sábado, setembro 03, 2011




Tem que ser muito corajosa para mexer com Orgulho e Preconceito, de Jane Austen, uma história que está no panteão da Literatura Universal – personagens carismáticos, diálogos impecáveis e preciosos – se tornou uma referência para várias outras obras (O Diário de Bridget Jones é o exemplo mais famoso).
Por isso, devo admitir, Cathy Williams é muito corajosa.

Na alegria e na tristeza – Cathy Williams – Paixão 245 (O poder e a inocência 2/3)
In a want of a wife? – 2011 – Mills & Boon Modern Romance
Personagens: Lizzy Sharp e Louis Jumeau

Louis era rico e bem relacionado. A família de Lizzy era numerosa, pobre e sem noção. O amigo dele e a irmã mais velha dela estavam se apaixonando e Louis tinha sérias restrições. Quando ele e Lizzy se conhecem, faíscas voam... e não no bom sentido. Ela se sente ofendida pelas suspeitas dele. O problema é há uma atração grande entre eles. E o destino começa a conspirar para que o preconceituoso e a orgulhosa percebam como a segunda, terceira, quarta, quintas impressões costumam ser muito melhores que a primeira...

Comentários

- E não é à toa que este livro tem o selo “Escolha da Editora”. Cathy Williams assume a missão (que eu achava impossível) de escrever uma história como a de Orgulho e Preconceito, mas que aconteça no dia de hoje. A homenagem é bem vinda, mantém o espírito do livro de Jane Austen, acrescenta o tempero típico de histórias do século 21 (não estamos mais na Inglaterra vitoriana e algumas coisas estão REALMENTE diferentes em comparação), até menciona alguns diálogos (existem pessoas realmente especialistas em Jane Austen que vão saber mencionar um a um quais foram. Eu tive apenas algumas intuições...)

- O fato é que, se você conhece, deve entender que é uma homenagem que utiliza elementos de Orgulho e Preconceito, porque, como sabemos, não é possível fazer igual, né? Em uma cidade do interior da Escócia, vive a família Sharp, cuja mãe sonha em ver quatro de suas filhas casadas. A exceção é Lizzy, a segunda filha e a mais independente, que trabalha como professora em uma escola para uma comunidade desfavorecida em Londres. A filha mais velha, Rose, está envolvida com Nicholas, o arquiteto de família rica e boníssimo coração, responsável pela reforma de uma propriedade na cidade.

- O local pertencia a Louis Jumeau, amigo de Nicholas, que se abalara de Londres até ali para a) checar a quantas andava o investimento em transformar Crossfeld House em hotel b) confirmar a suspeita de que Rose Sharp era de uma família interessada no dinheiro de Nicholas. No entanto, ele fica a pé no caminho e depende da ajuda de um motociclista – os dois não se bicam de cara diante da (falta de) simpatia de Louis para exigir ajuda e a situação piora quando ele destila o veneno contra a “mercenária” família Sharp. E desde o início você pode deduzir a identidade do motociclista e já sabe que Lizzy e Louis vão se apoiar nas péssimas primeiras impressões um sobre o outro neste início de relacionamento.

- A partir daí, temos uma história que se desenrola entre Escócia e Londres, entre a “revisão de conceitos” dos protagonistas, as tramóias das irmãs metidas de Nicholas, a falta de noção da mamãe Sharp e das meninas Sharp mais novas e os protagonistas que se bicam, mas estão destinados um para o outro... Com uma fonte de inspiração tão nobre, posso garantir que é uma leitura acima da média do que costumamos encontrar por aí (com direito a ótimas risadas em alguns momentos).

- A autora não tem site oficial. Mais sobre ela no Fantastic Fiction e no eHarlequin.

- O livro é o segundo da trilogia O Poder e a Inocência - “Eles são poderosos e somente a inocência de uma mulher poderá domá-los!

1. Inocente Proibida – Sharon Kendrick – Paixão 243
2. Na alegria e na tristeza – Cathy Williams – Paixão 245
3. Auge da Paixão - Kate Hewitt - Paixão 248 - lançamento em setembro

Bacci!!!

Beta
Reações:

7 comentários :

  1. Nossa que vontade de ler essa história...Fiquei com muita com água na boca. bjk!!!

    ResponderExcluir
  2. Tenho um medo dessas histórias "inspiradas" em clássicos por causa das "bombas" que costumo ver por ai, inspiradas em versões originais muito boas. Mas sei lá, acho que leria por curiosidade mesmo =)

    teh mais.

    p.s.: Lembrei Stephenie Meyer diz que "Crepusculo", o primeiro livro, foi inspirado em "Orgulho e Preconceito". Informação irrelevante mas é só para justificar o meu "medo" com relação a algumas interpretações de clássicos...

    ResponderExcluir
  3. Nossa já gostei. Orgulho e Preconceito é meu livro (filme, série)preferido =)
    Fiquei com muita vontade de ler.

    ResponderExcluir
  4. Só pra saber, tem algum mr. Wickham, mr. Collins e lady Catherine de Bourgh (os personagens mais antipáticos do original) nesse livro?

    ResponderExcluir
  5. Oi, Beta!

    Também adorei o livro, fiquei gratamente surpreendida quando ao proceder a leitura percebi que ela estava baseada no maravilhoso "Orgulho e Preconceito". Achei a autora criativa e, concordando com você, muito corajosa!

    Renan,

    Dos personagens que você mencionou, só tem um equivalente ao Sr. Wickham. Ela se concentrou nos Bennet, Darcy e Bingley.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Eu adoro "Orgulho e Preconceito" e este livro foi um de meus interesses naquela lista de novidades. ^^

    ResponderExcluir
  7. Agora eu já aprendi, quando me interessar por um livro é só vir aqui conferir se faz parte de alguma série/trilogia ou saga. Já ia ler o livro fora de ordem kkk

    Beijos
    Luciana

    ResponderExcluir