quarta-feira, setembro 02, 2009

* atenção - Literatura de Mulherzinha adverte: um post com tietagem explícita e excessiva dose de comentários sem noção (resultados de outra noite de insônia) *

by Tonks - OBRIGADA!!!!

Sei que demorou um pouco mais que o previsto, mas eu estava tentando me controlar para não fazer uma avaliação descaradamente parcial e totalmente influenciada pelo filme, mais que o livro. Explicando a história, ou pelo menos tentando: eu li Código da Vinci e gostei muito, levando-se em conta que um livro é uma baita trama "Ah, tá!" (aquela cheia de coisas surreais, que você assiste ou lê e fala aquele um tanto debochado "Ah, tá!"). Só que, como eu disse no post dedicado ao livro, eu gostei do protagonista - o professor Robert Langdon é uma Enciclopédia Brittanica ambulante - ele sempre tem informações privilegiadas e esclarecidas sobre a encrenca do momento. E como são coisas específicas, só resta a você acreditar que o cara é um gênio (cercado por uma trama delirante e mega "Ah, tá!", mas ainda assim um gênio). Por causa disso, quis ler o outro livro com ele - e foi desta forma que cheguei a Anjos e Demônios.




Para completar, eu li na época que o Papa João Paulo II morreu, então, eu estava me sentindo a rainha do Conclave, porque Dan Brown descreveu exatamente os procedimentos que são adotados nesse período. Só que o livro não era meu, peguei emprestado com uma amiga. Desde então, prometi que o compraria para mim, mas outros foram passando na frente - tanto romances quanto livros (e ninguém atinou que era uma baita opção de presente para me dar chuif...)

Enfim, só neste ano, pouco antes do filme chegar ao cinema, o encontrei na livraria numa promoção simpática e, pronto, problema resolvido.

Anjos e demônios - Dan Brown - Sextante
(Angels & Demons - 2000)
personagens: Robert Langdon e Vittoria Vetra

Robert Langdon não acreditou quando viu no fax evidências de que os Illuminati, uma organização inimiga da Igreja Católica, estava de volta e agindo em pleno século XXI. E as evidências apontam um complô aproveitando um momento de fragilidade: a morte do Papa e o período de escolha do sucessor atraem a atenção da mídia e do mundo - é a melhor hora para destruir a Igreja Católica. E o professor está numa corrida contra o tempo para evitar assassinatos e uma tragédia ainda maior, na disputa entre fé e ciência.

Comentários nada a ver (estratégia para evitar spoilers) sobre o livro e o filme:

- O filme resumiu muito a história do livro, privilegiando a ação (ainda bem que nos poupou no cinema de algumas maluquices que o Dan Brown descreveu, nem o termo "Ah, tá!" explicaria. Sério) e praticamente ignorou uma parte que é fundamental no livro. No entanto, precisa ler para entender. Com certeza, o estúdio não quis o cansaço de comprar uma briga que nem deveria existir: o livro deixa claro que a polêmica é vazia. Por isso, o filme optou por privilegiar o complô contra a Igreja Católica e ainda assim diminuir o papel de vilão atribuído à Ciência.

- O camerlengo - personagem vital na trama - foi outro personagem que sofreu mudanças: no livro, ele se chama Carlo Ventresca, é um jovem órfão siciliano de Palermo. No filme, ele é irlandês, de Ulster e se chama Patrick McKenna e é interpretado pelo Ewan McGregor, escocês (pausa para o chilique de tiete).

- *comentário censurado pelo pouco de bom senso que ainda restou em mim.*

- A trama é: mais uma vez a paz mundial está ameaçada. Agora, a insegurança é atribuída aos Illuminati, grupo inimigo da Igreja Católica, que começou a executar um plano arriscado de destruição total do Vaticano e do que ele representa. Para isso, se aproveita da morte do Papa, da Sé Vacante e de uma criação de cientistas - que ousaram tentar imitar aquilo que Deus fez - para instituir uma corrida contra o tempo em Roma e no Vaticano, decifrando pistas em obras de arte e arquitetura para salvar vidas e, talvez, todo o mundo.

