor a buscar e lutar por ela.

Trilogia A Pound of Flesh
1. A pound of flesh - Desejo Proibido - Kat Lane e Wes Carter
1.5 - Love and Always - Eternamente Você - Kat Lane e Wes Carter
2 - An Ounce of Hope - Paixão Libertadora Max O'Hare e Grace Brooks (lançamento em abril)
2.5 - Fate and Forever - publicação prevista para 2016 – Max, Kate e Wes Carter
3. A Measure of Love - publicação prevista para 2016 – Riley Moore e Lexie Pierce


Bacci!!!

Beta

Ps.: Durante a semana em que li o livro (muita coisa a fazer = pouco tempo para ler), uma música me acompanhou. E confesso que demorou pra fazer o CLIC de que não era à toa. Tanto que li os 10 capítulos finais com ela em loop no fone. Citei trechos dela no texto, entremeado com as partes do livro. E se quiser ter 4:41 de fofura passível de um tantinho de invejinha, veja o vídeo abaixo.

Reações:

Um comentário :

  1. ZEUS, pior que é verdade ser uma batalha para resto de seus dias mesmo !!! Um legado pior que uma pessoa viciada em droga tem a carregar depois de controlar e vencer sua fraqueza diante de seu vício: estar alerta e vigilante sempre, admitindo sua fraqueza, para não cair nessa armadilha perigosa novamente, porque ser viciado em alguma substância é criar uma necessidade física e mental desnecessária à vida !

    ResponderExcluir