domingo, outubro 12, 2014

Ciao!!!


Tentando resumir esse livro: tem Ian de ponta a ponta; muita confusão entre século 19 e século 21; maldição, gente chata e uma protagonista cujas peripécias me fizeram resgatar uma lembrança de infância

Encontrada: à espera do felizes para sempre – Carina Rissi – Verus
(2014)
Personagens: Sofia Alonzo, Ian Clarke e sec. 19 x sec. 21

Sofia conseguiu voltar para o séc 19, onde pertencia, ao lado de Ian. O problema é que amá-lo incondicionalmente não era garantia instantânea de felicidade. Adaptar-se ao século 19 estava sendo mais difícil que ela imaginou, porque existiam regras de conduta a serem respeitadas e uma série de mortes estranhas de recém-casadas paira sobre eles. E na base do jeitinho e do amor, Sofia e Ian enfrentam os problemas tentando evitar que eles os separem de novo...

Comentários:

- Ao longo da leitura e deste post, tudo que consigo pensar é em fazer um clipe das maluquices da Sofia ao som desta música (desculpe aos que não foram criança nesta época, mas tem uma turma aí que vai entender a referência). Ela continua na vibe “Bridget Jones”, desta vez, às vésperas do casamento, dois séculos antes e completamente impulsiva. Tem horas que se ela simplesmente parasse e deixasse as coisas acontecerem, era capaz de não dar tanta confusão. Só que ao agir excessivamente – entenda-se: correr para a confusão de braços abertos -, ela consegue desencadear uma sequência de fatos que escapam ao controle e só complicam... Pois é, justifica a música que eu indiquei ali, né?

- Temos o choque de séculos com a anestesia improvisada (a cena é hilária), a tristeza com a perda de um relógio (que é o pontapé inicial para uma das confusões envolvendo Sofia), um improviso já realizado no livro anterior continua aqui e vira uma solução de uma das confusões e acaba complicando e criando outra confusão na vida da protagonista. A falta de informação dela sobre como era a vida de uma jovem no século 19 e isso só serve para, adivinha, mais trapalhadas, seja em casa, no convívio social e até mesmo no próprio casamento. Para agravar, ela sente o peso de ser “a senhora Clarke”, seja implicando com o uso do “senhora” que faz qualquer mulher se sentir a versão feminina de Odin, “mãe de todos” e seja a responsabilidade de ser a esposa de uma referência na comunidade e a principal responsável pela criação de Elisa, a cunhada adolescente que a idolatrava. Aliás, neste livro, Elisa tem uma trama própria que, claro, também vai se cruzar com a jornada atabalhoada de Sofia.

- Desta vez, surge tia Cassandra, antagonista do estilo “parente mala que pega no pé, fica caçando defeito e esperando qualquer falha pra atacar”. Ela desaprova tudo que Sofia faz, fica agindo como dona da casa e faz o possível para irritar até os personagens dos livros vizinhos. E claro que vai dar errado. Tem que dar errado, muito errado antes das coisas se acertarem. Neste caminho, Sofia vai conseguir aliados inesperados, complicações que seriam resolvidas com uma conversa direta. Só que ela está tão preocupada sem ser perfeita para o Ian que se esqueceu de que ele a ama do jeito que ela é (sim, tirei esta frase do Bridget Jones porque também se adéqua aqui, apesar da referência principal da autora ser Orgulho e Preconceito).  Porque neste tipo de história, como disse no post sobre Perdida, quanto mais louca é a heroína, mais perfeito se torna o herói para quem lê (em alguns momentos, perdi a conta de quantas vezes resmunguei que “Ian é um santo!³”).

- Então temos Sofia fazendo bobagem a torto e direito, Ian tentando ser perfeito com a mulher que ama, alguns desencontros comunicacionais, uma tia muito irritante, uma maldição pairando por ali, algumas curiosidades sobre o modo de vida da época que eu nunca imaginaria (o detalhe que envolve uma galinha, já na reta final da história me fez rir). E a forma como a autora resolveu o mistério da maldição foi coerente e como ela conseguiu fechar um ciclo envolvendo as duas histórias foi bem divertida. No geral, é gostoso de ler, porque Carina Rissi escreve muito bem. Pessoalmente, eu teria diminuído a quantidade de trapalhadas da Sofia (porque é engraçado, mas tem horas que, em leitoras como eu, chega a dar agonia, do tipo “quero entrar no livro e gritar: PELOAMORDEDEUS, PARA, RESPIRA E SOSSEGA!!!”). E não importa o que aconteça (e vocês podem imaginar que tem muita água para passar embaixo de uma ponte de 399 páginas): Ian sempre vale a pena.

- Só teve uma coisa que eu não gostei: Elisa tocando ARPA. Sério! Escrito deste jeito! Está na página 352. Pelo amor de Deus, corrijam para as próximas edições. A grafia “não ortodoxa” doeu nos meus olhos.

Série Perdida:
- Perdida: um amor que ultrapassa as barreiras do tempo - 2013 
- Encontrada: à espera do felizes para sempre - 2014
- Destinado: as memórias secretas do sr. Clarke - 2015
- Prometida: uma longa jornada para casa - 2016


Bacci!!!

Beta
Reações:

Um comentário :

  1. Ah, eu fiquei confusa agora ... Sofia retornou ao século XIX, ao qual pertencia, mas não sabia o que uma garota de século XIX de sua classe social deveria fazer ? Então ela era original de século XXI, não é ?! Uma dupla de romance que está começando a chamar minha atenção. Talvez eu resolvesse comprar esse dueto em breve também se minha bolsinha permitisse mais uma aquisição - um ponto a avaliar ...

    ResponderExcluir