- Robert é um professor estudioso de simbologia, não é vinculado a nenhum tipo de fé. Ao lado dele, Vittoria Vetra, filha de um cientista assassinado por causa desta conspiração. Eles tentam resolver o problema em um curto espaço de tempo, tendo apoio (muito desconfiado) da Guarda Suíça e da Polícia de Roma. Aliás, Vittoria não faz o tipo mocinha chorona - adorei vê-la com raiva e, quando necessário, reagindo às demandas do pique-pega da vez.

- Eu acho que foi realmente da Vittoria que o Robert gostou (tem um parágrafo em O Código da Vinci que comenta a tristeza dele pelo afastamento de ambos). No entanto, seria muito difícil salvar o mundo e tendo uma família para colocar em risco. Jack Bauer que o diga.

- No filme: eu adoro o Tom Hanks (quer me ver chorar? Cena da ópera em Filadélfia e peninha voando em Forrest Gump). Mas ele ainda não me convenceu como o professor Langdon, que é legal e genial sem ser chato (adoro o relógio do Mickey). Tenho a impressão de que ele está engessado, dopado, no piloto automático ou com cara de que está doido pra voltar para casa (ou todas as alternativas anteriores juntas no máximo)... E quanto às atrizes... Melhor desistirem. Nos livros, as mocinhas ainda fazem alguma coisa. No filme, só correm pra lá e pra cá...

- Não lembro se ele descreveu no livro, mas os uniformes da guarda de Roma são lindos (no filme dá para ver isso e babar acintosamente)!

- Ah, sim, se Código da Vinci é um pique-pega contra o tempo em Paris e em alguns pontos da Inglaterra, Anjos e Demônios é um city-tour no mais rápido dos fast-forward pelo Vaticano e Roma. Claro que, diante do tema, a produção do filme não conseguiu autorização para rodar por muitos dias em Roma e muito menos dentro da Igreja: ponto para a turma da Direção de Arte e Cenografia. A Capela Sistina e outros locais me pareceram tão bonitos quanto sempre os imaginei.

- E numa noite de insônia cheguei a uma pergunta existencial: será que o Dan Brown e a Glória Perez são a mesma pessoa ou pelo menos se conhecem? Sério, olha as evidências: pegam temas polêmicos nada a ver um com o outro, misturam tudo numa trama sem noção que, enquanto você lê, até parece que faz sentido (se bem que nada faz sentido nas novelas da Glória Perez). Misturar acelerador de partículas com a sucessão do Papa (fora os demais desdobramentos que não posso citar para não dar spoiler) me parece muita vontade de mexer na colmeia de abelhas assassinas sem material de proteção!

- Ok, eu adoro camerlengo com jujuba (e não perguntem porque a piada é longa e acho que sou a única pessoa capaz de rir dela). Culpa do Ewan McGregor. Tenho fracos por pessoas que falam Inglês com sotaque britânico.

- Segundo as amigas que estavam comigo no cinema, a melhor frase minha vendo o filme foi "Parem de destruir essas igrejas! Estes quadros são do Renascimento!" provavelmente, entrará para a lista de coisas absurdas ditas no cinema ao lado da indignação contra abelhas no Arquivo X - o filme e da preocupação com a integridade das porcelanas chinesas enquanto o Titanic afundava (mas estas duas não são minhas, mas sou obrigada a preservar as fontes).

- E como ex-catequista (não consigo conciliar o Jornalismo com a Catequese) devo mencionar que o Dan Brown foi esperto ao eleger a Igreja como "protagonista/antagonista" nesta série, porque é sempre polêmico e, ao invés de ignorar, o Vaticano excomunga e aí cria o interesse. Eu, particularmente, não achei tanto motivo pra confusão ainda mais porque a realidade consegue sempre vencer a ficção. (E o filme tirou o contexto de uma frase e deixou de fora o principal ponto de total polêmica do livro).

- Ah, sim, no livro, a imprensa é mais atuante, invasiva e tem um papel muito, mas muito importante no desenrolar da história. No filme, ela foi mantida afastada, acompanhando de longe - bem longe - a confusão.

