quinta-feira, abril 12, 2012

Ciao!!!


Seeeeeeeeeeeenta que lá vem história! A minha relação com a Diana Palmer atualmente está atiçando a minha imaginação. Se a vida tivesse trilha sonora, como nos filmes, toda vez que eu me aproximasse de um livro dela, tocaria o tema de Psicose. Sabe aquela música que anuncia que algo assustador está para acontecer? Pois é – cheguei a este estágio (cortesia da leitura de Coragem): temer o que vem pela frente. Graças a Deus, nem sempre, os temores se concretizam...

Sem Coração – Diana Palmer – Rainhas do Romance 57
(Heartless – 2009 – HQN Books)
Personagens: Graciela “Gracie” Marsh e Jason Pendleton

Gracie e Jason eram irmãos de criação, mas, de dois anos para cá, as coisas haviam mudado entre eles. E Gracie não sabia porque Jason estava estranho e nem a tirava mais para dançar nos eventos que ofereciam e compareciam na alta sociedade de San Antonio. Só que um mal-entendido o fez se sentir rejeitado e buscar uma retaliação. E nem Jason nem Gracie poderiam conceber as graves conseqüências e os riscos a que estariam expostos por causa da enorme atração não assumida entre eles.

Comentários:

- Se este livro tivesse etiqueta, viria escrito “100% Diana Palmer” com os adendos “allergy free" e "sem quaisquer efeitos colaterais pós-leitura”. Todo o estilo da autora está aqui: mocinhas puras e traumatizadas, herói intenso que faz bobagens, adversária disposta a tudo para despachar a mocinha e ficar com o mocinho, tragédia, risco de vida e ameaça para todo lado e muitos segredos para serem desmascarados.

- Parte um: casal que vai se amar, mas ainda não sabe. Para quem não se lembra (ou demorou a atinar, como eu), Jason e Gracie são os meio-irmãos de criação muito legais e compreensivos da Glory, daquela bomba chamada Coragem (sim, o título indica o grande atributo necessário para lê-lo). Lá, vemos que existe uma cumplicidade entre eles, que vai ser detalhada neste livro. Na verdade, a cumplicidade é que Jason está muito, muito, muito atraído por Gracie e não tem a menor ideia do que fazer com isso. Por isso, ele acaba indo com muita sede ao pote (em se tratando de protagonistas da DP, noooooooormal) e ela, por conta de um trauma do passado se apavora e sai correndo (em se tratando de mocinhas da DP, nenhuma novidade).

- Chega o momento em que o até então legal Jason vira o monstrinho cego obtuso da vez e vamos para a parte dois: entra na história Kitty, a modelo linda que quer casar com homem rico. É inacreditável como em um momento de total perda da capacidade de raciocínio (não sobra nada pra salvar a pátria), todo mocinho da DP se aproxima de uma criatura que qualquer um percebe que vai causar ciúme, sofrimento e confusão. E Kitty não age em doses homeopáticas, não (meu santo já não tinha ido com o da criatura e eu a teria depenado sem anestesia por causa do episódio envolvendo Mumbles). A ficha demora a cair e, quando acontece, Jason vai ter muito estrago – mas MUITO mesmo – para consertar e compensar.

- Porque Kitty, sem querer querendo contribui para a parte três: o misto “tragédia, ameaça e risco de vida”. Acontece uma coisa (que não vou contar o que é) que deixa a vida de Jason e de Gracie de pernas pro ar e fora do controle de ambos. Por incrível que pareça, é neste momento que Jason percebe e se arrepende (isso é tão lindo em se tratando de um mocinho da DP que até fiquei emocionada – e não estou debochando) do festival de lambanças que fez. Enquanto Gracie percebe que o processo de mudança na vida dela era mesmo irreversível e que ela não era mais a mesma garota protegida de antes (embora o trauma precise de um tempinho para ser superado).

