quarta-feira, novembro 12, 2014

Ciao!!!


Comprei este livro em um rompante na Bienal 2013 no Rio de Janeiro. Ele não estava na minha lista e acabou sendo um dos primeiros a vir comigo, porque estava no primeiro stand que visitei.

Giane: Vida, Arte e Luta – Guilherme Fiuza
(2013 - Sextante)

A imprensa deu ampla cobertura ao tratamento contra o câncer no sistema linfático que salvou Reynaldo Gianecchini. O interessante em ler a biografia é ter o ponto de vista dele, porque foi feito um circo de uma coisa muito séria. Então é a vez de quem estava fragilizado poder dar a opinião. Narrado em terceira pessoa, a partir da costura de depoimentos dos parentes, dos amigos, dos médicos, além de Giane, entremeia a narrativa sobre a carreira dele como modelo e, em seguida, ator, com a descoberta, os altos e baixos do tratamento para o combate e a cura do câncer no sistema linfático.

O relato da infância e adolescência no interior, a convicção de que iria sair de Birigüi para conhecer o mundo. A disposição para dizer “sim” às oportunidades, mesmo quando parecia que não daria em nada o levou da faculdade de Direito para os editoriais da moda, que foram o passaporte para o desejo dele de viajar o mundo. Dos perrengues da carreira como modelo, marcada por entressafras e por depender de ter o perfil exigido pelo mercado, pela empresa, pela grife. Nestas andanças pelo mundo, encontrou uma de suas musas, a jornalista Marília Gabriela, com quem foi casado. Quando a carreira de modelo deixou de parecer tão atraente, partiu em busca de outro desafio: ser ator. Começou no teatro, foi garimpado “ainda verde” para a televisão, para a pressão de estar envolvido no triângulo amoroso da novela Laços de Família, com Vera Fischer e Carolina Dieckmann. Emendou trabalhos no teatro, no cinema e na TV, surpreendeu como o Pascoal em Belíssima, lidou com o fim do casamento e traições de pessoas próximas, além de estar constantemente envolvido em boatos (o livro fala sobre a boataria envolvendo namoradas, affairs e até de que ele seria gay) e estava de volta ao teatro quando teve que parar tudo para cuidar da saúde.

Se você tem ou teve na família ou conhece alguém que enfrentou alguma forma de câncer sabe o quanto esta doença é cruel e devastadora. Torna-se uma prova de fé na capacidade de superação, confiança no conhecimento dos médicos para receitarem o tratamento correto. Viemos do Outubro Rosa, estamos no Novembro Azul e fica o alerta: melhor prevenir sempre que for possível.

É uma doença que não escolhe sexo, cor, idade, orientação religiosa, bons ou maus caráteres. O fato do jovem, aparentemente saudável, bonito, bem-sucedido ator ser diagnosticado transformou um processo doloroso e íntimo em quase um circo. Digo “quase” porque em vários momentos o livro relata a imprensa abusando do “direito de informar”, o próprio hospital e clínicas em xeque (o diagnóstico vazou para a imprensa com requintes de detalhes. Fora que, em diferentes momentos, amigos e familiares contiveram o ímpeto de alguns profissionais da saúde que queriam dar coletivas e mais coletivas sobre o estado do paciente). Exato, mais alguns exemplos que deixam esta blogueira que é jornalista e também ser humano com pessoas próximas nesta batalha com muita vergonha alheia.

2011 foi um ano difícil. Pouco antes do diagnóstico de Giane, o pai dele foi diagnosticado com câncer no pâncreas, o que exigiu da família montar estratégias para acompanhar o tratamento dos dois. O pai não resistiu, mas o filho lutou – e não foi fácil, teve de tudo na jornada dele na recuperação da saúde, incluindo falha durante procedimento cirúrgico e algumas complicações raras. Muitas pessoas enviaram manifestações de amor e torcida, o que ele relatou que ajudaram. E espero que todo mundo encontre uma Cláudia Raia, uma amiga para todas as horas e que compra as brigas necessárias, além do apoio incondicional nas horas mais difíceis.

Este livro ficou mais de um ano morando na cabeceira da minha cama. Estava com medo de ler e mexer em uma dor e em lutas recentes. Até que neste ano decidi que maior que o medo era a minha necessidade em alimentar a esperança. E nada mais importante para reforçar isso do que o relato de quem passou por isso – e de quem o acompanhou nesta jornada. Encontrei o reforço que procurava para manter a esperança em dias melhores e vitoriosos.  

- Links: Goodreads; Trecho do livro e uma curiosidade: o livro está à venda em Portugal – confira na Wook

Bacci!!!

Beta
Reações:

Um comentário :

  1. Eu pedi a deus um dia, muitos anos atrás, para que ele livrasse-me de línguas alheias. Mas essa postagem lembrou-me de que eu mesma não fui muito cortês com estes dois atores citados como eu esperaria que outros fossem corteses comigo. Ela foi muito amiga. Ele foi muito corajoso. Eu espero que ambos sejam muito felizes em suas vidas, com tudo o que estiver adiante em seus caminhos afora.

    ResponderExcluir