domingo, outubro 04, 2015

Ciao!!!


  
Até que enfim consegui este livro. Estava muito curiosa com a trama porque ele é citado em outras duas histórias da autora. Temos mais um que segue a grife Diana Palmer, na tendência mais contemporânea. Afinal de contas, há limite para mocinhas panguás e pasmacentas até mesmo na série Homens do Texas.

Feridas de Amor – Diana Palmer – Coleção Primeiros Sucessos 64
(Cattleman Pride – 2004 – Silhouette Romance)
Personagens: Libby Collins e Jordan Powell

Libby e Jordan eram vizinhos em situação bem diferentes. Enquanto ele era um homem rico, ela e o irmão estavam passando por uma fase muito difícil causada pela morte do pai e pela esperteza da madrasta em querer roubar a herança deles.  Havia um clima entre os dois, que sempre pairava, mas não se consumava por causa das restrições de Jordan quanto à força dos sentimentos de Libby. Até que Julie Merrill atravessou o caminho deles. E em uma Jacobsville em plena e aberta guerra política, nada mais foi o mesmo.

Comentários:

- Quem já leu Renegado e A tentação do desejo, sabe que está havendo desventuras em séries no amor entre Libby e Jordan.

Aliás, falando no Jordan, me faltaram termos para referir a ele. Porque se eu chamasse de “burro”, “mula”, “topeira” ou “anta” era uma ofensa aos bichos – COM RAZÃO –, recorrer aos tradicionais “imbecil”, “idiota”, “tapado” era insuficiente. Até que optei pelo bom humor (imagino que frutas não fiquem ofendidas).


Se a gente tiver um ataque de supersinceridade vai perceber que todos os problemas no relacionamento entre Jordan e Libby foram causados por ele. Adivinha? Homem traumatizado porque a mãe era rica e foi deserdada ao casar com o pai dele, que era pobre. Ela teve vida difícil e morreu nova. Ele enriqueceu graças ao esforço do próprio trabalho e queria fazer parte da alta sociedade, que não o aceitava pelo “pai sem berço”. Enquanto ele trabalhou para o fazendeiro Duke Wright, percebeu que o homem sofria por um casamento com uma mulher mais jovem que não hesitou em deixar a família em prol do sucesso profissional. Por alguma razão paranoica (e este detalhe do comportamento dele é citado de cara na primeira página), ele cismou que Libby iria querer a mesma coisa e o largaria em Jacobsville.

Claro que esse “Minority Report” para prevenir sofrimento pós-casamento não deu certo. Abriu a porteira para a série de tapas-beijos-humilhações-decepções, enfim, a grande lambança causada pelo orgulho de Jordan neste livro. Porque Julie Merrill, a filha mimada do senador Merrill entrou na jogada. Decidiu que o dinheiro de Jordan seria dela e não hesitou em jogar muito sujo para tirar a “não-sou-sua-rival” Libby da jogada. Enredando o fraco e banana Jordan com o charme e a promessa de abrir as portas para o status social que ele tanto dizia querer, para conseguir que ele financiasse a campanha do pai. Já que os “novos-ricos” da cidade fecharam apoio a Calhoun Ballanger para ser o representante dos Democratas para concorrer ao Senado. Outros aspectos desta trama são citados no terço final de Renegado, por isso, Cash “espetáculo, eu te amo tentação de farda” Grier aparece aqui também (Pausa para tietagem descarada).

(Os.: adoro o fato de Jacobsville ser uma cidade de tendência Democrata. Se me recordo bem, o Texas é um dos estados conservadores, portanto, mais alinhados ao partido Republicano. Não sou especialista nisso porque política é complicada e cheia de meandros mundo afora. No entanto, repito que achei interessante esta escolha da titia Palmeirão colocar uma cidade no estado do George W. Bush favorável ao partido do Barack Obama).

