quarta-feira, abril 02, 2014

Ciao!!!



Vamos para a segunda parte da entrevista exclusiva da autora Alexandra Sellers ao Literatura de Mulherzinha.  No texto que iniciou o Abril Imperdível 2014, ela deu maravilhosas respostas sobre o processo criativo envolvendo a série dos Filhos do Deserto e os livros relacionados (ou como a preguiçosa aqui chama: “a série dos sheiks”). Se não leu, dica amiga: leia o quanto antes. As respostas valem muito a pena!

Da mesma forma que na Parte 1, as referências estão numeradas e virão com as devidas explicações no PS. Assim se bateu curiosidade, basta descer a página e depois retomar a leitura. Vou deixar a pergunta em Português, a resposta original dela e uma tradução livre que eu fiz (portanto, se acharem algo errado, por favor, me avisem).

Introdução feita, vamos continuar o papo, que foi muito bom!!!

* Você escreveu livros nos últimos anos, período em que o papel social da mulher mudou. Românticas, mas dinâmicas, mães e trabalhadoras. Você acredita que os romances refletem isso?
Yes, I think that romance novels were often the conduit that carried the ideas of the Women's Revolution to ordinary women. There was a period of real upheaval in romantic novels as well as in the world, where heroines began to stand up for themselves much more, to have real careers, to know what they wanted, to choose rather than being chosen.
(Sim, eu acho que os romances eram frequentemente o canal que levou as ideias da Revolução Feminista para as mulheres comuns. Houve um período de turbulência real nos romances românticos, assim como no mundo, onde heroínas começaram a se defender muito mais, para ter uma carreira de verdade, para saber o que elas queriam, para escolher em vez de ser escolhida.)

* Você contou em seu site oficial que revisou Promessa de Vingança (1) para o lançamento em E-book. Como foi a experiência de analisar e reler algo que você escreveu 31 anos atrás?
Well, it was very interesting! I've issued three of my earliest books now as eBooks and as you appreciate, I am a very different writer now. Reading those books again I remembered the person I was when I wrote them, all the excitement and passion I channelled into my writing in those early days when everything was possible. Romance publishing then was really writer-led, and that was hugely thrilling. Nowadays it's mostly Marketing-Department-led, which is much more constricting for the writer.
And I also saw many mistakes, the mistakes that young writers make! And the biggest mistake I made back then was thinking I wasn't making any mistakes.
(Bem, foi muito interessante! Eu revisei três dos meus primeiros livros agora como eBooks como você comentou, eu sou uma escritora muito diferente agora. Lendo os livros de novo me lembrei da pessoa que eu era quando os escrevi, toda a emoção e paixão que eu canalizei para a minha escrita nos primeiros dias em que tudo era possível. Publicação de romance na época era liderado pelo escritor, e era extremamente emocionante. Hoje em dia é principalmente liderado pelo Departamento de Marketing, que é muito mais restritivo para o escritor.
E vi também muitos erros, os erros que os jovens escritores fazem! E o maior erro que eu fiz naquela época foi pensar que eu não estava cometendo nenhum erro. )

*Você quis ser algum personagem que escreveu ou leu? Qual e por quê?
You know, I always am all the characters I write, while I am writing them. I think every fiction writer must feel the same way.
(Sabe, eu sempre sou todos os personagens que escrevo, enquanto eu os estou escrevendo. Acho que todo escritor e ficção deve se sentir desta forma.)

*Para quem quer ser escritor, qual é a qualidade mais importante para ser um bom escritor na sua opinião?
Write from the heart, and then polish from the mind.
(Escreva com coração, para depois polir com a mente)

*Você está trabalhando em algum livro novo no momento?
Yes, I've mentioned already my new trilogy (or maybe more) called THE JOHARI CROWN. Joharistan is a small country that was invaded and occupied by the Kaljuks many years ago and is now fighting to win its nationhood back. But the country is rich in mineral and jewel deposits and Kaljukistan is determined to keep occupying it.
(Sim, mencionei antes minha nova trilogia – ou talvez mais – chamada THE JOHARI CROWN. Joharistan é um pequeno país que foi invadido e ocupado pelos Kaljuks há muitos anos e agora luta para reconquistar sua independência. No entanto, o país é rico em jazidas de minérios e joias e Kaljukistan está determinado a permanecer ocupando lá.)

*Li que você gosta de viajar. Você visitou o Brasil? Se não, deveria. Talvez te inspiraria em um novo livro :)
I'm sorry to say I've never visited Brazil, but I would like to one day!
(Sinto em dizer que nunca visitei o Brasil, mas adoraria ir um dia!)

*E temos algo em comum: eu amo gatos. Seu livro “Spoken Cat and Relevant Factors in Worldview” (2) não foi publicado aqui, mas gostaria de pedir que falasse sobre ele. O que a inspirou a escrever sobre a linguagem dos gatos?  O que você mais ama nos seus gatos (se for possível amar apenas uma coisa neles). E você escreveu um livro onde o gato tivesse um papel importante?
A cat named Lorna Doone is an important character in THE MAN NEXT DOOR (3) — my editor's cat! She read my story outline and asked me to cast her cat in the role (which I had originally given to a neighbour's two Siamese cats), so I did. DEAREST ENEMY (4)  has a cat who gets drunk on spilled whiskey. And FIRE IN THE WIND, the back title recently released in eBook, also has a cat. I hope I haven't forgotten any!
As for the book SPOKEN CAT, that was inspired by a desire to make people laugh.
I don't think I can find just one thing to love about cats. They are intelligent, beautiful, amazingly graceful, independent but very loving and affectionate creatures.
(Uma gata chamada Lorna Doone é uma personagem importante em THE MAN NEXT DOOR – gata da minha editora! Ela leu minha história e me pediu para escalar a gata dela no papel, que eu tinha originalmente pensado para os dois gatos siameses do vizinho, então eu fiz. DEAREST ENEMY tem um gato que fica bêbado com uísque derramado. E, Promessa de Vingança (1), relançado recentemente em e-book, também tem um gato. Espero não ter esquecido nenhum.
E sobre o livro SPOKEN CAT, fui inspirada por um desejo de fazer as pessoas rirem.
Eu não consigo achar apenas uma causa de amor pelos gatos. Eles são inteligentes, bonitos,  incrivelmente graciosos, independentes  e criaturas muito amáveis e afetuosas.)

