sexta-feira, junho 18, 2010


Desta vez, o Jessica 2 Histórias embarca numa aventura de romance à francesa. A nacionalidade dos protagonistas serve para tirar as heroínas do prumo e mudar suas vidas para sempre – elas querendo ou não!




Núpcias de vingança – Sara Craven – Jessica 2 Histórias 117
(In the millionaire’s possession – 2005 – Mills & Boon)
Personagens: Helen Frayne e Marc Delaroche


Era a última esperança de Helen para salvar a Casa Monteagle: ter o pedido de apoio aceito pela Restauration International. No entanto, ela foi duramente sabatinada por um dos integrantes do conselho, um francês que ajudou a implodir o sonho dela de manter a residência da família. E, por isso, foi uma surpresa quando ele bateu à sua porta, querendo conhecer o imóvel, para fechar a visita com uma proposta indecorosa. Ao ser recusado, se sentiu desafiado: Helen não teria chance porque Marc a queria e não iria desistir.


Comentários:


- Hn. Hunf. Er... Estou em dúvida. Irritante ou enervante. Seria estressante. Talvez tudo junto, misturado. Também pode ser que eu estava assim e simplesmente transferi meu humor para o livro.


- O fato é que a história não me convenceu. A heroína é uma mala de uma nota só: “Quero salvar Monteagle!” Se você dá bom dia a ela, a resposta é: “Quero salvar Monteagle!” Se perguntar sobre o clima, horóscopo, Copa do Mundo, crise no Oriente Médio, dengue, gripe H1N1, novela nova, ela te diz: “Quero salvar Monteagle!” Nem precisou chegar ao meio do livro para eu torcer que o vulcão islandês implodisse a famigerada e irritante casa com a dona mala de bônus!


- E Marc também não ajuda. Não encanta nem seduz de forma positiva: parece um predador brincando enquanto caça a presa. Como gostar de um homem assim? Não é charme, nem sexy na minha opinião. Mas como eu disse lá no início: talvez a culpa seja minha, com estes padrões idealizados de desenho da Disney! Affe!


Noite de paixão – Abby Green – Jessica 2 Histórias 117
(The french tycoon’s pregnant mistress – 2009 – Mills & Boon)
Personagens: Alana Cusack e Pascal Lévêque


O clima de disputa do famoso torneio Six Nations de Rugby não era nada comparado à tensão que Alana sentia perto de Pascal. Ela estava ali para trabalhar, cobrindo o evento para uma TV, não para embarcar em um jogo de sedução com um homem misterioso e poderoso. Alana já teve a cota de sofrimento e desgaste com o primeiro marido, além de ter sido julgada por um país que não sabia todos os detalhes. Pascal até estava curioso, mas, como não investia para perder, sabia que a teria em sua cama... Era apenas uma questão de tempo.


Comentários:


- Ok, o mau humor da história anterior impediu que eu me divertisse logo de cara com esta parte do livro, mesmo ele tocando em um tema que me interessa: jornalistas esportivas.


- Alana é a viúva de um jogador irlandês de Rugby – na verdade, Ryan era “o cara” do time – e tornou-se consenso de que ela o inspirava e trazia boa sorte à Irlanda. Até que, sem explicações públicas, ela o abandonou e, com ela, foi-se a sorte do time. Quando ele morreu em um acidente, depois do divórcio, ela se tornou “a culpada” pela perda prematura de um herói nacional.


- Tempo passa, ela se recuperou trabalhando como repórter (contratada, a princípio, pela fama de “ex-esposa”) e atraiu a atenção de um dos patrocinadores da equipe francesa. Ela tentou rejeitá-lo e continuou sendo “caçada” por ele. Pascal se esmera em seduzi-la – mesmo com todos os motivos para a reticência dela. Uma hora, Alana não conseguiria resistir e dizer não para sempre – e era isso que Pascal esperava.


- Claro que nem tudo será sensualidade e paixão. O segredo de Alana vem à tona da pior maneira para uma jornalista e ainda pior para uma pessoa que viveu o fracasso de uma relação com um homem aparentemente perfeito. E para piorar, ela reage de uma forma que agrava a situação (e não vou condená-la, no lugar dela, eu teria feito pior).E a partir daí, seja lá o que há entre Alana e Pascal passará pelo primeiro de alguns testes definitivos para o futuro...


Bacci!!!


Beta
Reações:

4 comentários :

  1. Olha, Beta, achei essas histórias chatinhas. A primeira, então, ô mulher mala, chata e bobona! Confesso que pulei umas páginas prá chegar logo no final e não fez diferença nenhuma.

    A segunda podia ter sido melhor, o mote da história era bom, mas a autora não desenvolveu muito bem. Deu prá passar o tempo.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Não li ainda, vou dar uma procurada pra ver o que acho deles ...

    ResponderExcluir
  3. Andrea

    A primeira me tirou do sério, fiquei louca de raiva com aquela criatura. E acho que isso atrapalhou a leitura da segunda, porque eu estava me sentindo injusta com o texto (ainda influenciada pela 1a. parte irritante).

    Enfim, esse não faz falta... Mas na minha opinião, pode ter alguém que pense diferente de nós...

    Bacci!!!

    Beta

    ResponderExcluir
  4. Lady Marinah

    Isso mesmo. Será interessante ter uma opinião diversa da minha. Afinal de contas, a resenha deste livro foi totalmente comprometida pela irritação que senti com a 1a. história.

    Depois volte aqui e diga o que você achou, por favor.

    Bacci!!!

    Beta

    ResponderExcluir