sábado, fevereiro 26, 2011



Confesso: escolhi o livro pela autora. Gostei de outras histórias que li dela. E tive todo tipo de sentimento pela saga de Rusty e Cooper. Se vocês tiverem um tempinho, vou explicar quais e os motivos.

Dois Estranhos – Sandra Brown – Rainhas do Romance
(Two Alone – 1987 – Silhouette Intimates Moments)
Personagens: Rusty Carlson e Cooper Landry

Uma tragédia: eles tinham sido os únicos sobreviventes de um acidente com um jato de passageiros. Agora estavam isolados em um ponto do Canadá, feridos e precisavam ficar vivos até o resgate chegar. Só que a antipatia gratuita de Cooper por Rusty não facilitava as coisas e teriam que aprender a se respeitar para conviver forçadamente. Entre as farpas trocadas por eles, as dificuldades e os perigos, surge uma forte atração – como se Rusty e Cooper precisassem de mais uma complicação.

Comentários:

- Vamos lá: sofri muito lendo este livro. Motivo número 1: eu tenho PAVOR de viajar de avião (quem leu os posts do ano retrasado sobre a viagem à Curitiba percebeu isso). Não consegui ver Lost até o fim pela constante – e necessária – referência ao acidente. Então, um livro que começa com a sobrevivente de um acidente acordando e cercada de mortos e destruição não é algo que me faça sentir bem. E devo dar os méritos à escritora, porque maior que a minha fobia, foi a capacidade de Sandra Brown em criar um quadro tão real que pude vê-lo na minha frente.

- Motivo número 2: sofro com histórias de sobreviventes em condições extremas. Motivo óbvio: total empatia, me coloco no lugar da pessoa. Então nem preciso dizer que a cada página que eu virava no livro, tudo que eu queria era saber se o resgate estava chegando. E obviamente demora, afinal de contas, o livro não chama “Two Alone” à toa – qual a graça de resolver a trama principal em meia dúzia de páginas. Sim, é o “efeito colateral’ de ler um livro bem escrito – eita agonia longa, porque a jornada dos personagens não foi resolvida num passe de mágica.

- Cooper Landry irrita. Irrita muito. Típico mocinho década de 80 – ainda com os resquícios da mentalidade vigente machista sobre as mulheres independentes. Um festival de conclusões – e em todas, ele acredita que ela está errada, é leviana, é fútil. Desconsidera várias possibilidades de histórias para se fechar em um preconceito de que ela não valia a pena. Confesso que queria dar uns pontapés nele, para ver se deixava de ser besta e fiquei me perguntando como uma pessoa racional e sensata poderia gostar daquela criatura. No entanto, Rusty tem um histórico de querer existir, de querer ser notada como ser humano (mal familiar, menino vale a pena, menina não serve para nada). No entanto, há química entre os dois – como nas melhores histórias de antipatia à primeira vista, amor em seguida... Para que eles se apaixonem e tenham que lidar com as conseqüências – porque o mundo real irá alcançá-los, eles terão que saber mesmo o que querem e lutar por isso.

- Sandra Brown deve adorar um homem de bigode. É o segundo herói dela com este visual – pelo menos, nos livros que eu leio (o outro foi Cartas de Amor). E vale visitar o site oficial dela.

Bacci!!!

Beta
Reações:

4 comentários :

  1. Oi, Beta!

    Infelizmente não compartilho de sua opinião e, tenho certeza, de um monte de gente, porque simplesmente detestei o livro.

    O mocinho é um ogro bigodudo, mal tive paciência de chegar ao final e nem me lembrando que a sociedade era assim nos anos 80 deu prá levar...

    Tudo bem que o mocinho sofreu e tem razões para ser do jeito que é, mas o machismo exagerado e a conduta da mocinha, que de mulher independente virou submissa não desceu.

    Acho que tenho problemas com a Sandra Brown...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Bigode? Nããããooooooooooo!

    ResponderExcluir
  3. Hi... de mocinho "mamãe eu sou ogro" já me bastam os da DP. Então vou passar bemmm longe desse! hehehehe

    ResponderExcluir
  4. Coitadinha de Beta ! ^^ Eu não massacrarei sua sugestão mas não lerei também porque não sinto interesse por romance algum que seja de século XX em diante. Julgo nossa época muito sem charme !

    Não tenho nada contra bigode, porém desde que seja muito bem cuidado para não parecer uma taturana peluda debaixo de um nariz masculino, escondendo metade de seu rosto desse jeito.

    ResponderExcluir