segunda-feira, novembro 12, 2012

Ciao!!!


Capa gringa Fantastic Fiction

ETA LIVRO BÃO!!!
Foi um dos meus destaques no post sobre os lançamentos de maio e não demorou para pôr as mãozinhas nele. Sim, confesso, furou a fila. Mas atire a primeira pedra quem faria a mesmíssima coisa???

Impiedoso – Diana Palmer – Rainhas do Romance 65
(Merciless – 2011 – HQN Books)
Personagens: Joceline Perry e Jon Blackhawk

Jon é agente do FBI em San Antonio e tinha vários problemas para enfrentar: a pretensão da mãe em casá-lo com as devoradoras de revistas de moda e a investigação de um caso que parecia encerrado, mas ainda estava incompleto. Pior, o caso envolvia a família dele. E para completar, um homem que ele havia prendido tinha sido solto e todos temiam (menos ele) represálias. É no meio deste caos que ele se aproxima da secretária-faz-tudo Joceline, com quem tem uma relação de implicância divertida. As coisas se complicam e todos próximos a Jon ficam em risco: só resolvendo o caso, eles poderiam não se tornarem as próximas vítimas.

Comentários:

- Comentei no post dos lançamentos de maio que queria muito ler a história de Jon porque os diálogos dele com o meio-irmão Kilraven em Perigoso, além de ajudar a dar leveza à história (que é pesada) me deixaram apaixonada na dinâmica entre eles. E a história que começa em Perigoso termina aqui, com direito a muito suspense (pra eles – porque tem um segredo que eu acho que dá pra matar rapidinho *meus sensores escopianos desconfiados fizeram um alerta tipo “EIE!!!”*), reviravoltas, investigação e romance.

- Temos Joceline, a secretária apaixonada que guarda um segredo e ainda é hostilizada por ser mãe solteira. Gente, isso me revolta, como as pessoas acham que têm o direito de piar na vida alheia, né? Só eu li aquela parte da Bíblia “atire a primeira pedra aquele que não tem pecado”? (Aliás, há uma personagem no livro que merecia estudar atentamente essa passagem, pra ver se consegue se mancar - #ficaadica, Cammy Blackhawk). Além disso, Joceline se desdobra em várias funções, utilizando sua capacidade e inteligência pra espantar as pretendentes indesejadas de Jon, implicar com o chefe (a novela do “não faço café” me fez rir) e ainda ajudar a resolver casos em investigação. E ainda, com pouco dinheiro, se desdobra para ser uma mãe presente do pequeno Markie, que sofre com sérios problemas de saúde. É um estilo de heroína, criado pela autora, que me agrada: aquelas que, por pior que estejam, não se deixam esmorecer.

- E temos Jon, criado sob rígidos padrões religiosos e morais pelos pais (em especial, pela mãe), totalmente contrário a relações casuais e que prometeu se manter casto até o casamento. O que não impede de, primeiro, ele ficar naquelas implicâncias com Joceline. E depois, quando ele entende o quanto a desconcerta e deixa nervosa fora do ambiente de trabalho, de ele investir no romance, na conquista para, quem sabe, quando todos os problemas se resolverem, eles possam ficar juntos. Sim, é isso mesmo que você leu: Jon é o antídoto às topeiras mais irritantes já criadas por Diana Palmer. Eu se fosse as respectivas senhoras “topeira” procuraria o Procon Literário. Rapaz família, de bom humor, gosta de vídeo games (ok, aqui não poderia ajudá-lo porque eu e o Luigi ainda estamos no nível 1 do Mario Bros. correndo atrás da praga do Yoshi que sempre se recusou a colaborar comigo.), moreno, alto e disponível. Oi? Oi? Oi?

- Não vou falar mais do que isso, porque esse é um Diana Palmer que vale a pena ler, como vocês já devem ter percebido pela minha primeira frase neste texto, lá no alto. É muito bom, te diverte, não te irrita (lá pelas tantas você vai entender que não tem motivos para odiar nem mesmo a personagem mal educada do livro – isso se não rolar um pesinho na consciência) e possui um casal para o qual nada foi e é fácil, mas eles ficam lindos juntos. Sem afobação, sem mocinhas transformadas em tapetinhos do mármore do inferno... Um casal onde você quer vê-los juntos pelos dois, não por um ou por outro. Ou seja, se a Diana Palmer escrevesse mais assim, diminuiria meu nível de estresse com ela... Mas talvez não seria Diana Palmer kkk Claro, só reforçando, será melhor se você ler Perigoso antes, para não ficar perdida em alguns fatos comentados aqui... E pena que Cash, o xerife tudibom de Jacobsville, só é mencionado aqui. Se ele aparecesse, seria perfeito!!!

- Linkitos: Uma curiosidade: quando você coloca “Impiedoso + Diana Palmer” no Google, aparecem vários links ligados ao livro Sem Coração. Avaliações em Inglês no Goodreads. Informações  no site oficial da Diana Palmer e no Fantastic Fiction. Em Português, veja o que a Rosana, do Livrólogos; a Ticia, no Sempre Romântica; a Carla, do Doida y Romântica e claro, a Suelen, a Su, do Romantic Girl acharam do livro. Se quiser mais dicas, veja os outros livros da Diana Palmer que já estão no LdM.

Bacci!!!

Beta
Reações:

3 comentários :

  1. Ah, o querido Jon.... Ele tinha tudo pra dar um ataque de ogro com o tal segredo lá (afinal, muitos mocinhos DianaPalmerianos fizeram o maior estardalhaço por muito menos), mas ele se revela o bom moço por excelência que sempre soubemos que ele era. A Joceline tb é maaara, adorei essa mocinha. Essa é das minhas, hehe!!!

    =)

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. raios: uma mulher muito tentada, que não entendeu-se com Família Biscoito ainda, está pensando nesse romance com carinho !!! ^^ Diana Palmer tem um quê de armadilha perigosa para leitoras incautas sobre ela !!! ... ^^

    ResponderExcluir