domingo, setembro 13, 2015

Ciao!!!



Put into your heart and keep it
Something that I want you to know
Do something for me
Listen to my simple story
And maybe we will have something to show

Se por acaso você estiver assim passeando casualmente por uma livraria e encontrar este livro, me prometa que vai pegá-lo imediatamente e levar até o caixa. É sério. Este livro é bom demais para ficar na livraria esperando por um leitor.
Quer saber o motivo? Senta, que lá vem história!

A voz do Arqueiro – Mia Sheridan – Editora Arqueiro (Signos do Amor)
(Archer’s voice - 2014)
Personagens: Bree Prescott e Archer Hale

Bree tinha deixado a cidade natal para trás e chegou a Pelion, no Maine, disposta a escapar de todo o sofrimento que ainda a deixava insegura, insone e infeliz. Na cidade do interior, conseguiu um chalé, um emprego e ficou curiosa a respeito de um jovem que vivia isolado de tudo e de todos. Durante a maior parte da vida, Archer Hale não interagiu além do necessário com nenhum morador de Pelion. Agora esta estranha se aproximava dele, que ficou sem saber como reagir. E é apenas o início de uma mudança drástica para Archer e Bree, o que infelizmente não evitaria novas dores no caminho para a paz e o amor que ambos (sem perceber) buscavam.

Comentários:

Como se não houvesse amanhã
Porque se você parar para pensar
Na verdade não há

- Archer e Bree são completamente diferentes e provavelmente não se conheceriam se não fossem as tragédias no caminho de ambos. Quando era criança, Archer perdeu os pais e o tio, vive isolado e carrega as sequelas de uma desgraça familiar. Um dia, ele esbarrou em uma jovem que enrusbeceu ao vê-lo enquanto apanhava os objetos que caíram da bolsa dela. Bree tinha fugido das lembranças e do sofrimento da traumática perda recente do pai. Ela largou tudo na cidade natal e saiu meio sem rumo, até decidir ficar em Pelion, no estado do Maine. Ficou próxima de uma vizinha e, por indicação dela, conseguiu um emprego e começou a conhecer as pessoas da cidade. Inclusive o “ermitão” que a deixou sem graça por observá-la em um momento desastrado sem dizer nada. Depois ela soube o motivo de ele não falar mais.

A tempestade que chega é da cor dos teus olhos
Castanhos
Então me abraça forte e diz mais uma vez que já estamos distantes de tudo
Temos nosso próprio tempo

Impelida por algo que ela nem entende, Bree descobriu onde ele morava (caminho do chalé onde ela viva) e iniciou contato. Afinal de contas, ela usou por anos a linguagem de sinais para conversar com o pai. Poderia se entender com ele, saber mais sobre o rapaz que parecia tão estranho e havia despertado o interesse dela. No início ele desconfia, mas os dois começam a construir um vínculo – afinal de contas era a primeira vez em muito tempo que alguém (incluindo familiares) prestava atenção nele – e revelam muito sobre si mesmos, medos, traumas e a solidão em que a tristeza os havia colocado.

Let you warm heands break right through m
Somebody save me
I don’t care how you do it
Just stay with me
I made this whole world shine for you
Just stay, stay
Come on, I’m still waiting for you

Claro que uma novidade como Bree atrairia a atenção de outras pessoas na cidade. Uma deles, muito lindo (como pergunta uma amiga de Bree: o que colocam na água desta cidade?), era o chefe de polícia, Travis Hale. O primo de Archer. Que demonstrou claramente interesse em mais que amizade com Bree. Outra que também passou para dar recado foi Victoria Hale, a mãe de Travis. A mulher que controlava a cidade com mãos de ferro e sem considerar o desejo dos moradores para o projeto de expansão de Pelion. E todos a temiam porque ela esmagava quem ousava contestar. Ou seja, o tipo de pessoa que, ao chegar ao inferno, até o capeta ficaria atento pra não levar uma rasteira. Tori Hale não gostou de saber que Bree despertou o interesse de Travis, nem que Bree estava interagindo com Archer. Enfim, Bree não estava na lista das favoritas da antipática manda-chuva da cidade.

I wanna have control
I wanna a perfect body
I wanna a perfect soul
I want you to notice
When I’m not around
You’re so very special
I wish I was special
But I’m a creep, I’m a weirdo
What the hell am I doing here?
I don’t belong here

É neste contexto que se desenvolve a história de amor entre Archer e Bree. Onde a comunicação não é o problema. Porque os dois se entendiam, mas precisavam superar os traumas dos próprios passados. Precisavam se ver mais do que se conformaram em ser por causa de tudo que aconteceu com eles. Archer teme não ser suficiente para Bree, porque ela viveu, estudou, se formou, enquanto ele se isolou na propriedade que herdou do tio. Porque ele nunca seria um homem como os outros. Porque ele sabia muito – e ao mesmo tempo – tão pouco sobre as pessoas e sobre sentimentos. E porque ele precisava se reconhecer finalmente como um ser por si mesmo para poder ser alguém para e por Bree. Após a tragédia, Bree precisava encontrar a paz de espírito e o consolo para lidar com a perda e voltar a se sentir livre para amar. E se Archer era o homem que ela queria, estava disposta a brigar por ele contra tudo e contra todos.

