sábado, outubro 24, 2015

Ciao!!!



Sabe aquele caso clássico de a curiosidade matou o gato? Então, é a melhor forma de definir minha relação com a família Maddox.
Ah, claro, #MadreHooligan também tem dedinhos nisso.

Bela Distração – Jamie McGuire – Verus (Irmãos Maddox 2)
(Beautiful Oblivion - 2014)
Personagens: Camille “Cami” Camlin e Trenton Maddox

Cami era a bartender no Red Door, serviço que bancava a faculdade que ela fazia a conta-gotas. Vivia um namoro à distância com T.J., que estava envolvido em um projeto importante e secreto na Califórnia. E tinha se tornado alvo da atenção exclusiva de Trenton Maddox. Depois de anos convivendo sem se darem atenção, agora ele decidiu que queria Cami. E não seria um namorado ausente que atrapalharia isso.

Comentários:

- Juro que tinha a esperança de simpatizar com qualquer Maddox que não fosse o Travis – afinal de contas, já foi provado e comprovado que sou totalmente incompatível com o protagonista descompensado de Belo Desastre e Desastre Iminente (e de Belo Casamento).

- Esperança vã. Aparentemente menos descompensado que o irmão, Trenton é igualmente invasivo, abusado, não entende a noção de espaço. É capaz de tudo em nome do que sente (que soa como grudento, chiclete ou, se você preferir, obsessivo) por Cami. Ele se aproxima, cerca, fica por perto, dá palpite quando não é chamado, invade quando não é convidado. Realmente fico imaginando como ela não pediu uma medida restritiva simplesmente para conseguir respirar sozinha. Os Maddox sufocam. Em vários momentos, pensei com meus botões, que isso não é amor, é asfixia. Tipo aqueles documentários do mundo animal, que o predador hipnotiza a vítima que se vê imobilizada, enrolada e devidamente devorada antes de se dar conta. Sendo que Cami – assim como Abby – colabora porque escolhe este caminho. Ela poderia dizer não, poderia arrumar meios de mantê-lo afastado. Sim, parece meio surreal em se tratando de um Maddox obsessivo, mas quando um não quer, dois não brigam. Ela quis a briga, quis se colocar na situação de corda bamba entre Trenton e T.J., ao negar os reais sentimentos que tinha por cada um deles.

- E Cami deveria entender o tamanho da encrenca. Afinal de contas, é a “ovelha negra” de uma família que está se desmanchando, mas se recusa a admitir. Termina sempre culpada pelas lambanças dos irmãos, por ser a única que tentou fugir do ambiente opressivo de um pai violento e alcoólatra e de uma mãe que se recusava a abandoná-lo mesmo após todos os limites possíveis terem sido rompidos. Apesar do pai, ama a mãe e os irmãos e os ajuda, mesmo quando eles abusam da boa vontade (oi Coby) ou da paciência (oi Chase) dela. Sério. Lei Maria da Penha e acompanhamento psicológico para todos os envolvidos. Isso está longe de ser um relacionamento saudável familiar. Nada pode ser saudável quando paira a sombra da violência.

- Trenton, assim como Travis, também foi marcado pela perda precoce da mãe. E como se isso não fosse suficiente, ainda esteve em um acidente de carro onde uma garota morreu. Ou seja, pirou na batatinha (com razão, é muito para qualquer um suportar), largou a faculdade, arrumou um emprego como tatuador para ajudar nas contas de casa e estava ali, sendo pau para toda obra do irmão caçula fio desencapado, sendo uma babá inesperada e amável para uma garotinha de cinco anos e rondando e cercando a garota que deseja, independente de ela ter namorado. E pelamordedadá, que irritante toda hora ameaçar bater no rival, que ele sempre soube que existia – afinal Cami avisou que tinha namorado! – quando T.J. de alguma forma manifestava a presença mesmo ausente. Existe limite para o selvagem sexy. Além dele, vai tomar um floral ou um calmante tarja preta derruba elefante!

- Aliás, se tem um personagem na trama que não me irritou foi T.J. Como a própria Cami admite, eles se envolveram subitamente e ela entendia a exigência do emprego dele. Se resolvesse as demandas, ultrassecretas, ele teria logo condições de ter um relacionamento normal e organizado. Teria tempo para aproveitar o namoro. Eles concordaram que seria difícil, mas necessário, o período em que ela ficaria na cidade e ele, na Califórnia. Talvez o que me estressou foi ele ter sido um “foguete molhado”. Sabe aquela bomba que ameaça explodir o livro inteiro e quando explode não faz ruído nem de estalinho? Até eu que sou um poço de distração ambulante, liguei os pontos e imaginei o possível potencial desenlace de desgraça do triângulo amoroso. 

