sábado, janeiro 08, 2011


E a Maratona de Banca está quase chegando ao fim. Chegamos finalmente ao livro de janeiro, cuja missão é daquelas que desperta emoções extremas: ame-a ou deixe-a – eis o mês dedicado à Diana Palmer!

Inferno de Desejo – Diana Palmer – Momentos Íntimos Extra 51
(Reluctant Father – 1989 – Silhouette Books)
Personagens: Meredith Calhoun e Blake Donovan

Blake tinha certeza de que Meredith só o queria para subir na vida e se unira ao seu tio em um plano maquiavélico para forçá-lo a se casar. Como ele era mais esperto e inteligente, humilhou a aproveitadora em público e se casou com a garota que amava e que o amava de verdade, Nina. No entanto, certezas são feitas para serem desmanchadas e não levou muito tempo para que ele descobrisse algo chocante: esteve errado o tempo todo. E era tarde demais para pedir desculpas, porque Meredith tinha ido embora. Anos depois, o passado literalmente bate à porta: a justiça lhe entrega a filha que ele nunca soube que existia. Uma garotinha tão teimosa e tempestuosa quanto ele. Para completar, Meredith está de volta: agora rica e famosa, visita Jack’s Corner para promover seu mais recente livro. Será que Blake terá chance para se reconciliar com tudo aquilo que perdeu antes ou perderá tudo de novo?

Comentários:

- Primeiro devo dizer algo que nada tem a ver com a história, mas me irrita profundamente pessoas que compram estes livros, estragam, destroem e rabiscam. Tanto que fiquei com vergonha de escanear a capa da minha edição, que beira o pavor literário e peguei uma imagem na internet. Já comprei vários exemplares assim no sebo porque a história me chamou a atenção ou a autora está na minha lista de “pegue logo para ler”. Neste caso, comprei este livro numa época que Diana Palmer não aparecia como chuchu nas bancas e era disputada a foices e golpes de kung fu sem tecnologia de cinema nos sebos. E se eu descobrir quem era a dona anterior iria fazê-la exercitar a vontade de escrever coisas sem sentido e sem noção em um caderno, com direito a palmatória. Juro. Quem não sabe brincar, não deve tentar entrar no jogo.

- Agora falando ao livro: temos um herói à Diana Palmer – grosseiro, metido a sabe-tudo e vingador. Ele pisa na bola com convicção, humilha Meredith de propósito e com gosto. Só que o castigo veio a cavalo ou a boi ou nada como o tempo para curar orgulhos. Graças a Deus, a Diana nos poupou disso, dando apenas uma versão resumida da lambança (que serve para irritar horrores). E a partir disso, das recordações dele da mega bobagem que fez, vamos acompanhar a suposta redenção do criador de gado Hereford.

- Vamos lá, Blake é durão, machista, bobo, inseguro, mais grosso que lixa de parede. Não tem o menor jeito para lidar com crianças e mulheres. Quando é obrigado a assumir a filha, tenta achar a todo custo uma figura feminina para empurrar a criança (a empregada, a amiga Elissa, Meredith). Quando reencontra Meredith, fica impressionado ao ver que a jovem tímida tentou se tornar uma mulher forte (apesar de carregar as cicatrizes emocionais adivinha causadas por quem?) e que não se intimda facilmente diante dele. Ok, ele é tão delicado quanto um elefante estressado numa loja de cristais – e graças ao apoio involuntário da filha, que se apega como um carrapato à Meredith – começa a ter chances e oportunidades para se reaproximar de sua vítima de cinco anos antes e tentar um perdão e uma reconciliação. O fazendeiro pede ajuda, ouve conselho, faz tanta coisa errada, acerta aqui e ali, até pegar o jeito... Para, adivinhe, meter os pés pelas mãos de novo! Bem, pelo menos este tenta, o que seria uma vantagem em relação aos outros coleguinhas de mamãe Diana. Meredith tenta parecer forte, mas vira um purê quando reencontra o algoz pelo qual sempre foi apaixonada. Recebe bons conselhos e, graças a Deus, no momento mais crítico, ela toma a decisão correta. Depois de conquistar, sem querer, a filha, Meredith teria que lutar bastante para domar o pai turrão. Não deixa de ser Dona Diana, mas sem as sandices que ela anda escrevendo atualmente e, com um protagonista osso duro de roer, mas que acaba admitindo sua fragilidade – o amor pela garota que menosprezara antes porque o fazia perder o controle.

- Ah, fiquei com a impressão de já ter lido este livro antes. Até que me lembrei de Diana Palmer tem outra história de pai e filha que precisam aprender a se relacionar e se estranham bastante no processo: Impetuoso Coração - Bianca 628. Em Inferno de Desejo, Sarah Jane é mais nova e suas pirraças são compreensíveis pela idade e pela situação – a menina nunca teve uma família decente, como cobrar sensatez dela. E em Impetuoso Coração, a menina é mais velha é também reage muito mal à uma situação extrema: ignorada pelo pai e comparada insistentemente à mãe, que não valia nada.

- Como curiosidade, este livro foi publicado em 1987, nos primórdios da série Desejo. Eis a descrição da trama no Fantastic Fiction
MR. JANUARY...
Name: Blake Donavan
Description: Tough. Formidable, Lonely...
Fears: Surprises, like the unsmiling little girl who suddenly appeared onhis doorstep and called him "daddy"; Meredith Calhoun, the one woman whocould melt his heart of ice...
Conclusion: He's colder than the snow in winter.Blake Donavan lived alone and liked it that way. His nemesis was love, buthe had one obsession--and her name was Meredith Calhoun. After five years, Meredith had come home. A successful author, she was no longer the shy, insecure girl Blake had once so cruelly rejected, But Meredith would neverknow that that rejection had cost Blake his heart... and the child whoshould have been theirs.

E esta é a capa original

- E claro que há um livro com a história de King e Elissa, citados como amigos de Blake e Meredith, também moradores de Jack’s Corner. Fiquei com a impressão de que já tinha lido, mas acho que misturei com outra trama. Informações aqui.

- Para quem for marinheira de primeira viagem no Literatura de Mulherzinha, saiba que a autora é uma habitué no site. Para saber mais sobre as minhas resenhas (bem, mal e pessimamente humoradas) sobre Diana Palmer clique neste link.

- E na edição brasileira, ainda há outra história: Adeus à solidão, de Katherine Granger, que terá resenha futura no Literatura de Mulherzinha.

Bacci!!!

Beta

ps.: E a Barbara também entrou no embalo e fez a resenha dela sobre o livro da Diana Palmer! Quem quiser ler, visite o In Death.
Reações:

3 comentários :

  1. "acaba admitindo sua fragilidade – o amor pela garota que menosprezara antes porque o fazia perder o controle"
    E a culpa é da mocinha, como sempre.

    Bem, eu vou colocar esse na lista de procura. Afinal, Diana Palmer é Diana Palmer.

    ResponderExcluir
  2. "Ok, ele é tão delicado quanto um elefante estressado numa loja de cristais"

    Ele e 90% dos mocinhos da DP hauhauaha Mas não tem solução... leu, gamou, xingou e ficou é sinônimo de Diana Palmer hauahuh

    ResponderExcluir
  3. Esse ainda eu não li, hehe. Mas se é DP, já sei que vou amar!!!

    OBS: Adorei o "tão delicado quanto um elefante estressado numa loja de cristais", kkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir