domingo, fevereiro 16, 2014


Ciao!!!



Deu a louca na criatura que resolveu remexer o baú e desencavou vários livrinhos Fascinação. Resultado: rendeu uma semana especial. Até o próximo domingo, posts sobre esta série de histórias curtas e de leitura rápida. Para começar que tal uma trama que tem a) reencontro. b) vingança. c) Grego envolvido.
Já viu, né? É dos bons (pra quem gosta ou está no humor apropriado pra este tipo de história)

Meu primeiro amor – Anne Hampson – Fascinação 3
(Payment in full – 1980 – Silhouette)
Personagens: Sarah e Carl Duris

Sarah se casaria com Carl Duris, mas foi forçada a mudar de planos e de noivo. Sete depois, foi à Grécia e o reencontrou – na verdade, foi vendida a ele pelo chefe, que estava endividado. E agora, ela ficaria numa ilha, isolada de tudo e de todos, até dar a ele o filho que ele exigia. Enquanto isso, ele se encarregaria pessoalmente de puni-la.

Comentários:

- Sarah não queria casar com ninguém, por mais apaixonada que estivesse. Viu os péssimos exemplos que a mãe e a irmã enfrentaram. Por isso, recusou o pedido de Carl Duris. No entanto, para salvar a família (pelo menos a parte de quem gostava) foi forçada a se casar com outro homem mais velho e odioso.

- Sete anos depois, viúva, era uma pessoa que se preocupava com os outros: desde a irmã até o homem patético para quem trabalhava. E foi justamente esse homem, endividado, que a levou em uma viagem de trabalho à Grécia e a deixou sob o domínio de Carl Duris, que a odiava profundamente, mesmo tantos anos depois. Ele a culpava por um monte de coisas e, por isso, disse que ela ficaria com ele até dar um filho HOMEM – só então ele a libertaria. Para evitar problemas quanto a legitimidade da criança, eles se casariam.

- O enredo normal acontece aqui: o protagonista, que se julga injustiçado pelo mundo, resolve fazer a heroína pagar por todos os erros do mundo, quiçá da galáxia. Ah, claro, a partir de informações obtidas aqui e ali de fontes (nada, em hipótese alguma) confiáveis. Faz a moça sofrer até, é grosseiro, agressivo, a maltrata verbalmente (e em algumas cenas, até fisicamente). 

- Mas... sabe o que eu gostei no livro? Sarah não ficou chorando pelos cantos – tentou fugir de tudo quanto era jeito e conseguiu uma possibilidade bem debaixo do nariz dele. Esta heroína sofredora não-passiva foi que tornou o livro interessante, ao menos para mim. Ela não se conformou em ser prisioneira. E quando o óbvio acontece (afinal de contas, não pode sair do padrão, né?), é porque ela decide que quer.


Bacci!!!

Beta
Reações:

Um comentário :

  1. Homem que julga-se repudiado, mais que traído, é um perigo para sua carrasca. Ele fará de tudo para atormentá-la, inclusive com casamento para evitar problemas quanto à paternidade de seu filho, pondo-a em isolamento. Coração orgulhoso partido é dose !!!

    ResponderExcluir