domingo, junho 10, 2012

Ciao!!!






Parece que minha sina é ler a Lyn Stone na Maratona de Banca. Ou se preferirem, um incentivo para criar vergonha na cara e tirar da pilha os livros dela que estão aqui em casa. O primeiro livro dela que li foi no ano passado (e não faz parte de série – o que é um milagre em se tratando de mim). Portanto, usando o tema de junho – Histórico, período medieval – como desculpa, lá fui eu para a segunda experiência com a autora.

O pecado de Anne – Lyn Stone – Clássicos Históricos Especial 137
(Bride of Trouville – 1999 – Harlequin)
Personagens: lady Anne de Baincroft e Edouard Gillet, conde de Trouville

Anne teve que se casar com um francês, sob risco de perder a guarda do filho. Ela precisava proteger um segredo e só aceitou porque tinha certeza de que o marido não ficaria em um castelo longe de casa. O problema é que Edouard não tinha mais clima para ficar na França e ficar em um castelo afastado era uma ideia muito boa. O fato do conde ser uma pessoa cheia de normas e da fama o ter precedido leva a uma série de consequências que pode colocar em risco o casamento dos dois e a segurança de todos em Baincroft.

Comentários:

- É um livro bom, com uma história que se complicou por um motivo até simples: o problema causado pela falta de comunicação. Temos duas pessoas que acreditaram no “ouvi dizer que” e um personagem que arma a confusão, se afasta e, mesmo de longe, ainda interfere. Edouard era viúvo e claro que se espalhou que ele era a causa da morte das esposas. Anne só queria sossego, mas como a barganha do tio Hume em arrumar uma noiva para o francês deu errado (sim, eu tinha que cair em uma série, né?), agora ele partiu para a 2ª. tentativa. Com tanta gente piando de fora, não tem como um casamento dar certo, né? E olha que começou com as melhores intenções: Edouard pediu à Anne um voto de confiança para construir o relacionamento entre eles com amor. Isso não é uma coisa que você veja em outros livros.

- Só que Baincroft tinha um segredo: o herdeiro da propriedade, Robert, era surdo. Na época, além de ser um sinal de mau agouro, significaria que ele perderia o direito à propriedade por ser incapaz de governá-la. Por mais que Anne o preparasse para lidar com o mundo e mais inteligente que ele fosse – se o segredo fosse descoberto, não haveria escapatória. Então temos uma mãe leoa protegendo o filhote da ameaça representada pelo atual marido. E pagando altos preços por isso: a cena do “julgamento da bruxa” é de dar calafrios (em mim, especialmente, porque não sei nadar e quase afoguei duas vezes). Como se não bastasse, sem saber que a imagem dele comprometida pela “má fama”, o Edouard ainda colabora para piorar com algumas atitudes do tipo “sou o senhor” (umas kabongadas não fariam mal para colocar os miolos dele no lugar, sabe?). Ok, podem até ser naturais na situação, só que ele não sabia todos os lados da história e isso não ajuda. O que mais desespera é que não é por mal. Que você quer os dois juntos, mas sabe que não será possível, enquanto houver mal entendidos e que os mal entendidos não serão desfeitos porque todos temem as consequências.

- De bônus, ainda tem as coisas fofas: Robert, o filho de Anne e Henri, o filho de Edouard. Os garotos ficam amigos, se ajudam em todos os momentos. É um relacionamento fraterno bonito de ver ser construído. Enfim, vale muito a pena ler o livro.

- Como disse antes, claro que, em se tratando de mim, tinha que ser uma série, né? E tinha que ser o segundo da série (fica evidente em alguns momentos que houve algo antes. Você compreende o que acontece, mesmo sem ter lido a história anterior – foi o que aconteceu comigo). Outras curiosidades sobre o livro no Fantastic Fiction e pode ver mais sobre a autora no LdM. Se ainda estiver em dúvida, veja o que achou a Carol, do Mulheres Românticas. E a série é formada pelos seguintes livros, pelo que pesquisei:

A noiva do cavaleiro – GRH 22
O pecado de Anne – CHE 137
A Escolha de uma Mulher – CHE 105
Coragem de uma Mulher – CHE 124
A Jornada – CH 242

Bacci!!!

Beta
Reações:

5 comentários :

  1. Li a história do filho, Robert (não lembro o nome do livro). Também só percebi que era uma série depois de começar a ler... Mas o livro do filho é muito fofinho também (e o principal problema desse casal também são os maus entendidos)

    teh mais

    ResponderExcluir
  2. Oh, sapólio, eu sabia que tinha alguma coisa errada com aquela capa pelo tema desse romance !!! Aquelas duas capas gringas são lindíssimas !!! Por que diabos puseram aquela capa brasileira horrorosa que remete a uma aldeia de cidadezinha de interior de século XIX (a parte aquele decote nas costas daquele vestido) ???!!! Era série também ! Eu não sabia, mas não li esse livro ainda, mas faltam-me três volumes !!! BOLAS !!! Mas pareceu ser uma história fofíssima, então deverei rever minhas prioridades !!! ^^

    ResponderExcluir
  3. Fui até conferir o que tinha dito hahahah afinal faz muito tempo que li essa série.

    Admito... eu achei o Edouard um fofo :D

    ResponderExcluir
  4. Esse é mais um da série "Li há trocentos anos atrás, não lembro da estória mas sei que gostei." rs

    Me deu vontadinha de dar uma relida!

    Bjos!

    http://umaconversasobrelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Ah! Agora eu quero ler, mesmo com trocentos livros na pilha de leitura.rsrsrs
    O que farei? Ótimo texto, como sempre, Beta.

    bjokas

    ResponderExcluir