You gave it all, but I want more
And I’m waiting for you
With or without you
With or without you
I can’t live
With or without you

Tem tristeza. Tem melancolia. Tem maldade. Muita maldade. Afinal de contas, coisas ruins acontecem com pessoas boas. Há casos em que podemos atribuir ao carma, ao Maktub, a desígnios divinos, ao destino, às inexplicáveis consequências do ato de meramente existir. Entretanto, em outros, há a influência de interesses bem humanos na desgraça alheia. O desfecho de uma parte da trama me lembrou de uma sensação que tive quando li As Brumas de Avalon, quando o quebra-cabeça de todas as desgraças se completa e a gente percebe o motivo delas. Senti raiva. Muita raiva. Aqui também. Mas senti raiva das atitudes de pessoas que se achavam superiores, quando não valiam nada. Senti raiva da forma como estas pessoas agiram e de todo mal que causaram. Para vocês terem ideia, tenho um “porrete mental literário” guardado pra usar de forma indiscriminada em alguns personagens no livro do Amunzinho (sim, ainda não li, mas a intuição deixou clara a necessidade de uso sem moderação depois de ler o livro 6). Eu me vi tirando este porrete do armário e querendo invadir o livro para usar. E sabe por que dá raiva? Porque existe criatura assim na vida, na vizinhança, na família, se passando por todo-poderosa e se achando no direito de arrebentar tudo e todos que acreditam estar no seu caminho. Não é possível que pessoas assim sempre levem a melhor. Não é possível que sempre elas vão se safar. Tem que haver justiça neste mundo (#escorpianavingadorairadamodeon)

“Tento fechar os olhos e acreditar que, mesmo que eu não esteja conseguindo ver o outro lado naquele momento, e que o lado que eu esteja vendo seja feio e confuso, há uma obra-prima por trás de tantos nós e tantos fios soltos. Tento acreditar que algo bonito pode resultar de algo feio, e que chegará o momento em que conseguirei ver o que é” (p.276)

Oh, how quickly life can turn around in an instant
It feels so good to reunite
Within yourself and within your mind
Let’s find peace there
Cause when you are with me
I’m free... I’m careless... I believe

Ao mesmo tempo, o livro transborda romance, sedução, fé, esperança e amor. O afeto entre Archer e Bree é tão sólido e tão verdadeiro que você torce por ambos. Para que eles passem pela tormenta, se tornem mais fortes, mais inteiros após os buracos e vazios abertos pelo sofrimento e finalmente possam ser felizes, como sempre deveriam – e mereciam – ter sido. Não será um caminho fácil – nunca é – mas posso te garantir que a jornada ao lado deles valerá cada minuto. Nós Bree eles. Nós Archer Archer Archer eles.

Curiosamente este é o livor #4 de uma série da autora chamda Signs of Love, onde cada trama é inspirada pela mitologia de um signo. Neste caso, a lenda relacionada a Sagitário, o signo de Archer. Mas se você é do tipo que não acredita em Astrologia (que vai muuuuuuuuuuuuuuuito além das previsões nos jornais), leia assim mesmo. Não é meramente um livro sobre perfis inspirados por constelações. É um livro sobre a jornada de seres humanos buscando e encontrando a felicidade. Obviamente, quero ler todos os outros. Estou esperando por eles.

Série Signos do Amor (A Sign of Love)
1. Leo  O coração do Leão – Evie e Leo (Leão #1)
2. Leo’s chance  O Leão Ferido (lançamento de fevereiro) – Evie e Leo (Leão #2)
3. Stinger – Veneno (lançamento de julho) – Grace Hamilton e Carson Stinger (Escorpião)
4. Archer’s voice  A Voz do Arqueiro – Bree Prescott e Archer Hale (Sagitário)
5. Becoming Calder – ainda não lançado em Português – Eden e Calder (Aquário #1)
6. Finding Eden – ainda não lançado em Português – Eden e Calder (Aquário #2)
7. Kyland – ainda não lançado em Português – Tenleigh Falyn e Kyland Barrett (Touro)
8. Grayson's vow - ainda não lançado em Português - Kira Dallaire e Grayson Hawthorne (Libra)
9. Midnight Lily - ainda não lançado em Português - Holden Scott (Virgem
10. Ramsay - ainda não lançado em Português - Brogan Ramsay (Áries)




Bacci!!!

Beta

ps.: E se você ainda não leu a entrevista da Mia Sheridan no Literatura de Mulherzinha, não sabe o que está perdendo!
ps.: Gostou? Curtiu? Quer saber mais? Participe do Mia Sheridan Brasil ;)
Reações:

2 comentários :

  1. Estava esperando ansiosamente pela sua resenha Beta!
    E, como sempre, não foi uma espera vã.
    Agora, mais do que nunca, estou mega ansiosa para ler esse livro que me ganhou desde a sinopse. Mal posso esperar para comprar o meu exemplar <3

    Obrigada por compartilhar suas percepções conosco.
    Posso voltar aqui, quando ler, para contar o que eu achei?
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  2. Ora, bolas, muito obrigada por ter esclarecido minha dúvida pessoal silenciosa sobre como eu nunca havia encontrado um desses romances de Mia Sheridan pelas livrarias !!! Mas eu fiquei muito revoltada nesse momento pois odiei essa notícia sobre essa série não ter sido lançada acá !!! Oh, eu comprarei esse romance, que tem de ser lindo, assim que apanhá-lo em uma pratelerira de livraria muito certamente !!!

    ResponderExcluir