* Para encerrar, às vezes eu ouço a pergunta/comentário “Não acredito, você é uma garota inteligente que lê isso e tem um blog sobre esse tipo de livros” como se fosse um problema ou um grande crime. No seu site oficial, há uma frase que prendeu minha atenção: “the answer is Love” (“A resposta é Amor”). Mas neste mundo maluco, rápido e avançado tecnologicamente, mas às vezes retrógrado sentimentalmente, como ser romântica e amar romances sem parecer alguém fora do tempo? 
It has always been a complete mystery to me that reading about murder, genocide, rape, war, destruction, evil psychopaths, serial killers and the like, and even viewing pornography, is considered normal and reasonable, while reading about love and healing and the ordinary human desire to find true love is considered unintelligent. I think it is partly a reflection of the values current in our very damaged and isolating society and partly that perverted male need to denigrate women—romance is an easy target because it is mostly women who read romance. I think that men are threatened by romance novels, possibly for two reasons—that they fear they can never measure up to the heroes, and because love is a feeling they often don't know how to cope with. Love is at its heart mysterious, and I think men are often made anxious by such mystery.
Measured, as you say, against the narrow, selfish and isolating elements that are now a big part of our world, love may seem to be an anachronism. But I think the reverse is true—love is the only eternal. All the rest is transient. Love is our connection to the divine—you will never reach the higher world with a phone, no matter how 'smart' that phone is. Modern technology, in my opinion, is unimportant in the broad scale of human existence and values—everything that today is new and up-to-the minute will, one day very soon, be old, out-of-date, useless. Love is forever.
(Sempre foi um completo mistério para mim que ler sobre assassinatos, genocídios, estupros, guerra, destruição, psicopatas malignos, serial killers e algo do tipo, e mesmo ver pornografia, é considerado normal e aceitável, enquanto ler sobre amor, cura, o desejo humano natural de encontrar o amor verdadeiro é considerado burro. Eu acho que é parte do reflexo dos valores atuais na nossa muito danificada e isolada sociedade e parte daquele desejo pervertido masculino de denegrir as mulheres – romance é um alvo fácil porque na maioria é lido por mulheres. Eu acho que os homens se sentem ameaçados pelos livros de romances possivelmente por duas razões – que eles temem nunca se equiparar aos heróis e porque amor é um sentimento que frequentemente eles não sabem como lidar com isso. O amor é um mistério do coração, e eu acho que os homens ficam muitas vezes ansiosos com tal mistério.
Equiparado, como você lembrou contra os elementos estreitos, egoístas e isolamento que são agora uma grande parte do nosso mundo, o amor pode parecer um anacronismo. Mas eu acho que o inverso é verdadeiro, o amor é o único eterno. Todo o resto é transitório. O amor é a nossa conexão com o divino, você nunca vai alcançar o mundo superior, com um telefone, não importa o quão 'inteligente' que o telefone seja. A tecnologia moderna, na minha opinião, não é importante na ampla escala da existência humana e os valores, tudo o que hoje é novo e última moda, um dia muito em breve, ser velho, fora de moda, inútil. O amor é para sempre.)

Bem, foi isso. Uma das entrevistas mais legais que já fiz para o Literatura de Mulherzinha e na minha vida. Fiquei muito feliz com as respostas e espero que vocês tenham gostado. E se não leram a Parte 1, corram lá. É exclusiva sobre a enorme e maravilhosa série de livros sobre sheiks que ela escreve há anos.

Sinceramente, Deus dá à gente o tempo certinho das coisas. Nem se eu tivesse planejado teria começado o Abril Imperdível tão bem assim! :D

Outras informações: site da autoraGoodreads;  sobre a série dos sheiks neste post e outros livros da autora no Literatura de Mulherzinha.

Bacci!!!

Beta

Como prometido, as referências dos livros citados nesta parte

(1) Fire in the Wind (1982): Promessa de Vingança - SuperBianca 8 - Vanessa Standish e Jake Conrad

(2) “Spoken Cat and Relevant Factors in Worldview”. Ainda inédito em Português.

(3) The man next door (1991): Ainda inédito em Português.

(4) Dearest enemy. Ainda inédito em Português.
Reações:

3 comentários :

  1. A.D.O.R.E.I.
    Tô babando geral nas novidades sobre os livros e preciso dizer o quanto gostei dessa resposta sobre os romances?
    Resposta perfeita, perfeita, perfeita!

    Parabéns pela entrevista, Betinha!! Ficou maravilhosaaaaaa!!!! S2

    Fico só imaginando o que mais vem por aí!!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito da entrevista. Deu um sentimento bom de estar lendo coisas que realmente valem a pena, apesar dos comentários negativos que sofremos.
    Você fez as perguntas que eu tinha mais curiosidade em saber!!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. ZEUS: eu adorei essa entrevista inteira e amei mais ainda sua última pergunta e sua última resposta. O que causaria muita e muita e muita polêmica em um fórum para discussão !!! ^_^ Uma série de opiniões e pensamentos de uma sensatez invejável !!!

    ResponderExcluir