sábado, maio 10, 2014

Ciao!!!



Li este livro numa leitura a jato em uma manhã de domingo. E me perguntando: desde quando Lynne Graham resolveu escrever trama à la novela mexicana à grega?

Noiva de Verdade – Lynne Graham – Paixão 267 (A promessa de Volakis 2/2)
(Bride for real – 2011 – Mills & Boon Modern Romance)
Personagens: Tally Spencer e Sander Volakis

Tally e Sander sofreram uma perda muito grande e o casamento não resistiu à crise. Agora estavam perto de conseguir o divórcio, Tally reconstruindo a vida na Inglaterra. Mas Sander não quer deixar, não quer que o casamento acabe. O problema é que a reconciliação deles tem tantos fatores de complicação que desembolar tudo pode causar mais dor e sofrimento...

Comentários:

- Gente, quem lê os dois livros separados, talvez não assuste, mas quem lê em sequência, como eu fiz, fica assim “O quê?”. A parte 1 termina em um clima razoavelmente feliz e eu imaginei a continuidade com alguma crise no casamento. O problema é que, no prólogo, a gente já despenca sem paraquedas em uma crise fenomenal, que a família de Sander estava aproveitando para se livrar da nora que eles consideravam indigna. E eu fiquei assim: “Uai, o que aconteceu? Uai, cadê a família de comercial de margarina? Uai???”

- Ou seja, perguntas demais para a gente entender onde é que foi parar. Basicamente é isso: houve uma grande crise no casamento e a forma como cada um lidou fez com que separassem. Aí quando Tally espera o divórcio – porque embora ela queira sossego, já tem outro milionário a rondando – outra situação que escapa ao controle a força a fazer algo que ela (diz que) não queria: voltar para o marido e tentar uma reconciliação. E para completar – está achando que é fácil retomar casamento construído numa base de papel manteiga? – outra bomba ameaça a união deles (e essa é do tipo “escândalo” que os tabloides britânicos amam).

- Resmumindo: eu comparei ali em cima com novela mexicana porque tem tanta “desgraça” acontecendo em curto espaço de tempo que fica até difícil entender por onde começar a lidar. E sinceramente, entendo uma decisão tomada por Tally depois de muito sofrimento, mas não sei se eu seria capaz. O próprio Sander fala que, se fosse o contrário, ele também não tomaria e por isso a respeita. Na verdade, um casamento que começou errado, teria que sofrer muitos ajustes para dar certo, né? Tally precisava se fortalecer. Sander deixar de ser menos egoísta. E os dois encontrarem um denominador comum de convivência. Sério, terminei o livro cansada e dando graças a Deus que a história terminava aqui. Porque se fosse trilogia, precisaria de suco de maracujá pra ler. Sério.

Duo “A promessa de Volakis”
1 – Amor traído – Paixão 265
2 – Noiva de verdade – Paixão 267


Bacci!!!


Beta
Reações:

2 comentários :

  1. Uma história de um par romântico em dois volumes ???!!! Muitíssimo interessante !!! Eu não recordo de haver visto essa forma de contar uma história em qualquer lugar antes !!! Seu enredo parece-me muitíssimo interessante também: adoro família invasora assim !!!

    ResponderExcluir
  2. Livro: Amor Traído
    Sander é um playboy, babaca, preconceituoso e mulherengo. Coitada da Tally, que primeira vez traumatizante pra ela... Sander foi de uma sensibilidade de elefante! Sander não quis nem reconhecer o bebê, por ele estava tudo acabado, simplesmente porque ele não conseguiu manter o zíper da calça fechado quando encontrou a ex-namorada Oleia (teve culpa no cartório sim, se esfregando publicamente com a ex na boate onde levou a Tally poxa! Ainda se faz de ofendido?!), e nem se preocupou com isso, estupidamente mandou a Tally passear, credo! Ele nunca quis casar com ela, ele foi chantageado para isso. Maaaaas, uma coisa não se pode negar, temos que reconhecer que Sanders sempre foi brutalmente SINCERO/HONESTO em relação a tudo isso! E até o final da 1ª parte do livro ele diz com todas as letras que NÃO AMAVA a Tally, mas que seria bom marido e bom pai. E assim criaram uma relação satisfatória para ambos e o livro poderia ter terminado aí, penso eu, apesar da imaturidade do casal (20 e 25 anos eram muito jovens)!

    ResponderExcluir