quarta-feira, junho 20, 2012

Ciao!!!

O assunto de hoje é esse time, a seleção do país do God save the Queen...


Não adianta ter um dos uniformes mais bonitos entre as seleções (o minimalismo da Umbro sempre marca pontos comigo). Esse time pode estar irritando todos com um futebol do estilo "bola na área e cabeceia pro gol, seja o que Deus quiser", mas, nos últimos anos, garantiu a animação dos tablóides britânicos. Provavelmente, seria a alegria destes programas de fofoca brasileiros...

Vou começar pelo jogador #3 *segundo agachado da esquerda para a direita* Ashley Cole. Ele era casado com uma cantora muito famosa, Cheryl Tweedy (que depois do casório passou a ser Cheryl Cole) *confesso que só conheço uma música do grupo que ela participava, Girls Aloud - Jump, do filme Simplesmente Amor*. Era aquele par dos sonhos da imprensa... Até que os tabloides descobriram que Ashley Cole tinha pulado a cerca e fizeram a festa. Pior: não só uma vez, mas VÁRIAS VEZES. E lá, como aqui, as distintas senhoritas também aproveitaram o momento de famosidade e contaram todos os detalhes dos encontros com o distino rapaz. Resultado: Cheryl terminou o casamento. Ele correu atrás, pediu perdão, disse que a amava, que estava arrependido. Tentaram reatar. Aí, os tabloides interferiram: descobriram que ele a havia traído DE NOVO. Depois dessa, não teve jeito: pé no popozão do jogador galinha.

Tá achando pouco? Deixemos o infiel compulsivo dos programas de fofoca e vamos para o caso digno de virar trama de novela. Você provavelmente já ouviu falar em um moço chamado John Terry, o #6 à esquerda do goleiro. Ele era o capitão do English Team, símbolo de raça e luta, até que a casa caiu, mesmo. Ele também traiu a mulher, Toni Terry. O detalhe foi o "com quem": Vanessa Perroncel, namorada de Wayne Bridge, melhor amigo e companheiro de equipe dele (na época do caso, tanto Terry quanto Bridge jogavam no Chelsea. Aliás, a título de curiosidade, Ashley Cole também também joga no Chelsea. Imagino o dono do time tendo um surto com o comportamento inadequado dos jogadores). E se está achando pouco, os tabloides ingleses ainda descobriram que Vanessa teria ficado grávida de Terry e abortado a criança. Ah, ainda teve o detalhe (sempre de acordo com os tabloides ingleses) de que ele teria pago pra ela ficar calada. Em uma entrevista, ela jurou que era mentira e que eles eram apenas amigos.
Quando essa bomba (e a da infidelidade do Ashley Cole) explodiu, em 2010, a Inglaterra se preparava para a Copa do Mundo da África do Sul. Tanto Terry quanto Bridge eram presenças certas na lista do técnico Fábio Capello. Então, Bridge simplesmente anunciou que renunciava ao direito de ir à Copa, para não causar desconforto à equipe (o cara é um santo, eu iria e faria a vida do outro miserável #escorpianairadamodeon). Ah, ele terminou o namoro com Vanessa Perroncel. E nos últimos anos, sempre que encontrou com Terry nos gramados (Bridge se transferiu para o Manchester City) se recusou (com razão) a fazer o protocolar aperto de mãos antes dos jogos do Campeonato Inglês DUAS vezes (veja os videos de Terry ficando no vácuo aqui e aqui). A propósito, depois de pensar e refletir muito em Dubai, Toni, a esposa, mãe dos filhos gêmeos (e muito fofos) do John Terry, o perdoou (Lynne Graham feelings). Como castigo, Terry perdeu a braçadeira de capitão da seleção, que foi para Rio Ferdinand (e para Steven Gerrard, quando Ferdinand não jogava).
Um resumo dos dois casos, com direitos as fotos, está aqui.

Dois anos depois...
(uai, tava achando que tinha acabado?)

Recentemente, não é que o John Terry conseguiu a façanha de se meter em outra confusão? Ele é acusado de racismo contra Anton Ferdinand, do Queen Park Rangers, durante um jogo do Campeonato Inglês. E o caso ganhou ainda mais repercussão porque o irmão mais velho de Anton, Rio Ferdinand, que acabei de mencionar, jogador do Manchester United e também da seleção, comprou a briga. A opinião pública pediu uma punição e por discordar disso, o técnico da seleção Fábio Capello pediu demissão (na verdade, nessa história da demissão tem mais coisa, mas o caso serviu como gota d'água). Pra completar, o substituto Roy Hodgson chamou Terry pra Eurocopa, mas não chamou Rio Ferdinand (a alegação é que ele não estaria totalmente recuperado de contusão), que ficou irritado.

Enfim, o futebol da Inglaterra não empolga, mas a vida pessoal de alguns jogadores, faz a alegria dos fofoqueiros...

Bacci!!!

Beta
Reações:

Um comentário :