- Eu não aprovo rasgar livros. Em especial, nas condições citadas no livro e mostradas no filme, tá?

- Ewan McGregor falando Italiano. Ok, são poucas frases, mas... (outra pausa para tietagem descarada)... isso já valeu meu ingresso.

- Outras alterações: algumas coisas mais exibidas no livro; no filme, ficam intimistas. A base da trama foi mantida, salvo uma exceção que altera ligeiramente o final. No livro, o Papa morto não tem nome. No filme, tem. (Pio XVI, se eu me lembro direito). E no final, houve uma escolha do roteiro que parecia escrita para mim XD *Ignorem, outra piada que só eu achei graça*

- Aqui tem os resumos do próximo livro do Dan Brown que tem o professor Robert Langdon como protagonista: 1, 2, 3. E nos sites de venda: 1, 2.  E o que de mais completo foi dito sobre o livro está aqui. E clique aqui para ler o post sobre ele.

- Enfim, pra resumir, como o Código da Vinci, Anjos e Demônios (clique aqui para ler outros posts sobre o autor no LdM) não muda o mundo, mas garante um tempinho de diversão descompromissada...

- Lembrando que a ordem dos livros com Robert Landgon é:



Bacci!!!

Beta

ps.: Sim, já estou de férias. Sim, saiu o edital do Mestrado. Sim, viajo amanhã pra Curitiba, por isso, o post foi antecipado. Sim, adoraria muitos comentários. E estou de volta no dia 7 de setembro!

E dá licença, não posso desperdiçar o vistoso e perfeito trabalho da Tonks sem usar de novo!!!

Awww Ewan!!! Viva as férias e a possibilidade de ter camerlengo com jujuba!!!!!
Reações:

12 comentários :

  1. "- Ewan McGregor falando Italiano. Ok, são poucas frases, mas... (outra pausa para tietagem descarada). Isso já valeu meu ingresso."
    Hein? O quê? Ah, esqueci tudo que li até aqui.

    Beta, quando você for soltar essa bomba... prepara as pobres leitoras antes... só pra evitar a falta de ar de algumas... tipo eu. *cadê minha bombinha de asma?*

    ResponderExcluir
  2. Stefania1:56 PM

    Beta!

    como sempre vc transcreveu as minhas impressões! kkk nem parece q são suas de tão minhas q pareceram! Claro tirando fora a parte q não entendi e vc disse q não era para entender e a tietagem! kkkkkkkkkkk

    Gostei do filme, mas de longe, o livro é melhor! Me prendeu mais.. sem contar q o carmelengo engana mais no livro q no filme! kkkkkkkkkk Mas abafa...


    Claro q tipo, Dan Brown e Gloria Peres devem ter cursado faculdade juntos! kkkkkkkkkk mas compartilho a sua opinião de que, Gloria nunca faz sentido! kkkkkkk


    E quando a Igreja, nossa.. tbm, não entendi tanto piti! aloooowww ficção = ficção!!! Nada demais isso.. até pq somente alguem sem noção para levar em conta certas partes do livro né?
    kkkkkkk

    Eu juro q entrei no cimena doida, maluca para ver a cena do Robert caindo do helicoptero e usando a roupa para suavizar a queda!! kkkkkkkkk

    ixi... isso encheu de spoiller! me empolguei!! Sorry! XD lkkk


    beijos!

    E otimas férias!

    ResponderExcluir
  3. um dia ainda pego esse livro pra ler!!!!
    seu blog ta lindo!
    visite o meu:
    http://natadosromances.blogspot.com/
    pode comentar!
    bj

    ResponderExcluir
  4. Lidy,

    Não me faça comentar sobre Ewan McGregor. Devemos falar sobre a qualidade do livro... er... Bem, a história er... Ah, enfim, Roma é bonita, mas aposto contigo que Florença é muito mais. E eu não resisto a camerlengo com jujuba... kkk

    ResponderExcluir
  5. Ste!!!

    Eu gostei do livro. Já li sabendo que era um daqueles livros-pipocas, "embarque na história e divirta-se". Sobre a parte que você não entendeu, me lembra de te contar um dia no MSN...

