sexta-feira, abril 02, 2010

Chance de recomeço – que começam de forma errada ou por motivos equivocados. Este é o tema destas duas histórias publicadas no Jéssica 109. Como sempre, vamos acompanhar o raciocínio torto e (se Deus quiser) aprendizado de dois espécimes italiano e grego. Respira fundo e vamos lá!

Passado imperdoável – Lucy Gordon – Harlequin Jéssica 2 Histórias 109
(The Italian’s passionate revenge – 2008 – Mills & Boon Modern Romance)
Personagens: Elise Carlton e Vincente Farnese

Depois de tantos anos de procura, Vincente conseguira localizar Elise e, agora que ela estava viúva, não mediria esforços para conquistá-la e completar seu plano. Elise não escondia o alívio com a morte do marido e pensava ter ficado livre do fardo que o casamento lhe trouxera, até se vê à mercê da corte e sedução implacável de um italiano de arrasar corações, até o dela que parecia estar ferido e havia desistido de amar. Só que ainda havia uma ameaça ao recomeço de Elise – e Vincente não estava disposto a ser o herói, mas o carrasco.

Comentários:

- Elise passou a vida nas mãos de homens cruéis. Ben se aproveitara do “deslize” cometido pelo pai dela para chantageá-la a se casar com ele (que a desejava e queria tê-la a todo custo) e a separou de Angelo, o jovem italiano por quem ela se apaixonava durante a temporada de estudos em Roma. Tempos depois, Elise descobriu que a dor da separação havia causado a morte de Ângelo – o que a traumatizou ainda mais. Para completar, ela perdeu o pai meses antes da morte do marido. A alegria de se livrar do carrasco que só queria exibi-la como esposa-troféu nem compensou. E foi neste estado de espírito que Elise começou a ser cercada por Vincente Farnese.

- Antes de mais nada, permitam-me um momento “minhoca na cabeça”: cismei com o nome do protagonista. Sério. Vincente não me parece o nome de um italiano de uma próspera família romana. Vincenzo é italiano, Vincent é a forma americana de falar. Ok, a origem de todos é o Latim: “aquele que sempre vence”. Mas que eu cismei, cismei...

- Vincente queria vingança e Elise era sua presa. Ele fez tudo para que ela abrisse a alma para ele – e acabou descobrindo por que ela foi embora de Roma, que ela não queria deixar Angelo, que ela não gostava de ser a esposa-troféu de Ben. Quando a verdade veio à tona, faltou sensibilidade a ele para lidar com a dor dela, os traumas dela. E ele ainda teve a audácia de ficar magoado quando as conseqüências acabaram unindo os dois e ela se recusava a confiar nele – voltara a agir como uma esposa-troféu, algo que aprendera bem de mais em seu desastroso primeiro casamento e poderia praticar à vontade com Vincente.

- No final das contas, coitada da Elise: o pai pisou na bola e a colocou à mercê de um homem nojento obcecado por ela. O mesmo homem que a separou do seu grande amor de juventude, Angelo, que também não fora totalmente sincero com ela. A morte dele colocou Vincente à caça dela. Todos a abandonaram à mercê do inimigo, como se ela fosse culpada por ser jovem, por ser bonita, por ser mulher e pelo descontrole de todos eles. Sinceramente, Elise é uma santa. E Vincente deveria beijar o chão que ela pisa até que a morte os separe.

- E não vou reclamar mais porque finalmente li um livro que se passa na Itália e que não é na Sicília (apesar de citar a ilha em um momento da trama).

Doce Regresso – Anne McAllister - Harlequin Jéssica 2 Histórias 109
(Antonides Forbidden Wife – 2008 – Mills & Boon Modern Romance)
Personagens: Ally Maruyama e Petros Antonides

Tantos anos depois, Ally está de volta com um objetivo: precisa do divórcio para seguir com a vida. O problema era que seu marido – o ex-surfista e atual presidente de uma companhia familiar – Petros (a quem ela só chamava de PJ) achou muito interessante ter uma esposa. E a família grega dele simplesmente amou. Então, divórcio pra quê??? Só precisava convencê-la a mudar os planos dela...

Comentários:

- Imagina uma havaiana, de ascendência japonesa, tentando escapar de tudo que o seu pai planejou para ela. A saída é se casar para receber a herança da avó e ser livre para tomar suas decisões. Para isso, ela convenceu o amigo “rato de praia” a se casar com ela – e ainda sob a forte emoção da rejeição do pai, eles tiveram uma noite de núpcias. A partir disso, cada um seguiu seu caminho para “se encontrar”. Cinco anos mais tarde, eles tiveram um rápido reencontro que não correu bem. E agora, outros cinco anos depois, Ally reaparece na vida de PJ: vai ao escritório dele nos Estados Unidos, se apresenta como “sra. Antonides” e entrega os papéis do divórcio para que ele a libere para se casar com outro rapaz, que era bonzinho e legal e, o melhor, aprovado pelo pai dela, que estava doente.

- Se você já viu o filme “Casamento Grego” se lembrará dele ao ler esta história. Então PJ não impede que a família dele descubra a existência dela e, antes que Ally se dê conta, está cercada por uma horda de gregos e gregas delirantemente felizes porque o menino ainda solteiro realmente se casou (afinal de contas, nenhum deles acreditava na existência de uma esposa que eles nunca tinham visto antes). E dá-lhe irmã superprotetora invadindo encontro dos dois; uma verdadeira multidão os aguardando na porta de casa e uma conversa daquelas de deixar qualquer um sem saber o que dizer com a Yiayia que tudo percebe, em especial, o que os jovens tolos não entendem...

- Ah, sim, no caminho para o final feliz, há um contratempo, mas nada que não possa ser superado, por duas pessoas que eram amigas e se casaram e ficaram tempão sem se verem, mas sabem que se tentarem podem dar certo juntas...

- E devo fazer uma menção honrosa: finalmente um livro com um herói grego legal. Ok, ele tem as famosas características, em especial, fazer as coisas sem se dignar a dar explicação, mas ele é tão fofo, tão romântico, tão enfastiado daquele bando atrás dele o tempo todo (deu pena quando ele diz que não conseguiu privacidade nem no útero porque a gêmea não parava de falar na cabeça dele XD). E para quem gosta, um herói grego legal que é surfista. Realmente, este livro me surpreendeu de forma muito positivo.

Bacci!!!

Beta
Reações:

3 comentários :

  1. Adorei os comentários Beta. E Parabéns o Blog tá lindíssimo!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Beta,

    Tenho esse livro e só li a primeira história, da Elise e do Vincente. O que achei legal nessa é que a Elise dá um belo gelo nele (pelo que lembro, ela engravida, casa, tem o filho, e nada de "liberar" pra ele, rss), e dá cada respostada que me faz rir muito. Gostei de ver como eles se entendem depois de tudo, mas gostei da pisadinha que ela dá até chegar a isso...rsss

    ResponderExcluir
  3. Um grego legal?? Meu Deus, preciso ler esse! hahahaha
    Sinceramente, já me desiludi com os gregos, eles não são pra mim. Um siciliano ainda vai às vezes... =))

    ResponderExcluir