Então o ogro coloca de vez o bloco na rua. Jordan consegue a façanha de errar tanto por ação quanto por omissão. Impulsionado pelas mentiras de Julie (que davam a ele apoio para acreditar no que ELE queria acreditar, pouco importava se não era verdade), ele age errado e se omite de posicionar quando Julie ataca Libby. E ainda tem a audácia de ficar irritado quando outros a defendem. Só não fiquei irada porque, ao contrário de outras sofridas mocinhas palmerianas, Libby tem praticamente um exército ao lado dela contra o fazendeiro orgulhoso ridículo. Que o digam Harley e Hayes, dois galantes rapazes solidários. Toma na cara, Jordan banana!!! 

Ainda mais porque ela e o irmão Curt estavam com muitos problemas. O pai morreu e o dinheiro e a fazenda da família estavam (aparentemente) sob o controle da madrasta, que queria vender tudo e não deu um tostão da apólice de seguro para eles. Ou seja, azar no amor e azar na vida pessoal. A maré não estava nada boa para os irmãos Collins. Então, ela nem podia se dar ao luxo de sofrer por amor, porque tinha problemas até mais urgentes para resolver. Nesta parte, a trama é interligada ao desenrolar de A tentação do desejo, que conta a história de Blake Kemp (advogado da cidade para quem Libby trabalha) e Violet Hardy.

Enfim, dentro da nova onda da Titia Palmeirão, este tem ogro mais light (ba-na-naaaa potato daaaa) e uma mocinha que, embora apaixonada, virgem, pura e imaculada, pelo menos parte para a briga (literalmente. E usando um método original, que complementa as frigideiras ninjas mais comuns na cidade). Em dia de bom humor, você até dá risada do Jordan tentando consertar o fato de ter enfiado cabeça, ombro, joelho e pé; olhos, ouvidos, boca e nariz na jaca e Libby só faltando cantar  “Você jogou fora o amor que te dei, o sonho que sonhei. Isso não se faaaaaaaaaaaz. Que pena. Que pena, amor”. Mas sabe que ela vai perdoar. Afinal de contas, em Jacobsville tem gosto para tudo.


- Este livro consegue a façanha de citar todo mundo e mais um pouco dos personagens relacionados à Jacobsville. A começar por Calhoun Ballanger, Justin e Shelby; os Tremayne; os Hart (a “Família Biscoito). Ressuscitaram até o Ted Regan e a santa Corrie. E os doutores Coltrain. Cita Chrissy e Judd de Fora da Lei e outros personagens que ainda não tiveram os livros lançados por aqui como o Harley Fowler, o Hayes Carson e a lanchonete da Barbara, mãe do Rick Marquez (sobre este livro, não falo mais nada, só canto).

Outros detalhes, já sabem, visitem o Romantic Girl, especializado no inacreditável e “polêmico” mundo da titia Palmeirão.


Bacci!!!

Beta

Ps.: Em pleno 2004 (data da publicação do livro), vestido com mangas bufantes, Diana Palmer? Really?!?!? 
Reações:

3 comentários :

  1. Beta, eu lhe disse que Jordan era o babaca-mor de Diana Palmer. Só para saber, ele foi melhor ou pior do que você esperava?

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkk titia Palmeirão adoooora um vestido de mangas bufantes, kkkkkkkk
    Eu comecei a ler esse livro hoje. Estava agora mesmo gritando (mentalmente) "buuuuurro" pro Jordan. Tô doida pra chegar na parte em que ele cai em si. É a minha parte favorita do livro, ainda mais pelo gelo que ele leva da Libby, hehe!

    =)

    Suelen Mattos
    _____________
    ROMANTIC GIRL

    ResponderExcluir
  3. Ah, senhor, não é que eu estou com vontade considerável de adquirir um exemplar desse romance para poder ver esse monstro burro ferrar-se lindamente em suas convicções machistas ?! Mãe abandona família por carreira. Pai tem muito sofrimento pela frente graças a isso. Terceiros pagam muito caro através de seu filho !!! Oh, que bom que existe vida inteligente masculina nessa cidade texana para enfrentá-lo !!!

    ResponderExcluir