- Por isso, quando se reencontram, (ela) mais forte e (ele) mais vulnerável, vão precisar lidar com os seus recém-descobertos (ou percebidos, porque sempre estiveram ali) sentimentos, necessidades e características. Para então, juntos, lidarem com o que vem pela frente – os tais segredos a serem descobertos. Porque, se você está achando que acabou, nunca deve ter lido um DP na vida. Estou por volta da página 160 e o livro tem 286: ou seja, tem muita água para rolar embaixo desta ponte e, acredite, vale a pena acompanhar a jornada de Gracie e Jason em busca um do outro e deles mesmos.

- Agora vamos a outros detalhes da história: Rodrigo e Glory merecem o troféu e a faixa “parentes inúteis com mérito”. Durante as várias crises narradas, eles só prestam apoio moral indo até os meio-irmãos encrencados uma vez. Em todas as outras menções, o casal “Maria da Penha” está viajando, não pode vir ou nem ficou sabendo (afinal de contas, diante de tanta solidariedade, acho que desistiram de avisar). E,
pooooooooxa, só tem uma mísera menção a Cash “tudibom” Grier, mas dá para entender o motivo. O Cash Grier da vez é o Kilraven, protagonista de Perigoso, o coadjuvante que você ama e quer ver em todas as cenas. Ele me fez dar risada com as tiradas (que não eram para ser) engraçadas em momentos de crise (como os duelos verbais entre ele o irmão, Jon Blackhawk) e foi promovido ao meu posto de coadjuvante xodó #2 em uma lista onde antes só tinha o #1 (que lidera com léguas de vantagem e nem preciso dizer quem é, né?) *Lembrando que sou incapaz de incluir os irmãos Hart nesta lista de coadjuvantes, porque eles possuem um universo próprio e impagável.* E, por fim, as variadas pitadas de menção à situação política mundial: rolei de rir na discussão “EUA: imperialista ou protetor de outras democracias”. E apenas eu achei que ela estava falando da Venezuela, quando citou o país que tinha um governante legal que foi retirado do poder por um ditador e vive em exílio planejando a volta da democracia ao país que tanto ama?

- A história não se passa apenas em Jacobsville, mas também em uma cidade vizinha, Comanche Wells, onde fica o rancho da família Pendleton. E, gente, preciso de um arquiteto para atualizar o meu mapa mental de Jacobsville. Fiquei estarrecida com duas informações ditas neste livro: que existe uma Universidade e um Banco na cidade! Fico imaginando a comoção que causaria a instalação de uma república de estudantes kkk E a melhor frase do livro, que comprova a pureza de espírito e profunda inocência da mocinha, é quando Gracie diz à Barbara: “isso é Jacobsville, nada assim acontece por aqui”. Tadinha, tenho mais de uma dúzia de coisas que garantem que se há um lugar no mundo dos romances onde tudo pode acontecer é a bucólica Jacobsville, no Texas.

- Enfim, Sem Coração me fez perdoar um pouco dona Diana por ter me submetido ao Coragem...

- Links: Tem a página do Fantastic Fiction do livro, o site oficial da Dona Diana. E para explicar a intrigada, complexa e enlouquecedora conexão entre os livros da autora, visitem o Romantic Girl, onde a Suelen, com uma paciência de Jó, fez um post bem explicadinho sobre a série Homens do Texas e vale ver o que ela achou sobre o livro.

Bacci!!!

Beta
Reações:

8 comentários :

  1. Ah, não, Diana Palmer de novo ?! Uma confusão colossal de mais de duzentas páginas porque aquele burro chamado Jason foi incapaz de correr para conversar com Grace quando ela fugiu ?! Ótimo ele ter-se arrependido verdadeiramente mas isso não fez com que eu quisesse ser audiência dessa mulher !!! Esses personagens dessa mulher parecem sofrer de obstrução cerebral total, tanto fêmeas quanto machos !!!

    ResponderExcluir
  2. Eu adoooro esse livro, é um dos meus xodós. Apesar na pisada na bola do Jason, acho ele um mocinho muito fofo. E siiiim, Kilraven mais uma vez rouba a cena, rs...
    Esse aí vale a pena ser lido!!!

