domingo, agosto 09, 2015

Ciao!!!



Não gosto de ficção científica. Não gosto de livros que me deixem tensa. Não gosto de suspense.
... E não consegui desgrudar deste livro até terminá-lo em HORAS.
Aí, sim, fomos surpreendidas novamente.

Brilhantes – Marcus Sakey – Galera Record (Volume 1)
(Brilliance – 2013 – Thomas & Mercer)
personagens: Nick Cooper  

Uma história tão antiga quanto o tempo: o homem detesta ser superado, detesta o diferente. Então, quando os Brilhantes, pessoas com dons e capacidades acima da média, foram detectados e começaram a crescer, chamaram a atenção. Quando começaram a se destacar, criaram desconforto. Quando decidiram exigir direitos diferenciados, se tornaram uma ameaça. Para combater os extremistas, existia o secreto, mas temido, DAR – Departamento de Ação e Reação. Os funcionários, apelidados de “gasistas”, tinham ordens para identificar, conter e matar ameaças. Nick Cooper era um dos agentes. Com uma particularidade: era um brilhante caçando seus iguais. A meta era localizar e deter John Smith, um brilhante que planejava um atentado de grandes proporções que poderia declarar de vez a guerra entre as pessoas normais e os esquisistos/anormais. Em uma corrida contra o tempo, repleta de reviravoltas, Nick vai se indagar até que ponto ele seria capaz de ir para proteger quem ama.

Comentários:

- Nick é um brilhante que trabalha caçando brilhantes. É um dos mocinhos, que gosta de trabalhar para proteger as pessoas, especialmente os dois filhos e a ex-esposa. O livro começa com a gente acompanhando ele na caçada a uma pessoa suspeita de envolvimento na organização de um atentado terrorista de grandes proporções. Por ser quem é, seus dons são muito úteis no DAR, ao mesmo tempo, ele também é temido e não é bem visto por todos os colegas. Os planos não dão muito certo e a ameaça continua pairando sob todo mundo.

- Até que Nick é forçado a confrontar alguns pontos de vista diferentes dos que regiam a sua vida. Primeiro ao visitar uma “academia” para onde eram mandados os brilhantes identificados. Depois, a partir do momento em que percebe que Kate, a filha caçula de 4 anos também era uma brilhante e começa a temer, junto com a ex-esposa, pelo que pode ocorrer com ela. Depois ao não conseguir impedir uma tragédia, Nick toma uma decisão: para garantir a proteção da família, decide se arriscar em um jogo de vida ou morte.

- A partir daí, ele fica literalmente sem laços e sem futuro. Ninguém tem motivos para acreditar nele e ele também não pode se dar ao luxo de cometer erros ou os motivos pelo qual está lutando vão por água abaixo. Para proteger os inocentes – brilhantes ou não – Nick se arrisca a caçar enquanto é caçado, sem saber exatamente quem são seus aliados e com uma meta para localizar os inimigos e destruí-los.

- Não sabia muito que esperar. No início, estava ficando agoniada com a escalada rumo à tragédia. A partir da segunda parte tudo o que eu queria era saber como terminava porque, graças a algumas experiências com filmes que trabalham a mesma ideia de polaridade entre pessoas porque umas são melhores que outras (não posso citar quais para não dar pista, mas tinha dois filmes em mente. Um mais recente, outro nem tanto), já tinha uma ideia que queria confirmar. E quando a minha expectativa foi confirmada, fiquei tão feliz! Porque meu eu escorpiano decifrador dos mistérios da humanidade sempre foi trolado pelas tramas da Agatha Christie (Mr. Poirot e Miss. Marple sempre me deram rasteiras. Algumas foram até humilhantes, tamanho o óbvio da situação). Então quando acertei, me senti superinteligente.

- É uma trama bem construída, com várias referências aos piores e melhores sentimentos do ser humano. O amor de um pai pelos filhos e pela família confrontado com o desejo de soberania de um grupo sobe outro, não importa o motivo. A amizade e a lealdade cegas. A manipulação da opinião pública. O curioso é que o livro se passa em um 2013 alternativo. Ou seja, não é um futuro indistinto. Guardadas as devidas proporções, é algo que pode acontecer. Afinal de contas, não precisa ser brilhante para saber o quanto a humanidade pode realizar lindos atos e as maiores atrocidades. Basta dar uma olhadinha nos livros de História e nem precisa retroceder muito no tempo para, infelizmente, comprovar isso.

Série Brilhantes
Brilliance – Brilhantes
A Better World - ainda não lançado em Português

- Links: Goodreads livro, dueto e autor; site do autor; Skoob.

Bacci!!!


Beta
Reações:

Um comentário :

  1. Eu não sou muito fã de ficção científica também, a menos que um filme ou um livro ou uma série em questão prove-se muito bom mesmo. Esse livro suscitou minha curiosidade em lê-lo, lembrando-me de um filme recente com enredo semelhante, trazendo-me vontade de ver este livro ser transformado em um filme também. Incrível como humanos podem ser invejosos e preconceituosos à toa, graças às diferenças !

    ResponderExcluir