domingo, dezembro 28, 2008

Ok, de tanto ir à livraria (durante boa parte do tempo neste ano, para visitar e esfriar a cabeça - além de pesquisar livros para a saga do Mestrado), comecei a reparar em alguns que estavam na prateleira. E um que se estabeleceu lá - e depois ganhou companhia - foi esse aqui...



Confesso que a capa demorou para me chamar atenção, por um motivo até esdrúxulo: não gosto de maçã. (reação oposta à despertada pelo O Clube das Chocólatras). Passei muitas vezes por ele, peguei até livros que estavam ao lado, falei sobre outras coisas com a minha mãe (que geralmente estava comigo nestes passeios) até que um dia resolvi pegar o livro e saber do que se tratava. Pensamentos:
"Interessante..."
"Hn... Não gosto de histórias de vampiros"
"Hn... Mas..."
"Hn... Hn... " *olhando a contracapa*
"Hn... vou pesquisar"
Tradução: fiquei curiosa.
Até perguntei na comu do Yahoo e obtive umas dicas.

Para quem quiser saber mais, vale uma visita ao site da Editora Intrínseca. É bonito e olha que eu nem naveguei muito, para não encontrar algo que estragasse as surpresas da leitura: - e olha que barato a campanha "Nem só os vampiros precisam de sangue".

Para quem quiser opinião neutra de fonte confiável, recomendo o sempre excepcional trabalho do site Omelete:

Crepúsculo

Fenômeno no mundo inteiro, romance de estréia de Stephanie Meyer chega ao Brasil
25/05/2008Marcus Vinicius de Medeiros

Merece atenção o vácuo que existe na literatura voltada aos jovens. Principalmente depois que a série Harry Potter, de J. K. Rowling, chegou ao seu final. Surge agora nova alternativa aos fãs órfãos desse universo fantástico, o romance Crepúsculo (Twilight), de Stephenie Meyer, lançado no Brasil pela editora Intrínseca e fenômeno no mundo inteiro.
A trama vampírica e romântica de Crepúsculo está longe do convencional e, ao contrário do que se possa imaginar, não foi derivada do sucesso de personagens como Buffy – A Caça-Vampiros e Angel. Tampouco segue os princípios de séries literárias como as Crônicas Vampirescas, de Anne Rice. A autora afirma que suas principais influências sempre foram os livros de Jane Austen, como Razão e Sensibilidade e Orgulho e Preconceito, além dos clássicos de ficção científica modernos de Orson Scott Card, que lidam com dilemas éticos numa ambientação futurista, especialmente O Orador dos Mortos, a continuação da saga de Ender iniciada em O Jogo do Exterminador. Tendo esses dois mestres como guias, Stephanie decidiu escrever um romance adolescente com vampiros por acreditar no potencial de mesclar o elemento mítico com a fase mais conturbada de nossas vidas. O resultado é uma história diferente do que se poderia prever à primeira vista, mas com a força de um clássico moderno.
A trama de Crepúsculo se divide basicamente em dois momentos distintos. Primeiro, há uma típica situação da adolescência, depois entram os elementos de horror. A protagonista Isabella Swan é uma garota de 17 anos que está de mudança para pequena e melancólica a cidade de Forks, onde viverá com o pai, longe de sua mãe, porém com a esperança de ter um carro próprio. Bella, como prefere ser chamada, não curte muito uma vida social, preferindo passar horas na biblioteca buscando livros antigos, sem o contato de outros jovens - que ela considera insuportáveis. A garota havia conseguido ficar incógnita na Califórnia, mas numa cidade pequena em que todos se conhecem, logo vira alvo da atenção dos garotos do colégio e faz até algumas amigas, enquanto sua mãe enche a caixa de mensagens eletrônicas a cada cinco minutos. A situação muda completamente com o contato de um grupo ainda mais estranho que o normal, até para os padrões dessa idade.
Meyer não tenta explorar de forma apelativa ou exagerada os dramas da adolescência, pois está ciente da força que o tema já possui. O livro não vem recheado de padrões de comportamento sexual doentio, mas também não tenta passar lições de boa conduta. Seu mérito ao tratar da juventude e seus problemas está mesmo numa realidade em que, por mais bem intencionada que seja uma garota, ela acaba agindo de forma cruel, manipuladora e provocando dor a quem está próximo. Quando é apresentada a família Cullen, aparentemente um grupo de colegas que permanece isolado nos intervalos entre as aulas, Bella sente-se inexplicavelmente atraída por eles, e a partir de então explode uma saga de paixão e desejo com um perigo sobrenatural que coloca em risco a vida de todos os inocentes. Mais um ponto a se ressaltar, contudo, é o tom introspectivo de Crepúsculo. A autora não investe em cenas de violência gráfica, mantém o suspense em nível psicológico e envolve o leitor pela riqueza na caracterização e sentimentos de seus personagens.
Entre todos os aspectos, sobressai em Crepúsculo a paixão arrebatadora entre Bella e o vampiro Edward Cullen. Mais que uma história de vampiros colegiais, o livro narra uma trama poderosa de primeiro amor. Por não se basear em convenções do gênero, Meyer desenvolve conceitos próprios sobre o mito dos vampiros, inclusive o que chama no romance de “vegetarianos”, ou seja, aqueles que evitam se alimentar de sangue humano. Em verdade, tentam evitar, pois boa parte das emoções defloradas ao longo da narrativa versa sobre o desejo de Edward morder sua amada, e de ela desejar ser mordida! Paralelamente, como não poderia deixar de ser, há todo um universo de criaturas demoníacas, de vampiros a lobisomens, e logo o amor da jovem adolescente é ameaçado por predadores implacáveis. Ainda assim, mesmo quando o horror e o suspense tomam conta, o foco se mantém nos sentimentos.
Crepúsculo é o romance de estréia de Stephanie Meyer, sucesso absoluto de vendas, primeiro lugar na lista do New York Times, onde permaneceu durante mais de um ano, rendendo elogios diversos da crítica internacional, e teve três continuações já publicadas nos Estados Unidos. Mas seu mérito não está em números ou na consagração por especialistas, e sim no diálogo honesto e contundente que estabelece com o público adolescente. Num tempo em que os jovens são tratados muitas vezes como seres incapazes de pensamento inteligente e guiados por modismos infelizes, o romance acertou em cheio ao explorar suas angústias e paixões, garantindo identificação total. Essa é a literatura de qualidade que, voltada para qual for a faixa etária, tratando dos seres sobrenaturais que desejar, captura a mente, o coração e as aspirações humanas tal como uma mordida no pescoço por dentes afiados e sedentos de sangue.

