sábado, julho 02, 2016

Ciao!!!


A série está bombando lá fora e se tornou uma aposta no mercado brasileiro.
Achei light, interessante e de leitura rápida. Mas ficou uma pergunta no ar...

A garota do calendário: janeiro – Audrey Carlan – Verus Editora
(Calendar Girl: January - 2015)
Personagens: Mia Saunders e o Weston Charles Channing III

Mia Saunders não teve saída: para pagar a dívida milionária do pai com um agiota, aceitou o emprego oferecido pela tia e se tornou acompanhante de luxo para clientes especialmente selecionados. Assim, em um ano, conseguiria reunir o valor e salvar não só o pai como a ela e a irmã das consequências. O primeiro cliente é um roteirista muito lindo de Malibu que queria um escudo contra as interesseiras que tentavam se aproximar. Além disso, oferecia a oportunidade de noites inesquecíveis, desde que não se apaixonasse.

Comentários:

- Confesso que aquela mente criada em uma família repleta daqueles conceitos sobre comportamento adequado feminino levou um pouco de choque com a premissa deste livro. Ainda bem que o mundo evoluiu e que histórias assim servem para a gente questionar o respeito ao livre arbítrio alheio – o que isso significa? Vida da Mia. Corpo da Mia. Escolhas da Mia. Não sou ninguém para atirar pedras nos outros (fictícios ou não).

- Sem contar que era uma daquelas situações-limites que ocorrem por aí. O pai de Mia estava muito encrencado com um agiota, que era ex-namorado dela: a dívida era de US$ 1 milhão. Por isso foi surrado e estava em coma em um hospital. Se a dívida não fosse paga, o agiota iria atrás dela e da irmã. Para proteger a irmã caçula, que estava em um bom caminho dos estudos para ser tudo o que Mia não conseguiu ser, e a si mesma, Mia aceitou a única saída que encontrou para o problema: se transformar em acompanhante de luxo, paga para permanecer ao lado do cliente e atender ao pedido dele, com direito a pagamentos adicionais em caso de ela tirar a roupa ou se rolar sexo. E com clientes especialmente selecionados – ou seja, muito ricos – para os pagamentos superem os seis dígitos e ela consiga quitar a dívida.

- Definitivamente, ninguém entra numa experiência assim para sair a mesma pessoa. É uma forma de questionar a si mesma, inclusive os tais “conceitos morais” que são impigidos às mulheres desde sempre – porque a própria Mia questiona seus atos (e em alguns momentos se condena) mesmo diante da possibilidade de alegar “sacrifício pelas pessoas que ama”.

- E o Mr. Janeiro é um espetáculo. Lindo, bronzeado, surfista, Wes Channing teria uma maratona de eventos ao lado da família e profissionais e queria um escudo contra as mulheres dispostas a tudo para “subirem na vida”. Estar acompanhando nestes compromissos era o melhor e mais seguro espanta-periguete – e ele ouviu e seguiu a voz da experiência sobre o caso. Foi assim que o caminho dele se cruzou com o de Mia.

- Por ser o primeiro cliente, Mia precisava aprender a lidar neste mundo com o qual se comprometeu por um ano. Wes era lindo, charmoso e educado. E surgiu uma intensa atração sexual entre eles que merecia – e seria – explorada, com a condição de não colocar “amor” no meio. Sem se apaixonar, ambos poderiam ter tudo e mais um pouco por quase um mês que estariam juntos.

- É uma história de leitura rápida, com as cenas quentes e descritas sem vulgaridades. Achei até light diante de outros livros por aí. E ganhou pontos comigo por não ficar enrolando com bla bla bla e ir direto ao que se propõe.

- Minha única pergunta diz respeito à sequência da série que não se chama “A Garota do Calendário” à toa. Serão 12 livros. A autora vai precisar tirar alguns coelhos da cartola para as próximas tramas não caírem na mesmice, seja do plot principal – a obrigação de pagar a dívida do pai com Blaine – ou das tramas específicas – de como Mia irá se relacionar com cada cliente. Tão grande quanto o desafio de Mia será o da autora em evitar a armadilha do “cliente –encontro–oh la la–chantagem–adeus–novo cliente” e tornar cada livro novo e sensual à sua maneira. Estou evitando em ler spoilers sobre o que vem por aí. Quero esperar e descobrir por conta própria.

Segue a lista da série. Optei por atualizar com o nome do cliente do mês à medida que os livros chegarem ao Literatura de Mulherzinha.
A garota do calendário
1 – January – Janeiro: Weston Charles Channing III
2 – February – Fevereiro: Alec Dubois
3 – March – Março: Anthony Fasano
4 – April – Abril: Mason Murphy
5 – May – Maio: Tai Niko
6 – June – Junho: Warren Shipley
7 – July – Julho: Anton Santiago
8 – August – Agosto: Maxwell Cunningham  
9 – September – Setembro
10 – October – Outubro
11 – November – Novembro
12 – December - Dezembro


Bacci!!!

Beta
Reações:

Um comentário :

  1. Ora, eu tinha pensado que eu tinha lido esta sinopse de livro erradamente quando vi-o pela livraria, mas eu confirmei em seguida que eu não estava errada ao ler sua sinopse pela segunda vez. Você confirmou meus entendimentos novamente. Bem, eu não aceito prostituição de forma alguma (o que isso é, pois é troca de sexo por dinheiro, embora seja mais substanciosa em conteúdo entre ambos !). Um horror !!!

    Todavia eu compreendo esta personagem: ser acompanhante disfarçada sem experiência para um partido disputado, para protegê-lo e salvá-lo de interesseiras por um mês, para poder salvar à irmã, ao pai, a si, sem ter culpa pela dívida milionária, foi um veneno horrível de engolir graças às suas crises de consciência quanto à sua auto-estima, mesmo com seu cliente sendo um espetáculo de homem ! Que sinuca tortuosa !!!

    ResponderExcluir