    =)

    ResponderExcluir
  3. "allergy free~" é?
    rsrsrsrsrs
    infelizmente eu adoooooooooro as histórias da DP mesmo quando os protagonistas me fazem raiva ...
    ainda não li essa história mas quem é leitora da DP não pode encarar como surpresa as catrevagens que mocinhos realizam durante as histórias ... amei a resenha e lá vai eu garimpar atrás do livrinho...
    xau

    ResponderExcluir
  4. Pessoal,

    Já tinha comentado esse livro no blog da Lady d'Arques e vou reprodizir aqui. Mas Beta, nenhuma palavra sobre o "El General"?!

    O comentário foi o seguinte: "O Jason é uma criatura mega sem noção, preteriu a Grace pela periguete, que pela descrição tinha escrito na cara em neon vermelho que não valia nada, deixou ela humilhar a Grace e todas as pessoas que só tinham dado a ele carinho e dedicação. Eu, hein...

    Depois vem aquele perdãozinho rápido e tudo bem??? Eu ficaria com o "El General"!!!!

    Outra coisa que me deixou tiririca nesse livro foi ter notícias do Rodrigão! Cruz credo!!!!!

    Mas como tudo com a Tia Diana é uma montanha russa de emoções, tenho a dizer que esta semana li Dura Vingança. E que vingança!!!!! Finalmente mais uma mocinha que não é capacho, só vi uma até agora, a do Romance Impossível, e um mocinho que apesar de ter pisado em um saco gigante de bolas no início, pensa, raciocina diante dos fatos.

    Claro que mesmo depois de redimido ele ainda deu umas escorregadelas, mas se releva. Recomendo prá quem não quer passar raiva! kkkkk"

    Bem, esse livro me irritou, não tanto quanto o "Coragem", claro, esse é "hours concours", mas concordo com a Sil: esse pessoal deve sofrer de obstrução cerebral!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Beta, fique tranquila: como comentei antes, os mocinhos pós Rodrigo Ramirez são razoavelmente decentes (particularmente, espero que a série Callister seja traduzida no Brasil). E ainda tem aqueles que você nunca resenhou, como Jeremiah Cortez e Roarke Kilpatrick. A questão é que, como conheço Diana Palmer, prefiro saber o que os outros pensam de determinado livro antes de lê-lo ("Coragem", por exemplo, não quis nem sequer conservar em e-book). E não acho que Jason tenha sido um monstro: ele não conversou com Gracie porque estava ocupado trabalhando, e quando a sofrer, ele pode não ter tido muita dificuldade em ter sido perdoado por Gracie logo que a encontrou, mas antes disso passou semanas angustiado até conseguir resgatá-la, sofrendo não só com a sua consciência mas também com as repreensões (justificadas) de Bárbara. Acho que o livro dele é um dos casos onde realmente se vê o arrependimento, mesmo que isso não o isente de cometer outros erros.

    P.S.: até hoje eu me pergunto se a raiva que muita gente (eu inclusive) tem de Rodrigo não é porque ele não sofreu nada quando daquele rapto. Ao invés de devolvê-lo quase ileso, acho que eu o faria levar uma boa surra dos sequestradores que o manteria por pelo menos um mês no hospital, antes de finalmente tentar se entender com Glory...

    Renan.

    ResponderExcluir
  6. Menina, acabei esse livro ontem e to xingando até agora. Oh autora mais danada pra fazer mocinha traumatizada e mocinho tapado! Quer saber, gostei da Kittie, ele chutou legal a bunda da Gracie, não fosse por ela a outra ainda estava fazendo mimimi no quarto e não tinha tomado a coragem de agir como adulta.

    ResponderExcluir
  7. Agradecida pela concordância, Andrea. Perdão, Renan, mas ele estar trabalhando não isenta-o de ter sido burro de não correr atrás dela. Ele tinha uma bola de ferro acorrentada aos pés ?! NÃO !!!

    ResponderExcluir
  8. Ah, eu encontrei esse livro sem querer (urticária, urticária, urticária) não lembro-me onde (trauma, trauma,trauma) !!!

    ResponderExcluir