quinta-feira, dezembro 17, 2015

Ciao!!!



Se você teve a sorte de ser criança/adolescente entre as décadas de 1970 e 1980, provavelmente quis:

- ser arqueólogo aventureiro e resgatar tesouros de bandidos como Indiana Jones;

- ter um amigo E.T. que fizesse voar sua bicicleta e a de seus amigos;

- viajar no tempo em um Delorean com um cientista muito maluco;

- ter um amigo tão louco, irresponsável e descolado como Ferris Bueller #SaveFerris;

- se aliar à Aliança Rebelde para libertar o universo das garras do Império.

(estica um lencinho para os saudosistas)

Pois é, devo confessar que sempre fui muito apegada a uma destas possibilidades. E fico feliz que esta novelização, dedicado a apresentar o universo de Star Wars ao público infantojuvenil, tenha reavivado meu interesse por outras delas. Afinal de contas, O Despertar da Força vem aí e, só de ouvir meros acordes do tema já causa arrepios, imagina o tamanho da emoção em reencontrar esta série em outra fase da minha vida.

A Princesa, o Cafajeste e o Garoto da Fazenda; Star Wars: Uma Nova Esperança como você nunca viu – Alexandra Bracken – Editora Seguinte
(The Princess, the Scoundrel e and the Farm Boy – 2015)
Personagens: princesa Leia de Alderaan, Han Solo e Luke Skywalker

Leia queria fazer a diferença, ser a voz pelos oprimidos pelo Império. Capturada, viu seu planeta natal ser destruído e agora a esperança estava na memória de um droide enviado a um planeta distante atrás de um ex-capitão Jedi. Um contrabandista que deve a um ser perigoso busca meio de pagar as dívidas antes que se torne alvo de todos os caçadores de recompensa do universo. Ele se une a um misterioso homem, um adolescente recém-saído de uma fazenda e dois robôs em uma missão repleta de reviravoltas. Este grupo de heróis e heroína vão mostrar que as pessoas improváveis são capazes de fazer a diferença nesta batalha entre bem e mal.

Comentários:

- Lembro quando vi o livro e o título fez um radar disparar ao som da trilha composta por John Williams (como fez na minha jukebox mental cinematográfica), certificado pelo subtítulo “Star Wars: Uma Nova Esperança, como você nunca viu”. E olhe que eu sempre fui mais ligada à Indiana Jones que Star Wars, primeiro pelo pavor que eu sentia de Darth Vader (convenhamos: é uma figura que intimida crianças pequenas com imaginação fértil). Por isso, levei anos para ver os filmes. Fiz maratonas dos filmes clássicos. Fui ao cinema ver a trilogia dos filmes I-II-III. Passei a querer um sabre de luz (embora nenhuma pessoa sensata me entregaria um por motivos de: sou desastrada). E agora estou fazendo de conta que não estou curiosa, empolgada, contando dias para ver O Despertar da Força no cinema (ainda mais pela maravilhosa dupla de protagonista: uma garota e um rapaz negro. A Força não privilegia biótipo YAY), sendo que farei outra maratona das duas trilogias anteriores com direito a pipoca, guaraná e muita tietagem com um grupo de amigos, como uma espécie de “aquecimento” para a tietagem na sala de cinema.

Luke apresenta o livro e o filme :)


- A Princesa, o cafajeste e o garoto da fazenda teria sido um livro muito útil para meu eu medroso de embarcar nesta aventura em algum momento na transição da infância para adolescência. A autora Alexandra Bracken, uma fã da saga incentivada pelo pai, atingiu o objetivo de mostrar que estes estereótipos não definem nem limitam os personagens. Que eles são muito além dos rótulos que receberam ao longo da vida – inclusive de si mesmos.

- Leia não era a garota bonita à espera de ser salva pelo príncipe, com quem se casaria e seria feliz para sempre. Ela queria combater as injustiças que soube que eram cometidas pelo Império, se tornou a mais jovem senadora, subestimada por todos... E que terminou capturada em uma missão ousada: roubar as informações da construção da Estrela da Morte, a mais mortífera máquina de matar e dominar do Império. Após ver Alderaan ser destruído em uma demonstração de poder, ela aguardava ser executada. A menos que um milagre acontecesse.