    Ao contrário de você não estava disposta a ver a cena do Robert voando kkk Seria mega "ah, tá" pro meu gosto. Por um momento, por causa das mudanças, eu achei que eles tinham mudado TUDO mesmo... Isso naqueles instantezinhos onde eu não estava babando no Ewan <3

    Nem me fale de Glória Peres! Quando essa novela da Índia começou eu fiz um resumo pra minha mãe do que ia acontecer, misturando coisas de Explode Coração, O Clone e América kkk Não é que eu acertei algumas?

    Cá entre nós, quando os líderes da Igreja Católica viram o filme, devem ter respirado aliviados, porque a maior polêmica do livro, a que deixaria muita gente maluca foi simplesmente omitida kkk

    Espero ter ótimas férias sim... Estou viajando daqui a pouco! :)
    E torcendo pra previsão do tempo estar errada kkk Detesto frio...

    ResponderExcluir
  6. Eu sei que o rapaz não é o tópico. Mas meu coraçãozinho é fraco, sabe? hehehehehe

    "Ah, enfim, Roma é bonita, mas aposto contigo que Florença é muito mais. E eu não resisto a camerlengo com jujuba... kkk"
    Nada do que você fala a respeito de Ewan/Escócia/Itália tem algum sentido. Maaaaaas... enfim.

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Já ouvi falar do livro, mas não sabia do filme...
    bjos*

    ResponderExcluir
  8. 'indignação contra abelhas no Arquivo X - o filme '

    OPA! Explica direito essa história! Pois eu adoraria saber seus comentários sobre essa abelha infeliz. E se eu descobrir que você tem algo de eXcer, você subirá e muito em meu conceito...

    Ok. Sei que meu conceito não deve significar muito para você, mas Arquivo X significa muito para mim. E pelo visto, de tietagem você entende. ;)

    ResponderExcluir
  9. Excelente post.
    Amei!!!!
    Aproveitando tb para falar que o novo Layout tá uma graçinha!!!!
    Bjs

    p.s. Aparece lá no Ideias.....

    ResponderExcluir
  10. Milly

    Qualquer coisa que tenha a ver com Ewan McGregor, eu costumo rastrear XD E como gosto do personagem que o Tom Hanks interpreta dopado no filme, também ficaria sabendo... ;) Agora estou rastreando o lançamento em DVD pra sugerir como presente de niver XD *auge da cara de pau*

    ResponderExcluir
  11. Camis, na verdade, minha irmã e dois dos meus amigos eram mais fanáticos com a série do que eu. A diferença é que eu preferia aqueles episódios sem ligação com a trama principal (os cômicos então eram ótimos...) ou então aquele do cara que hibernava e quando acordava precisava comer fígados humanos, ugh, apesar de nojento foi bom. Tiveram dois de invasão de insetos que me deixaram sem dormir à noite. Mas eu tinha noção da trama principal, da crença do Mulder de que a verdade estava lá fora para achar a irmã e da Scully querendo provas disso.
    Quanto à abelha, bem, se é comigo e com um italiano, posso te garantir que elas entrariam em extinção logo logo XD Mas a frase indignada sobre as abelhas #$%&*@#$%#$ foi de outra amiga e rende gargalhadas incontroláveis até hoje XD
    Depois com o tempo e a trama que não andava para lugar nenhum e a saída do Mulder, acabamos perdendo o contato com a série e confesso que nem sei como acabou. E este foi um dos motivos de eu nem ter passado da primeira temporada de Lost, porque tenho a sensação de que aquilo vai acabar sem pé nem cabeça...
    Espero que isso seja suficiente para me colocar em algum lugar no seu conceito XD e volte sempre ao Literatura de Mulherzinha :D

    ResponderExcluir
  12. Barbara

    Obrigada pela visita e pelos elogios, só Deus sabe como penei para fazer a troca do layout :D
    E desculpe pela tietagem explícita, mas algo se recusa a funcionar em mim em se tratando de certos atores :D

    Bacci!

    E visitarei sim, o Idéias!

    ResponderExcluir