sexta-feira, abril 27, 2012

Ciao!


Hoje o texto foi escrito pela Natália, do Menina da Bahia. E veio no clima de um roteiro de viagem dos sonhos de tantas entre nós: Paris. *Lendo o texto dela me lembrei de Anna e o beijo francês, mas, como vocês verão, a inspiração dela foi outra...*

***

Meio dia em Paris

Queria muito passear "Meia Noite em Paris", e tentar voltar um pouquinho aos tempos da Belle Epoque, que nem Gil - o personagem de Owen Wilson, no filme que leva esse mesmo título -, mas fui avisada que a capital francesa pode ser um pouquinho perigosa à noite para turista (se for mulher então...), principalmente nos bairros boêmios. Então, o jeito foi conhecer o máximo de Paris durante o dia.


Quando cheguei, estava muito frio, temperatura negativa, tempo nublado, sombrio. Numa maratona para conhecer todos os pontos turísticos em poucos dias, acabei deixando para entrar no Museu do Louvre no penúltimo dia de minha estadia. Peguei uma fila quilométrica para ver uma Monalisa pequena, cercada por todo o tipo de proteção tecnológica e uma multidão de turistas que, como eu, estavam lá basicamente para ver La Joconde. E foi lá que realmente entendi porque costumam dizer que franceses não gostam de tomar banho (de certa forma é até maldade dizer que os franceses fedem, porque a grande maioria do Louvre era formada por turistas estrangeiros). O odor era terrível. Ansiava ar fresco, mesmo com o frio terrível.


Quando saí do museu, fiquei chocada. O sol tinha surgido, meio tímido. Paris estava, finalmente, colorida! Isso renovou o meu astral. Me senti revigorada e decidi atravessar a rua e caminhar ao longo do Rio Sena.

A cidade está tranquila. Ouço um som de música ao longe. O cheiro de comida está no ar. As pessoas passeiam calmamente pelas margens. E o Sena continua indiferente, tranquilo sem ligar para os acontecimentos ao redor. Eu estava no Paraíso.



Andando mais um pouco vejo uma miragem... Sim, achei que estava no deserto e o que vi era fruto da minha imaginação: bancas e mais bancas, ali, em plena margem do Rio. Sebos! Sebos com vários livros clássicos com preços acessíveis! Sim, me senti no primeiro mundo. Livros tradicionais por apenas 1 Euro, coisa que aqui no Brasil é difícil de achar, ultimamente nem os meus amados romances de banca encontro por 1 Real. E foi quando percebi a grande diferença entre o "nosso mundo” e aquele que eu estava vendo de perto.


Essas iniciativas de feira de livros e tudo o que estimula a leitura, são tão importantes para o desenvolvimento da cultura de um povo. Fico realmente triste de ver que por aqui tudo acaba sendo somente para fins lucrativos, mesmo um encontro, um lançamento, uma feira. E é isso o que distancia muita gente que nunca teve o hábito de ler, de embarcar no mundo mágico da literatura. Não predomina o interesse de "trocar uma balada por um livro ou revista cara”.


E não me acho nem um pouco boba por sentir um friozinho no estômago de tão bonito que é ver as pessoas em parques, praças, transporte público e cafés devorando um livrão. E o melhor, que custou apenas 1 euro. Imagina?! Também, pudera, num frio daqueles e em um cenário fantástico dá pra embarcar fácil em um romance ou suspense.
Também vale salientar a quantidade de gente conectada por lá - como não poderia deixar de ser. No bolso ou no Ipad, mas sempre acompanhados de uma boa leitura. Fofo também foi ver os pequenos desde sempre conectados - e num é que pareciam gente grande?!


Bom, gente. É Paris, não é? Mas eu preferia que fosse o Brasil! :)

by Natália Alexandre
Reações:

6 comentários :

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Uh-la-la, Paris, cuja parte medieval eu adoraria conhecer !!!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. que viagem dos sonhos hein?

    ResponderExcluir
  5. Oi Beta, já faz algum tempo que estou ensaindo para postar aqui, mas acabo sempre adiando. Bem, gostaria de dizer que simplismente AMO seu blog, sempre o consulto para pegar dicas de livros.
    Desde a adolescência sou apaixonada por romances...lembro que fui apresentado a um pelo livro ENGANO DO DESTINO de Elizabeth Duke e depois nunca mais parei.rsrsrs Adoro os romances da Lynne Granhan, e estou feliz em ver que no ultimo livro dela Uma Noiva de Verdade, quem dá as cartas é a mocinha, sinal de que ela não estão mais tão submissas...Enfim,parabéns pelo blog e continue nos premiando com seus resumos e comentário divertido e coerentes. Abraços de sua nova amiga

    ResponderExcluir