domingo, março 03, 2019

Ciao!


Em março, a Faro Editorial envia às livrarias histórias sobre as ressacas causadas pelo amor, história de uma mulher que ousou desafiar as normas sociais e uma análise sobre o populismo na América Latina escrita há 40 anos! Confiram!


A Faro Editorial lança este mês o novo livro do autor Julio Hermann “Até onde o amor alcança”. Julio conquistou milhares de leitores quando abriu o coração e suas cartas de amor nunca rasgadas em “Tudo o que acontece aqui dentro”, um livro sobre o amor romântico, tão raro nos dias de hoje, tão distante e tão desejado.

Já em “Até onde o amor alcança” o autor fala sobre o que aprendemos nesse percurso, os erros que cometemos, os desencontros e como lidar com as ressacas. Descobrir o exato momento em que o amor acaba, ou deixa de ser suficiente, aprender a viver sem alguém que foi nossa luz e vida. 

Um livro visceral e poético sobre amar, reconhecer o momento de cada um de nós, respeitar a individualidade do outro e seguir. Julio Hermann estampa em seus textos o coração partido que vai se reconstruir, usando de uma sinceridade e melodia capar de reverberar até nos corações mais gelados.




A Faro Editorial lança este mês o primeiro livro da escritora egípcia Nawal El Saadawi “A mulher com olhos de fogo”. Conhecida como a Simone de Beauvoir do Oriente Médio, Nawal é um dos maiores nomes na luta contra a mutilação genital feminina – terror que ela mesma sofreu na infância-, uma prática muito comum na África e em países árabes e que hoje combate a falta de prioridades da luta pelos direitos das mulheres no mundo ocidental.

Para El Saadawi,muitas lutas hoje defendidas pelas feministas deixam de lado temas que são verdadeiramente difíceis e que precisam de apoio global. Ela afirma que o feminismo não deve apagar a diversidade da luta das mulheres em culturas diferentes, e que muitas vezes os níveis de opressão sofridos pelas mulheres em países dominados pela religião e o patriarcado não podem ser tratados com um discurso raso. Para Nawal, a luta feminista é muito maior, mais dura e urgente do que as que defendemos hoje.

Baseado na história real de uma prisioneira que a autora conheceu no corredor da morte em Qanatir, “A mulher dos olhos de fogo” narra o desabafo de uma mulher que desde cedo descobriu que havia um preço a se pagar por ser mulher, e que, quando pôde,se rebelou contra isso. 
Firdaus era uma camponesa, que ainda pequena só conheceu a violência e a miséria imposta as mulheres em seu país. Mutilada ainda na infância, Firdaus entendia que seu papel era servir, aceitar. 

Sofreu abusos das mais variadas formas: fome, negligência, abandono,solidão,violência sexuale física, um casamento forçado com um homem 40 anos mais velho, a fuga, e a prostituição. E mesmo com tamanha miséria, com uma sina infeliz, era capaz de ver beleza no mundo e de enfrentar um mundo injusto para tomar a rédeas da própria vida. 

Mas esse pensamento teve um preço,e Firdaus decidiu pagar o preço. Ela teve coragem para ultrapassar mais uma barreira e finalmente ser livre. Não seria comandada por nenhum homem, não seria mais agredida, mesmo que tivesse que sujar suas mãos de sangue.



Esclarecedora e polêmica, esta obra foi lançada há mais de 40 anos e desde então tornou-se um guia para entender a América Latina.

Neste livro, o escritor e liberal venezuelano Carlos Rangel expõe as mazelas de um sistema falido, que é reproduzido não apenas nos países sul-americanos, mas em diversas regiões do mundo. O resultado desse sistema são gerações fracassadas devido às mesmas ideologias, incapacidades e ilusões. Rangel acusou as universidades, em sua maioria, de não fazer bem seu trabalho de educar profissionais de maneira eficiente e argumentou que a América Latina tem todas as condições para o êxito, mas que seu pecado está em não enfrentar as falhas.

O autor ainda oferece a resolução para o problema: precisamos nos livrar das sombras mentais que nos desviam de um futuro potencial e dissipar os mitos que perpetuam uma fatídica auto-opressão marcada pela perversão do estado de direito e pela racionalização que atribui aos países capitalistas a culpa pelo atraso dos países de “terceiro-mundo”.

Rangel foi um profeta que ninguém ouviu e hoje o florescimento limitado do liberalismo no Brasil tem uma grande dívida com o pensamento dele. A luta contínua para fortalecer a democracia é nutrida por suas ideias. Para o autor, a cura para todos os males é a verdadeira democracia: desordenada, pluralista, independente de manipulações e com liberdade de imprensa.

Bacci!!!

Beta
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário