sábado, agosto 10, 2013

Ciao!!!



Soltar Beta no sebo, com qualquer recurso orçamentário e tempo pra garaimpar: dá nisso. Saio comprando tudo que vejo – e muitas vezes nem entendo o por quê (vicio por livros no modo sem explicação). Este livro veio no embalo de outros e ainda tem uma história de Penny Jordan, Retrato de um pecado.

O enigma da serpente - Annabel Murray - Sabrina Especial Edição de Férias 2 histórias 3
(The plumed serpent - 1986 - Mills & Boon)
Personagens: Josslyn Ransome e Juan de Grijalva

Josslyn viajou para o México disposta a fazer o trabalho que o pai não pode realizar: um livro com fotografias do povo e da cultura do país. Ela queria fazer a viagem sozinha, seguindo a intuição, mas foi obrigada a ter um guia: Juan de Grijalva, meio mexicano meio irlandês. Os dois se detestaram à primeira vista, se interessaram em seguida e se magoaram. Ela achou que poderia deixá-lo para trás, mas tem coisas que simplesmente se recusam a ficar no passado e voltam cobrando solução.

Comentários:

- Oh, Deus, outro daqueles livros onde “mulher liberada” é sinônimo de fazer bobagens. Josslyn foi terminar o projeto do pai: fotos no México. E não queria um guia. Queria pegar um carro e andar pelo país seguindo a intuição dela, sem saber falar uma palavra do idioma. Só que, em 1986, não seria aconselhável para uma moça de família andar pelo país e a mãe dela, através de alguns amigos em comum da família, conseguiu um acompanhante para ela. Não me tenho informações de como era a situação política do México, mas sempre parto do princípio de conseguir ajuda quando visito algum local onde não conheço.

- É claro que ela pensa que, ao chegar no México, pode despachar o guia e sair por aí fotografando “o México como é”. No entanto, Juan de Grijalva é poderoso, tem vários contatos e cumpre a palavra. Se prometeu cuidar dela, vai cuidar, ela querendo ou não. Eles se estranham, se bicam – afinal de contas, temos o embate “mulher liberada” x “machão”, muitos preconceitos sobre temas variados, uma aula sobre a pobreza no México e sobre culturas minoritárias que acreditam em deuses como Quetzalcóatl – a Serpente Emplumada (o nome original do livro). E como a antipatia vira desejo que vira algo que escapa ao controle de ambos e pode causar até risco de morte.

- O curioso do livro é que ele começa pelo “quase final”: a festa de lançamento do livro de fotografias, quando ela manifesta claramente odiar o guia que teve na viagem. Ele ressurge dos piores pesadelos do passado dela. Então temos um flashback de mais de 90 páginas – contando tudo o que aconteceu durante a viagem ao México, como eles se aproximaram e as causas do afastamento. Eu teria gostado do livro se a o rótulo “mulher liberada” não tivesse sido usado mais uma vez para indicar uma jovem que claramente precisava de um homem para protegê-la e amá-la. Achei que faltou inteligência e bom senso à ela e uma boa dose de charme a ele. Do jeito que foi contado, serviu apenas para eu passar algumas horas... E vida que segue!

- Alguns links: Não achei posts nem em Inglês nem em Português sobre eles. Mas encontrei uma matéria sobre objetos encontrados no templo da Serpente Emplumada, além das páginas do Fantastic Fiction autora e livro.

Bacci!!!

Beta
Reações:

Um comentário :

  1. Uma leitura de passatempo situacional sem conseqüências maiores a respeito. Ok: um mexicano machista sem uma dose boa de charme não é sedutor para mim mesmo ! ^^

    ResponderExcluir