sábado, junho 20, 2009

Nesta semana, o STF decidiu que simplesmente 15 anos da minha vida não valeram nada. A mesma decisão aponta que aquele pedaço retangular de papel vegetal com letrinhas rebuscadas não vale nada. Não valeu o esforço da minha mãe, que se desdobrou para me manter numa faculdade pública. Não valeu o meu esforço, em conseguir ser bolsista num colégio onde eu não deveria estar mas que me acolheu, instruiu e permitiu que, mesmo após o segundo semestre mais desastroso da minha vida, eu conseguisse passar no vestibular, sem acreditar que teria competência para isso.

Está na matéria da Folha

Mendes disse que o diploma para a profissão de jornalista não garante que não haverá danos irreparáveis ou prejudicar direitos alheios.
"Quando uma noticia não é verídica ela não será evitada pela exigência de que os jornalistas frequentem um curso de formação. É diferente de um motorista que coloca em risco a coletividade. A profissão de jornalista não oferece perigo de dano à coletividade tais como medicina, engenharia, advocacia nesse sentido por não implicar tais riscos não poderia exigir um diploma para exercer a profissão. Não há razão para se acreditar que a exigência do diploma seja a forma mais adequada para evitar o exercício abusivo da profissão", disse.


Não explicaram aos ministros que não basta segurar um microfone e saber falar, ser bonitinho e carismático e ter segurança. Talento não é tudo. Porque, se assim fosse, a seleção de 82 não teria perdido para a Itália e o Brasil já seria hexa. Talento tem que ser direcionado para não virar erva daninha. E, se até então, com a exigência do diploma e formação acadêmica já tem gente fazendo bobagem e estupidez em excesso motivada pela incompetência e vaidade, imagina sem a necessidade de discutir e pensar qual é o papel desta profissão considerada tão nobre mas atualmente desvalorizada pelo excesso de cacique apitando, glamour e oba-oba em torno de algo que é simples e, por isso, extremamente complexo.

E confesso que, apesar da vontade do STF de transformar o meu diploma em origami (reciclagem é tudo, gente, vamos salvar o planeta!), ele ficará guardado à espera do valor que ele merece e só quem não sabe são os que não entendem o que ele representa. E para quem não acha que ser jornalista é perigoso, perguntem aos donos da Escola Base em São Paulo, exemplo óbvio, mas que os ministros não devem conhecer ou não falariam tamanha bobagem.

Desculpem, eu precisava desabafar.

Bacci

Beta
Reações:

8 comentários :

  1. Beta,

    Vergonhosa a decisão do Supremo. Como vc lembrou, duvido que os donos da escola base achem "que o jornalismo não causa danos a coletividade" quando mal exercido...Mas não pense que são apenas os jornalistas que sofrem desse problema. No ano passado fui obrigada a aprovar os alunos que foram retidos. Por quem? Por uma decisão judicial!
    Agora me explica...eu decido quantos anos um ladão fica na cadeia? Eu decido se alguém é culpado ou inocente? Então o que ele tem a ver com a minha decisão em sala de aula???? Para que investi 20 anos de estudo se com uma canetada ele diz que eu não sei nada e tenho que mudar minha decisão?

    ResponderExcluir
  2. Oi Beta...

    Deixei um selinho pra você no Leitura de Banca... se quiser... dá uma passadinha lá...

    beijos
    Dé...
    http://leituradebanca.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Laura8:47 PM

    Beta,

    já faz mais de 01 ano que acompanho seu blog e quando vi a decisão lembrei de vc e de sua paixão pela sua profissão. Acredito que o STF deu sua decisão com base no que diz hoje a Constituição. E é isso que ele tem que fazer - ser fiel a constituição. Então, vamos mudar a Constituição!!! Se vocês jornalistas se unirem e precionarem, dá pra regulamentar a profissão na Constituição e proteger não apenas seus direitos, mas todos os leitores/usuários/telespectadores.

    bjs,

    Laura

    ResponderExcluir
  4. Concordo com vc...
    me sinto assim em relação a minha vida toda estudando musica em conservatorios e tal, e aqui no BRasil, qualquer um que saiba tocar qualquer coisinha pode sair dando aula.

    Isso sem falar em outras coisas...

    Agora, o jeito é fazer a diferença!

    bjs
    Sissi

    ResponderExcluir
  5. tem um selinho pra você no meu blog
    http://meusromancesblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Beta, sinto-me exatamente como você. Ultrajada, arrasada, deprimida! É um absurdo o que esse ministro falou! Nossa profissão não pode ser tratada desta forma, nem ser denegrida em escala federal como foi. Estou realmente revoltada com tudo isso e pondo em questão se tenho o verdadeiro 'talento' de engolir sapos, pois, desta vez, está difícil de entender, aceitar ou até compreender.

    Beijos jornalísticos
    Érika dos Anjos
    http://www.oquartoelemento.com.br

    ResponderExcluir
  8. marthaestacio1:39 PM

    vivi, sinto muito por todos os jornalistas, mas o que mais sinto é que a decisao não veio do STF, mas sim dos "donos" dos grandes jornais e redes de TV, que preferem pagar menos e colocar uma modelo/manequim pra apresentar os telejornais. é uma pena, mas a verdade é que os interesses da "grana" é que determinam as decisões dos tribunais.

    ResponderExcluir