domingo, maio 22, 2011

Imagem retirada do site Mulheres Românticas

Comprei este livro no sebo, movida pela mais profunda e irrestrita curiosidade. Afinal de contas, nunca havia ouvido falar dele. Ok, eu admito: é muita cara de pau da minha parte querer conhecer todos os livros que a Nora lançou, já que ela publica algo entre mil e um bilhão por ano (e eu tenho fé de que ainda lerei a maioria: OREMOS!)

Uma Paixão Indomável – Nora Roberts – Coleção Primeiros Sucessos 05
(Untamed – 1983 – Silhouette Romance)
Personagens: Jovilette “Jo” Wilder e Keane Prescott

O dono do circo havia morrido e agora o filho dele, que nunca tinha pisado no circo, tinha o poder de decidir o futuro da trupe. E Jo Wilder, a domadora de leões, não estava absorvendo bem as mudanças. A perda de Frank – o mais próximo que ela chegara de ter uma família após a morte dos pais. Só não contava sentir uma grande, quase incontrolável, atração pelo inimigo. E até o final da temporada itinerante, muitas coisas poderia acontecer...

Comentários:

- Coincidência 1: quando este livro chegou às minhas mãos, estava em um revival da Xuxa (não perguntem o motivo) e na época da lambança justamente da música “A gente gosta de brincar de circo, dar cambalhota, fazer palhaçada...”

- Coincidência 2: Eu adoro circo. Sou absolutamente fascinada pelo espetáculo. Acho que tem uns quatro ou cinco anos que fui pela última vez. Parece que volto a ser criança (com direito a me entupir de algodão doce).

- Agora vamos a outro ponto legal: a Nora pesquisou sobre este estilo de circo, tradicional e com animais (algo em extinção atualmente por conta do maior rigor com a presença de animais em espetáculos), a gente percebe o detalhismo na rotina de uma trupe em turnê pelos Estados Unidos e o que a rotina exige deles, dentro e fora do picadeiro.

- Apesar disso tudo, confesso que achei a história um tanto arrastada (ok, eu estava em uma maratona onde almoçar tinha virado luxo e, quando fico sem comer, me torno um monstrinho pessimamente humorado). Apesar do motivo da separação “ela é do circo. Ele é da cidade. Os mundos não se misturam e alguém terá que ceder.” Só achei a heroína muito teimosa e o herói fechado demais. Ambos tinham pré-conceitos demais sobre o outro e demoraram para interagir , trocar ideias e desfazer más impressões. Enfim, li para constar na minha lista. Pelo menos, sei que a Nora pode fazer mais que isso. E é o que me consola. Aguardo seus comentários para saber se o livro foi prejudicado pelo meu mau humor.

Bacci!!!

Beta

ps.: Pesquisando atrás da foto da capa, achei este link, da primeira publicação dele no Brasil.


Reações:

4 comentários :

  1. Amo NR , e como tantas outras autoras de romance q admiro, nem sempre ela faz óimas histórias, mais sou fãnática por ela!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Beta!

    Bem, não é segredo que eu não curto muito Nora Roberts e tenho a sensação de que não é ela quem escreve todos os livros, mas sim o grande número de "ghost writers" que ela aprisiona no porão da casa dela! kkkkkk

    Só isso explica a disparidade tão grande entre um livro e outro...

    De qualquer forma, respeito quem gosta, mas não faz meu gênero, não.

    Berijos!

    ResponderExcluir
  3. Parece uma história interessante, apesar dos contras ^^ Eu só li um livro da Nora até hoje e gostei muito! Tenho vontade de ler outras histórias =)

    ResponderExcluir
  4. Escrevendo para dizer que adorei aquela capa nova de Harlequin !

    ResponderExcluir