- Han Solo e Chewbacca eram contrabandistas, trabalhando com transporte de coisas, pessoas e cargas que o Império não poderia saber. Justamente por isso se livrou de uma carga para não ser preso e agora estava (na melhor das hipóteses) muito encrencado com Jabba, o Hutt. Após uma desavença que envolveu o uso de armas laser em um bar, ele concordou em levar um homem idoso, um adolescente e dois droides até o sistema de Alderaan por uma boa quantia, que permitiria quitar a dívida e salvar o próprio pescoço.

- Para quem nunca havia saído de Tatooine, Luke Skywalker, de repente, se viu realizando muitos desejos. Buscava aventura, emoção, romper os limites da fazenda. Após ser o único sobrevivente da família que escapou de um massacre das tropas do Império, se viu seguindo Ben Kenobi, um capitão e um dos poucos mestres Jedi sobreviventes após a perseguição ordenada pelo Imperador. Ben sentiu a Força nele e começou a ensinar como ele poderia entender e controlar isso, em uma corrida contra o tempo para levar R2-D2 E C-3PO para os rebeldes antes que eles fossem descobertos.

- No entanto, ao chegarem o local indicado, encontraram rastros de destruição e foram capturados pela Estrela da Morte. Espertos, impulsivos, eles escapam dos stormtroopers, em um pique-esconde dentro da nave inimiga. Descobrem a princesa presa e, mesmo sem unanimidade, partem para o resgate. No entanto, para escapar, sofrem uma perda dolorosa. A partir daí, precisam decidir o que fazer em um futuro não muito promissor, a menos que comprassem a briga junto com a Aliança Rebelde contra o Império. No entanto, nem todos querem isso.

- A autora consegue mostrar que, sendo quem são, os três eram capazes de fazer muita coisa pelo bem. Contra todos os “pensamentos já definidos” a respeito deles e mesmo como eles se viam. Leia era uma líder guerreira, estrategista e inteligente. Apesar de impulsivo e inexperiente, Luke tinha bom coração e a Força e Ben para guiá-lo. Han teve que endurecer o coração para sobreviver, mas as circunstâncias e o grupo de amigos “forçados pela convivência” poderiam mostrá-lo que ele era melhor do que pensava.

- Apesar de ser uma releitura de diferentes fontes relacionadas ao material original, há cenas que rementem à nossa memória afetiva da série. Em alguns momentos, era capaz de ouvir a voz do Han Solo. Ou os assobios do R2-D2. Ou o barulho dos sabres de luz no confronto de Darth Vader e Ben Kenobi. Sem contar o sorriso de cumplicidade ao ver as frases “Estou com um péssimo pressentimento sobre isso” ou “Que a Força esteja com você” aparecerem pela primeira vez no texto. Algo que percebi tanto neste livro quanto no trailer de O Despertar da Força é o uso de “Lado Sombrio” como tradução para “Dark Side”. Despertou curiosidade a respeito da mudança – totalmente possível pelo significado original – mas ainda não vi nenhuma matéria especificamente sobre isso. Ficarei atenta.

- Star Wars foi um dos pioneiros, na década de 1970, dos blockbusters de verão voltados para os adolescentes. Misturando a jornada do herói, aventura, perdas, busca de sabedoria, conflito bem x mal, protagonistas além das aparências, a lição é mostrar que somos capazes de conduzir nosso próprio destino e de fazer escolhas que nos mantenham no Lado Bom da Força. Investir este poder em algo produtivo para nós, para a comunidade que nos cerca e viver em harmonia, respeitando as diferenças. Em um 2015 repleto de exemplos do Lado Sombrio na vida real, é preciso determinação e coragem para assumir esta luta. Que a Força esteja com você!

As novelizações seguem a trilogia original do Star Wars e é composta pelos livros.
1. A Princesa, o Cafajeste e o Garoto da FazendaThe Princess, the Scoundrel e and the Farm Boy – Alexandra Bracken – Episódio IV
2. Então você quer ser um Jedi?So you want to be a Jedi? – Adam Giovitz - Episódio V


Bacci!!!

Beta
Reações:

Um comentário :

  1. Oh, eu criei muitas aventuras em minha imaginação graças ao casal Han e Leia, incentivadas pelas canções que eu amava dançar e ouvir, mas nunca escrevi-as. Entretanto uma dúvida, visto eu não ter lido esse romance: Ben era GENERAL !

    ResponderExcluir