domingo, maio 02, 2010

Ciao!!!


Este livro é a prova de como as pessoas me vêem e do que esperam do LdM. Sério. Estava Beta feliz e contente no sebo, procurando livros para completar a lista da Maratona de Banca – precisava desesperadamente de algo escrito por uma autora brasileira. Até que achei umas opções e pedi opinião. Quando já tinha feito a minha escolha (basta olhar a minha lista), eis que a Ziláh, dona do sebo, me apronta essa:
- Leva esse.
E eu, de nariz torcido pro livro:
- Sei não. Eu não fui com a cara dele...
- Leva, por minha conta e risco.
- Olha lá, acho que não vou gostar.
- Eu sei. Estou esperando por isso!!!
Como assim?! As pessoas agora me indicam livros que sabem que não vou gostar só pra terem resenhas pessimamente humoradas e divertidas. Jura? Isso é maldade com minha diversão favorita nas horas de folga!

Corações Rebeldes – Ana Vera Lemos – Coleção Doces Momentos 17
(Corações Rebeldes – não achei ano da publicação – Editora Escala)
Personagens: Daniela Rodrigues, Beatriz Correia e Neide Barbosa.

Três amigas que estudam no Colégio e Curso Millennium fazem os planos para o baile do fim de semana. Beatriz era exuberante, Neide era a garota normal e Daniela era a patinho feio por excelência (cabelo comprido, roupas deselegantes, óculos). E é justamente Daniela quem sugere uma aposta: as três deveriam se esforçar para perder a virgindade da forma mais excitante possível. Vence a que conseguir a melhor história para contar às outras. A partir daí, elas saem à caça de quem seriam os melhores acompanhantes e usam todos os truques para convencê-los e seduzi-los para serem a vencedora na competição.

Comentários.

- Er... Jura que preciso comentar? Preciso, né? Aff... Vamos lá. Eu tenho “Sensor-Aranha”, sabe aquele instinto que avisa ao Peter Parker que ele está em perigo? O meu também emite avisos quanto a pessoas duvidosas, livros ruins e encrencas afins. O “Sensor-Aranha” avisou e não estava errado.

- O problema do livro é que não tem história. Da aposta para a consumação é menos de um pulo. Daniela decide pagar o astro do futebol para ser seu acompanhante. Os dois se entendem e acabam dormindo juntos. Beatriz decide seduzir o professor Serafim, porque está cansada dos rapazes inexperientes. E Neide, que até tinha um acompanhante (o certinho Pedro) corre atrás de Jessé, o bad boy local. Entre sonhos eróticos, pegações em locais ermos e consumação na cama dentro de casa, as garotas gostam tanto do desafio que se vêem diante de várias reformulações do plano original (personagens mudam a forma de ver e viver a vida depois da experiência), entre elas, a principal: deveriam ou não manter a aposta?

- Acho que este tema daria história se tivesse evoluído de forma a equilibrar os detalhes da trama (eu confesso que não entendi em que época se passa a história: década de 50, 60, 70, 80, 90, 00? Só entendi que era em uma cidade do interior.) fazendo que o ponto alto da aposta – a perda da virgindade das três protagonistas – fosse uma conseqüência natural. Do jeito que foi, parece que o livro tem as três cenas (mais o sonho erótico de Beatriz) e um bando de coisas antes, entre e depois só pra dar o número de 128 páginas necessárias para a publicação – ou menos, se você considerar aquelas duas páginas depois de cada capítulo, onde estava algo como:

”Aceitará Tomás a proposta feita por Daniela, mesmo que isso signifique ‘queimar seu filme’ na escola? O que Neide e Beatriz têm em mente para vencer a aposta? Qual das três está disposta a ir mais longe nesta aventura?” (final cap.1 – pág. 25)

“Capítulo 2 – Jogo Perigoso: Beatriz e Neide elaboram seus planos para o baile. Beatriz tem um sonho erótico com seu professor e decide encontrar uma forma de levá-lo ao baile. Neide encanta-se com o rebelde sem causa da cidade, tentando conquistá-lo.” (pag 27, antes do cap. 2)

História = zero.
Suspense = zero.
Tédio = mil.
Pedido de socorro = vários, em diferentes línguas.

- Lá pelas tantas fiquei imaginando porque estava com um livro que mais parecia Coleção Vaga-Lume (mas devo fazer a ressalva de que os livros da Coleção Vaga-Lume têm história com início, meio e fim e por serem literatura infanto-juvenil são extremamente comportados) na Luz Vermelha daqueles programas para menores que passam de madrugada (imagem sem conteúdo), aí me lembrei de que foi uma indicação que terá seu preço... Depois dessa, eu mereço desconto ou prioridade nos livros que chegarem no sebo, não concordam? Porque no fundo, o livro não é bom (eu já sabia), nem tão ruim (talvez porque eu não esperava nada exorbitante dele), é assim-assim - o que significa que eu irei esquecê-lo antes de virar a esquina da galeria do sebo.

- Ah, desculpa se vocês esperavam algo no gênero Mulherzinha Escorpiana Irada, mas até ele entendeu que é crueldade ser mais dura com um livro que nada mais é desculpa para três adolescentes realizarem suas fantasias enquanto perdem a virgindade. Não tem trama, não tem vilão, não tem por quem torcer ou o que recriminar. Ah, espero que eu tenha dado apenas a falta de sorte de ter encontrado um trabalho menor da autora. Afinal de contas, não faltam exemplos no LdM de livros ruins de pai, mãe, avó, avô e árvore genealógica completinha, não é privilégio ou demérito da nacionalidade da autora.

- E no fundo, serve como lição: não brigo com a minha intuição. Não sou de fazer isso. É só mais uma prova de que posso comprar livro pela capa ou pelo resumo, mas sempre com o aval dela. Ela erra, claro que era, mas me poupa de cada coisa... XD

Bacci!!!

Beta
Reações:

3 comentários :

  1. Oi, Roberta!

    Já peguei livros para ler que me indicaram que não passei nem do primeiro capítulo, mas como queria saber como terminava a história, fiz uma leitura dinâmica pulando várias páginas, e decidi se alguém me indicar o livro vou pensar muito antes de levar, para não ficar decepcionada.
    Ili

    ResponderExcluir
  2. Ciao, Ili!

    Em casos assim, eu faço pelo bem do LdM :D E tento fugir deles nas próximas vezes XD

    Bacci!!!

    Beta

    ResponderExcluir
  3. Pior do que voce ler uma história horrorosa oferecida por alguém é vc ler essa história por escolha própria kkk um belo dia estou eu no sebo (também sou frequentadora assidua) e lá vejo o dito cujo, claro como toda boa apreciadora de LDM fui direto no resumo até que a história parecia ser boa... mas pra minha decepção na 4ª ou 5ª página descobri que a porcaria do livro era um plagio de uma autora americana... fiquei fula da vida por que eu não só ja tinha lido aquela história como tinha o livro verdadeiro... Só pra constar tenho uma coleção enorme... mas voltando ao asssunto odiei o livro que era uma publicação da ESCALA... nunca mais passei perto e não sei se há boas autoras(res) brasileiras, mas fiquei com um (talvez dois ririri) pé atrás, quando se trata de livros estilo LDM de autoria nacional.

    ResponderExcluir