**** Quem quiser saber sobre o livro, a série e o filme, pode explorar as informações do Especial que a equipe do Omelete fez.

Ainda não li, porque não comprei. Estou colocando algumas coisas em ordem. Sem contar que tenho que terminar o Comer, Rezar e Amar e começar o Estrela Solitária e o A menina que roubava livros (além de milhares de romancinhos). Para séries assim, é necessário tempo e dedicação. Por isso, quem quiser me aconselhar sem adiantar detalhes da história, deixe seu comentário.

Bacci

Beta
Reações:

6 comentários :

  1. Beta, só te digo uma coisa.
    Quando você começar, não vai parar até terminar a série toda.

    Ciao

    ResponderExcluir
  2. Beta *Lidy afiando as garras*, deixa de ser boba e vá ler logo. E tenha em mente o que a Mi disse: você não vai conseguir terminar enquanto não ler a série toda.

    O Edward disse em certa parte do livro que a Bella era para ele o mesmo que heroína era um para um viciado, mas ela ainda era o tipo de heroína preferida dele. Eu quero, eu quero, eu quero um Edward! buáááááááá

    ResponderExcluir
  3. Ótimo seu blog,antes que voce leia crepusculo ou até mesmo depois entre aki e confira essa historia(mesmo genero de crepusculo);afterthemidnight.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Jéssica Hitomi10:20 PM

    Oi, já li a série, recomendo e concordo com o que as meninas disseram: Quando começar a ler só parará quando a série terminar.
    Mas uma opinião, e aviso, em algumas partes você poderá achar um tanto entediante, mas provavelmente continuará esperando algo melhor, que realmente virá! Portanto, mesmo com essas passagens na série, você provavelmente gostará da história em si.
    PS: Mesmo o Edward sendo o Deus que ele é em algumas partes eu realmente fiquei com muita raiva dele e quase preferi que a Bella ficasse com o Jacob, que é bem mais animado....
    Bjusss, boa leitura!

    ResponderExcluir
  5. Jéssica Hitomi10:20 PM

    Oi, já li a série, recomendo e concordo com o que as meninas disseram: Quando começar a ler só parará quando a série terminar.
    Mas uma opinião, e aviso, em algumas partes você poderá achar um tanto entediante, mas provavelmente continuará esperando algo melhor, que realmente virá! Portanto, mesmo com essas passagens na série, você provavelmente gostará da história em si.
    PS: Mesmo o Edward sendo o Deus que ele é em algumas partes eu realmente fiquei com muita raiva dele e quase preferi que a Bella ficasse com o Jacob, que é bem mais animado....
    Bjusss, boa leitura!

    ResponderExcluir
  6. Oi, primeira vez que entro em seu blog e gostei muito, parabéns! achei interessante quando vc falou como viu o Crepusculo não livraria e não dava atenção e tudo mais...comigo vem igualzinho....romance de vampiro...aff..tava na onda de só ler livro mais sério, sem romance, tipo caçador de pipas, a cidade do sol, a menina que rouava livros, etc, que aquele livro sobre vampiros me pare meio...mas arrisquei...e adorei...mas sabe depois de ler a série quando vou ler outro livro, por melhor q eles sejam, não consigo encontra um que me fça sentir o q o crepusculo fez, parece q a Meyer e sua estória sabem prender, envolver o leitor....

    Parabéns pelo Blog, voltarei mais vezes...xeru!

    ResponderExcluir