domingo, abril 27, 2014

Ciao!!!



Continuando a promessa de fazer posts sobre todos os livros da série De Burgh, eis o que eu levei três milênios e meio para ler, por culpa da “vida real estressante e compromissada”, mas terminei!

Um Lorde para AmarDeborah Simmons – Clássicos Históricos Especial 132
(My Lord de Burgh – 2000 – Harlequin) 
Personagens: Brighid l’Estrange e Stephen de Burgh

A ovelha negra da família de Burgh, Stephen, foi incumbida de acompanhar a cética Brighid l'Estrange ao castelo do pai dela, no País de Gales. Os dois são como água e óleo, não parecem ter nada em comum. Será que Brighid vai descobrir que Stephen é mais do que aparenta? É a história de que "há mais entre o céu e a terra do que supôe nossa vã filosofia" - e certas coisas não precisam mesmo de explicação.

Comentários:

- Apesar de todas as diferenças gritantes de comportamento, Brighid e Stephen são mais parecidos que poderiam imaginar a princípio. Mas a primeira impressão foi a pior possível. Stephen ficou ressabiadíssimo – e irritado na mesma proporção – porque Brighid ao contrário de quase toda a população feminina (a exceção foi Joy) não se deixou seduzir por ele. Brighid ficou desconfiada do homem de aparência belíssima que aparentemente não tinha propósito a não ser ficar bêbado e tentar seduzir qualquer mulher presente.

- Ela precisava voltar ao País de Gales, para rever o castelo onde nasceu e que agora estava precisando de comando, porque o pai havia morrido. Só que as tias cismaram que ela precisaria de escolta (essa é a versão de Brighid, mas as tias sabiam por que e quem deveria acompanhá-la) e que foram pedir ao senhor das terras, lorde de Burgh. Papai de Burgh percebendo do jeito dele onde as tias queriam chegar, delegou a tarefa ao quarto filho, um reconhecido faz-nada bonitão.

- Da antipatia notória à primeira vista, a jornada vai aproximar Brighid e Stephen, porque eles vão perceber que há mais que a aparência um no outro e, por tabela, em si mesmos. Brighid faz o possível para ignorar a herança, os dons associados à família L’Estrange – apesar de que se preocupa com a proteção das tias, porque a ignorância poderia condená-las à morte. E a volta para casa poderia aproximá-la de tudo que ela fazia questão de não lidar.

- No entanto, a leitora aqui vai se surpreender com Stephen. Porque nos livros anteriores há momentos em que a antipatia por ele é inevitável. Claro a gente precisa entender o motivo por trás deste comportamento. O que motivava o moço ser um alambique ambulante é algo tão atemporal e que ainda encontramos por aí em muitas pessoas e em muitas famílias. E como a convivência vai afetá-lo e o que pode oferecer a redenção que ele busca.

- E por estarem com os destinos unidos, mesmo ignorando isso, Stephen e Brighid vão enfrentar os desafios da estrada, a si mesmos para descobrir o que está por trás da morte do pai dela. E eu gostei de descobrir (no caso agora, de relembrar) como o mais bonito dos de Burgh consegue ter semelhanças com o meu favorito da família, Geoffrey. Sim, é um livro sobre o quanto as aparências enganam e o quanto a gente pode perder ao se deixar levar por isso, seja com os outros ou conosco mesmos.

- Ah, claro, o tradicional encerramento do “momento terror com os meninos de Burgh solteiros” não acontece aqui. Por uma razão simples: é o ponto de partida do próximo livro, do Robin. E atenção para as tias de Brighid que, não contentes em terem participação decisiva aqui, dão o ar da graça lá também.

- Série Família de Burgh:
1. O Lobo Domado – Taming the Wolf (1995) – Marion Warenne e Dunstan de Burgh
2. O Anel de Noivado – The de Burgh Bride (1998) – Elene Fitzhugh e Geoffrey de Burgh
3. Coração de Guerreira – Robber Bride (1999) – Bethia Burnel e Simon de Burgh
4. Uma visita inesperada – The Unexpected Guess (1999) – Joy Thorncombe e Fawke de Burgh, conde de Campion
5. Um Lorde para Amar – My Lord de Burgh (2000) – Brighid l’Estrange e Stephen de Burgh
6. A Noviça de Burgh – My Lady de Burgh (2001) – Sybil e Robin de Burgh
7. O Cavaleiro Negro – The Dark Night (2009) – Sabina Sexton e Reynold de Burgh
8. O Último de Burgh – The Last de Burgh (2013) – Emily Montbard e Nicholas de Burgh


Bacci!!!

Beta
Reações:

2 comentários :

  1. Eu amei Stephen de verdade a partir desse romance. Eu adorava seus apartes em romances anteriores e senti muita antipatia por ele em relação ao seu comportamento para com Fawke e Joy em "Uma Visita Inesperada", mas amei-o mesmo em "Um Lorde Para Amar", como seu título sugerira, embora eu não gostasse daquela capa, vendo muita desproporção entre cavaleiro e cavalo !!!. Sua terceira capa, de reedição mais recente, ficou muitíssimo melhor. Tias L'Estrange são ótimas também: eu ria com elas neste romance graças àquele ar de sonseira calculada espontânea que elas têm. Foi sensacional ver toda coragem De Burgh de Stephen, mesmo com ele atuando por impulso mais que por intenção, ao cuidar sozinho de uma missão, sem seus irmãos durante todo esse processo. Ele foi mesmo maravilhoso como esperava-se que ele fosse (com o que eu vibrei muito !!!).

    Eu não tinha ficado conformada com toda aquela animosidade de Brigid contra ele sem conhecê-lo pessoalmente, embora ele tivesse fama muito justa quanto a ser festeiro e mulherengo, muitíssimo fã de vinho a todo momento, o que indispusera sua parceira de viagem contra ele. Porém ela foi muito grosseira logo de saída pelo Castelo de Campion !!! Outra atitude de Brigid que fez com que eu ficasse inconformada foi sua forma de tratar seus cabelos !!! Um absurdo !!! Foi quando Stephen arrancou aquela touca, o que fez com que ele ficasse incinerado, que eu entendi de vez que De Burgh têm um fraco por cabelo feminino !!! TODOS !!! Uns mais. Uns menos. Mas TODOS !!! Peninha aquela forma com que Fawke e Stephen tratam-se !!! Seria muito melhor se filho e pai dessem-se bem, com mais respeito.

    ResponderExcluir
  2. Eu amo esta série! Gostei de todos os livros. Só o último que eu achei mais franco. Este irmãos são apaixonantes. Adorei o post, Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir