domingo, dezembro 12, 2010


A missão do mês de dezembro na Maratona de Banca era escolher qualquer livro de banca que tivesse a palavra “sedução” no título. Mantendo a regra que guiou a minha participação, optei por um livro que eu já tivesse em casa, mas que não tivesse lido (ou que não me lembrasse da trama). Por isso, terminei com esse, de uma escritora da qual costumo gostar e que me tira da Itália, Grécia e EUA da vida e me faz passar umas férias básicas na Austrália.

Escandalosa sedução – Miranda Lee - Bianca duplo 605
(Scandalous Seduction – 1991 - Silhouette)
Personagens: Harriet Weatherspoon e Brad Barrington

Ai, de novo, a mãe de Harriet tentava se intrometer na vida dela, dando pitacos sobre como ela deveria se vestir para atrair a atenção de um provável parceiro comercial do pai: um escritor que mudara recentemente para End’s Valley. Harriet se surpreendeu ao ver que o homem à sua frente no jantar não parecia em nada com o famoso escritor que ela vira na TV. E Brad tinha ficado interessado na jovem que não tentara impressioná-lo. Por isso, não se opôs às artimanhas da mãe casamenteira que armou um segundo encontro deles: ele leria o manuscrito de Harriet se ela o ajudasse a colocar os livros na estante. A partir daí, era por conta deles...

Comentários:

- Harriet é uma mocinha patinho feio sem ser mala, com tempero de mágoa e amargura, que estava no processo de se resolver, exceto por um detalhezinho: virgem aos 26 anos por não era deslumbrante como a irmã, Amanda (cara de pau que fugiu com o namorado dela!!!) Brad é um mocinho muy macho, sem ser grosso. Consegue ver um pouco além do óbvio: a inteligência dela chama a atenção, mas ele gostou – e muito – do que viu. E quando é acidentalmente informado - claro – não se assusta com o “detalhezinho”, na verdade, resolve tirá-lo do caminho!

- Leitura leve e interessante. História bem escrita, um pouco ingênua e, eu até diria, um tanto charmosa. A heroína patinho feio aprende a voar (e como voa). Herói com pegada – e não precisa nem demonstrar ostensivamente, você percebe isso. Mãe casamenteira sem um pingo de descrição. E tem até gatos!!!

- Caso ainda esteja em dúvida, olha onde o livro me ganhou:

Harriet recordava-se de uma passagem, quando a repórter ousara perguntar por que um escritor como ele, reconhecido internacionalmente, temperava suas obras com um erotismo que ‘beirava a pornografia’, em vez escrever algo que ‘valesse a pena’. Ele sorrira, sem se perturbar pelo tom provocativo da questão, antes de responder:


- Minha queria, tentei publicar a literatura que você e uns poucos consideram séria durante dez anos e os manuscritos ainda estão engavetados, pois não há editor que se interesse por eles. Excelentes escritores – entre os quais você quer me incluir -, autores de grandes obras, morrem de fome aos montes pelo mundo. Por isso, agora, escrevo o que o mercado exige. E quer saber de uma verdade? É muito difícil agradar os editores até se fazer sucesso.


- Porém, como se sujeitar a escrever esse tipo de livros... – a entrevistadora não pôde concluir a pergunta.


- O que quer dizer com “esse tipo de livros”? Faço literatura de ótima qualidade, de maneira simples e objetiva. Prova disso é que tenho milhares de leitores. Quanto ao resto, é o Sistema: alguns se acham no direito de decidir o que agradará ou não ao público, muitas vezes subestimando a inteligência alheia; o que irá ou não vender. Outros, de modo preconceituoso e elitista; o que é ou não é literatura; erotismo ou pornografia. Você me entendeu ou eu não fui bastante claro para os nossos telespectadores? – E terminou com outro sorriso largo.” (pág.126-127)

Nem se Miranda Lee conhecesse a turma do MSN no dia da revolta contra o preconceito alheio daria uma resposta tão direta - ou no popular, curta e grossa!!!
A edição tem outro livro: Casa dos Sonhos, de Leigh Michaels – que terá resenha futuramente no LdM!!!

Bacci!!!

Beta
Reações:

6 comentários :

  1. Adorei a resenha, fiquei com vontade de ler esse livro, se eu achar na banca, lerei com certeza!!!

    ResponderExcluir
  2. Adoreeeei! Agora vou ter que ler. E amei o texto. Miranda Lee respondeu muito bem ao preconceito. É bom guardar o texto para a próxima desavença na blogosfera literária. rsrsr

    bjokas

    ResponderExcluir
  3. Adorei a resenha, Beta!
    Pena que nunca li ele!
    Dica anotada!
    Bjus,
    Náh

    ResponderExcluir
  4. Olá Beta!

    Preciso dizer que sou apaixonada pelo blog? Bem, é a primeira vez que comento e acho interesante deixar claro que sou fã. Lindíssimo blog, leve, delicioso, diria até crocante...

    Acho que todas temos uma preferência louca, uma espécie de obsessão em relação a temas e vim te pedir o favor de me indicar os livros que você conhece onde o mocinho julga a pobre abnegada mal, jurando que está lidando com uma qualquer, e na hora H, na danada da lua-de-mel, ele descobre que abnegada combina com intocada. Adoro isso porque é um excelente tapa, eles perdem a referência. Também gostaria de livros onde o mocinho se apaixona á primeira vista pela nossa heroína e dá um jeito de conquistá-la, geralmente com uma desculpa mirabolante para um casamento de conveniência. Meu último tema preferencial são mocinhos que ficam com algum problema físico, especialmente perda da visão...

    Pedi muito, né?...rsrsrs. Sou pidona mesmo...rsrsrs

    Continuarei prestigiando seu blog maravilhoso.

    Muitos beijos carinhosíssimo.

    Ciao

    Musa

    ResponderExcluir
  5. Nossa, depois dessa resenha maravilhosa, até eu quero ler o livro, hehe!!! Gostei!!!

    ResponderExcluir
  6. Adorei a resenha, Beta!
    E tenho que concordar com a Tonks "Miranda Lee respondeu muito bem ao preconceito. É bom guardar o texto para a próxima desavença na blogosfera literária. rsrsr"

    Adorooo a Miranda! Vou passar esse pro topo da pilha de leitura!

    ResponderExcluir