sábado, agosto 28, 2010

Vamos para uma história de uma patinho feio que se vê diante de uma bênção do destino: o interesse de um renomado playboy internacional. Ela sabia que não era bem nela que ele estava interessado, mas não seria pecado tirar umas casquinhas e se tornar um patinho feio mais esclarecido, né? Eis uma forma um tanto exótica de resumir esta história que foi lida sem pausas num sábado frio e em meio às crises de uma alergia ao tempo de inverno...

A Arte da Sedução – Ann Major – Desejo 84
(Mistress for a month – 2008 – Silhouette Desire)
Personagens: Amelia Weatherbee e Remy de Fournier

Tia Tate tinha morrido e deixado para Amelia, sua sobrinha favorita um vinhedo e um château na região de Provença e um quadro de Matisse, que deveria ser doado para algum museu. O lugar era palco de ótimas lembranças da adolescência de Amelia, que precisou largar sua vida no Havaí para satisfazer os últimos desejos de sua tia... A herança era cobiçada pela primeira esposa do conde que enviara o filho para negociar tudo a qualquer preço e se livrar da lembrança daquela mulher que ousara não disfarçar o amor que sentiu pelo conde. Remy se aproximou dela em Londres, por “acidente”, mas terminou surpreendido pela esperteza de Amelia, que fez uma exigência inesperada – venderia o Château Serene e parte da herança pelo preço que ele estabelecesse, desde que ele a ensinasse a arte da sedução por um mês... Seria um desafio e tanto para ambos, que não esperavam algumas reviravoltas que o destino reservava para eles...

Comentários:

- Amelia é patinho feio conformado. Sempre em segundo plano. Sempre em desvantagem – a mãe não cansava de dizer que preferia a irmã mais velha, Carol, essa sim, mais bonita, mais elegante e casada com um Lorde! Amelia era noiva de um rapaz bonito, mas que não valia um vintém furado... E se decepcionou com ele. Ao ser abordada por Remy em Londres, demorou, mas reconheceu o ex-piloto de F1, conde francês e conquistador renomado e um plano singelo para recuperar a autoestima se formou em sua mente: convencer o francês a ensiná-la a ser uma amante sedutora. Em troca, não criaria transtornos ao vender a parte que Tia Tate tinha determinado da herança.

- Remy foi surpreendido. Primeiro não imaginou que ela o reconheceria. Segundo, muito menos que ela sugeria se tornar amante dele por um mês em troca de facilitar a volta da herança para a família da mãe dele. E em nenhum momento, Remy sentiu malícia da parte dela, apenas uma vontade de aprender a ser alguém diferente de quem era e de quem todos a julgavam ser. A segundo plano. A inferior. E quando os dois se juntam... é nitroglicerina pura! Remy fazia com que Amelia fosse muito melhor do que pensava ser. E Amélia o entendia, sem julgá-lo, como ninguém (ele tinha os próprios demônios, que não eram poucos, a assombrá-lo interna e publicamente). Ele não tinha que provar nada a ela, apenas desfrutarem bons momentos juntos...

- Recomendo o livro por ser sexy, por ser denso, por saber curar as feridas de um patinho feio e de um príncipe encantado traumatizado. E isso tratado de forma decente pela autora, sem sentimentos-relâmpago. Ainda mais porque eles tentam ser “sensatos” mas acabam se apaixonando. E é ótimo ver Remy querendo protegê-la do escarcéu armado em volta porque ele ainda era assunto para os tablóides de fofocas... Sinceramente, amei!

Bacci!!!

Beta
Reações:

3 comentários :

  1. Oi! Quando vi esse livro não tive curiosidade de ler, mas depois da sua resenha fui ontem mesmo procurar na banca de livros usados e ele estava lá me esperando, vou terminar o livro que estou lendo e pego ele depois, vai furar a fila dos livros, que ontem aumentou muito, e eu com pouco tempo para ler, fico só na vontade, tendo levar para o trabalho para ler em algum momento que não estou fazendo nada, mas todos ficam contra, e eu não consigo ter um minuto de paz. Adoro suas resenhas, desculpe momento desabafo. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Acabei de ler hoje. Adorei, livro com uma estóra bonita, deconstrução de um romance. Quem não gostair de ter uma históra parecida? Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ciao, Ili!

    Pois é, a princípio, nem capa nem o resumo não me chamaram tanto a atenção, aí peguei sem compromisso, comecei a ler... e deu nisso que contei na resenha. Gostei do livro ter uma história bem contada que acontece por caminhos diferentes do "habitual".

    Bacci!!!

    ResponderExcluir