- No entanto, não ocorre porque, por mais que o livro foque nos Maddox, é a família Camlim que está no olho do furacão. É mostrada toda a desestrutura causada nos filhos pelos comportamentos e escolhas dos pais. Cami quer se afastar, Cody buscou o vício em anabolizantes, Chase se ressente da vida e Clark e Colin tentam entender o que ocorre com todo mundo. É real. É incômodo. Talvez você não goste.

- Ah, sim, outra coisa que vai incomodar quem não gostou da saga de Abby e Travis e vai fazer dar pulos dignos de ginástica artística em quem amou é que a autora conta mais uma vez a história deles. É, uau, pelo terceiro ponto de vista, acompanhamos todo o drama, a tensão, os vai e volta, daquele relacionamento que eu acho abusivo e eles definem como paixão e amor à primeira vista. De novo. Como não sou fã, não me agradou. Preferia uma apresentação mais detalhada dos perfis dos demais Maddox que serão protagonistas dos próximos livros.

- Onde entra #MadreHooligan nisso? Bem, ela não teve a antipatia que eu tive pelas aventuras, desventuras, desgraças e bla bla bla de Abby e Travis. E quando viu este livro na bancada da livraria, perguntou se tinha lido (não), quis saber por que não (porque não comprei), porque não comprei (porque não fui com cara do casal do primeiro livro e sobrou para este que é um spin-off), o que é isso (uma sequência que envolve outro personagem relacionado à trama original), mas quem é o casal (Travis, jovem traumatizado que usa violência e sexo como válvula de escape até encontrar Abby, a caloura virgem que muda a vida dele para sempre. E terão que superar muitos obstáculos para ficar juntos) e o que esse livro tem a ver (é a história do irmão do fio desencapado do primeiro livro). Ah, quero ler. Você vai comprar (simples assim. Já que veio aqui pra casa, eu li também. Mais um pra cota “coisas que faço pelo Literatura de Mulherzinha).

- Talvez no fundo eu seja uma pateta hipnotizada por uma promessa (que só existe na minha cabeça) de que ainda conseguirei gostar de algum Maddox sem restrições ou asteriscos, “só que”, “apesar de”. Agora em outubro, a Verus lançou a sequência, Bela Redenção. O Maddox da vez tem um nome muito querido aqui em casa atualmente. Vamos ver se ele me salva da esperança vã em que vivo com esta série.

O livro faz parte de uma série spin-off de Belo Desastre (que são estes aqui):
Belo Desastre – Beautiful Disaster (2011) 
Desastre Iminente – Walking Disaster (2013) 
Belo Casamento  – Beautiful Wedding (2014)

Série Irmãos Maddox:
1. Beautiful Oblivion - Bela Distração – Camille “Cami” Camlin e Trenton Maddox
2. Beautiful Redemption - Bela Redenção – Liis Lindy e Thomas Maddox
3. Beautiful Sacrifice – Belo Sacrifício – Falyn Fairchild e Taylor Maddox
4. Beautiful Burn – Bela Chama – Ellie Ellerson e Tyler Maddox
5. A Beautiful Funeral – ainda não lançado em Português.

Bacci!!!

Beta
Reações:

3 comentários :

  1. Ai, que emoção, alguém que não se sentiu *enfeitiçada* pelo Travis! *abraça*. Eu até fiquei um pouco curiosa para saber como era esse livro, mas isso de Abby e Travis MAIS UMA VEZ, me fez desistir.

    Adorei a resenha!


    bjs!

    Thaís

    http://umaconversasobrelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu creio não ter nada contra uma história contada e recontada sob vários pontos de vista (pois assisti um episodio de Star Trek - Next Generation muito interessante narrado sob esta perspectiva) mas não sinto vontade alguma de adquirir este romance ou esta série porque não tenho e nunca tive simpatia por bad boy. Além de que eu odeio machão invasivo ! Nomes masculinos muito lindos mas eu declino !!!

    ResponderExcluir
  3. Estou esperando ansiosamente sua opinião sobre Beautiful Burn (do Tyler), achei ele uma mistura do Travis e do Thomas, e ele não é possessivo ou maluco como os outros irmãos. Já a Ellison, acho que tu não vai gostar, apesar de eu ter gostado dela. Enfim, adoro seu site por você ser escorpiana (se não me engano), pois é um signo com opinião muito forte e sincera. Continue postando!

    ResponderExcluir